Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
Print Friendly, PDF & Email

5 palestras imperdíveis do TED sobre política

Foto: James Duncan Davidson / TED

ted

Qual a relação entre política e o TED? Em primeiro lugar, a necessidade de existir na política a mesma mentalidade que o TED fomenta: ideias que merecem ser disseminadas. A inovação e a criatividade usadas a favor da melhoria de questões próprias de uma comunidade tem tudo a ver com fazer política e praticar cidadania. Para entender melhor como funciona essa organização, leia este texto sobre o TED.

Separamos aqui as 5 talks – ou conversas, em português – sobre política mais vistas na história do TED às quais você precisa assistir.

(Para colocar legendas em português, clique na caixa de diálogo no rodapé do vídeo e escolha a opção: “Português brasileiro”.)

1. Você ouviu aquela sobre o Iraniano-Americano? – Maz Jobrani

Os embates políticos entre o Irã e os Estados Unidos vêm desde 1979, depois que o Irã deixou de ser uma monarquia e se tornou um país de república islâmica, isto é, religião e política estão diretamente ligados. Desde então, não há relações diplomáticas entre as duas nações e os EUA são aliados do principal concorrente do Irã no mercado do Petróleo, a Arábia Saudita. Mas a grande questão para os embates entre os países era a questão nuclear: os EUA e a União Europeia fizeram uma série de sanções econômicas ao Irã, pois o país mantinha usinas nucleares em seu território.

Depois de anos de negociações, o Irã assinou em 2015 um acordo nuclear para não continuar com seus programas nucleares e em troca os EUA e a União Europeia deveriam tirar as sanções econômicas. A situação, que parecia melhor depois do acordo, piorou com a chegada do presidente Donald Trump, que aplicou uma série de embargos econômicos ao Irã novamente.

Em sua talk, o comediante Maz Jobrani, que é iraniano-americano, fala sobre os impasses em sua “dupla identidade” com muito humor e certa acidez política, explicando as dificuldades em ser iraniano e mesclando situações pessoais com os dilemas políticos vividos pelas duas nações. Além disso, fala sobre a falta de representatividade de pessoas do Oriente Médio sem que sejam estereotipadas. Uma palestra leve, muito engraçada e que toca no coração de um assunto latente sobre a relação conturbada entre Irã e Estados Unidos.  

2. Fique atento a bolhas de filtro online – Eli Pariser

A palestra traz uma questão, no ano de 2011, que em 2017 ainda se faz presente: as “bolhas” das redes sociais, que agravam os efeitos do fenômeno da pós-verdade e do crescimento das notícias falsas – leia sobre notícias falsas e pós-verdade neste conteúdo do Politize!. O autor Eli Pariser conta sobre sua própria experiência no Facebook em não ter mais pessoas do espectro político oposto ao seu em sua linha do tempo e nos mostra que o Google também está fazendo essas bolhas, além de vários sites de notícias ao redor do mundo, que personalizam a forma com que recebemos conteúdo.

Na era da informação – e da desinformação –, essa palestra é um alerta de que nossas linhas do tempo, as fotos que vemos nos nossos aplicativos pessoais e as notícias que chegam até nós são culpa de algoritmos e não refletem o pensamento político de todo mundo, mas sim aqueles que são similares aos nossos e das pessoas que nos circulam. Como podemos não ficar nessa “bolha”?

3. É assim que aconteceu a experiência de ir disfarçada à Coreia do Norte – Suki Kim

A escritora sul-coreana, criada nos Estados Unidos, ficou seis meses vivendo disfarçada como professora na Coreia do Norte: é isso que conta Suki Kim nesta palestra. A experiência dela no que chama de “a mais isolada e brutal ditadura da atualidade” resultou num livro, em que conta como é a rotina em uma das mais prestigiadas universidades do país; a falta de liberdade de expressão; a mínima internacionalização; o desconhecimento da internet e o culto ao “Grande Líder”. Um relato que vale a pena ser assistido, afinal, o quanto sabemos a respeito da Coreia do Norte?

4. As raízes morais dos liberais e dos conservadores – Jonathan Haidt

O psicólogo Jonathan Haidt estuda as razões morais que fazem com que tenhamos posicionamentos políticos mais à direita, à esquerda ou ao centro e dão forma às nossas escolhas políticas. Fazendo uma relação entre estereótipos e características reais do pensamento conservador, que não se limitam apenas à política, mas fala sobre hábitos de alimentação, de vida e hobbies, por exemplo. Ele fala do significado de moralidade na psicologia e dos cinco fatores nos quais a moralidade se baseia para explicar o pensamento liberal conservador. Uma aula de psicologia e ciência política regada de bom-humor!

5. Por que o Brexit aconteceu e o que fazer em seguida – Alexander Betts

O cientista político Alexander Betts explica a então saída de seu país, o Reino Unido, da União Europeia – que causou o Brexit – falando sobre como a nossa sociedade é desintegrada. Refere-se à falta de consciência não só em seu país, mas em todo o mundo, de que nem todas as pessoas pensam como nós e de que vivemos em bolhas sociais – não só nas nossas redes online. Explica a surpresa do resultado que sinaliza o “sim” ao Brexit, como lidar com o medo da globalização que têm as pessoas que votaram dessa forma e problemas contemporâneos vividos, como a xenofobia e o retorno ao nacionalismo. Surge uma reflexão a qualquer pessoa, seja do Reino Unido ou não: conhecemos de fato como nossos conterrâneos pensam?

As discussões políticas no TED

Por ser uma plataforma global, que já traduziu algumas de suas palestras para mais de 100 idiomas, o TED é também uma possibilidade global de nos relacionarmos com o que acontece internacionalmente na política, e não só nos referindo à política externa. Mas considerando o mundo globalizado e conectado atualmente, o que acontece politicamente na Europa, no Oriente Médio, na África, também reflete na América do Sul. Há ideias e mais ideias sobre isso, inclusive sobre como sermos cidadãos globais. Há assuntos como sistemas políticos, capitalismo, socialismo, inovação em governo, democracia, democracia digital, entre tantas outras discussões pertinentes que precisamos ter aqui, mesmo que a ideia tenha surgido do outro lado da Terra.

Se apenas essas 5 palestras não foram suficientes para satisfazer sua curiosidade de boas ideias, aqui vão as outras 5 da lista das 10 palestras do TED sobre política mais assistidas da história.

6. A história de dois sistemas políticos – Eric X. Li

O cientista político e “capitalista”, como se autodenomina, Eric X. Li argumenta que a universalidade dos sistemas democráticos ocidentais será moralmente desafiada pela China. Ele, que nasceu no auge da Revolução Cultural da China, que aconteceu de 1966 a 1976. Conta que, crescendo na China, a ideia era de que o capitalismo era ruim e o socialismo era bom, e conta a sua experiência, compartilhando o que acredita que seria uma verdadeira reforma política.

7. O capitalismo vai devorar a democracia – a não ser que falemos alto – Yanis Varoufakis

O economista e ex-ministro da Economia na Grécia fala que temos a democracia como um bem e um modelo inquebrável, que irá resistir a qualquer acontecimento. Ele conta que, na sua experiência de ministro da Economia num governo recentemente eleito, foi dito a ele que o processo democrático – as eleições – de seu país não poderia interferir nas políticas econômicas que estão sendo implementadas lá. Ele mostra, porém, um “caso” da economia de uma democracia autêntica, pretendendo desmistificar a ideia de que a democracia pode ser deixada de lado em nome do capitalismo e de interesses econômicos – argumenta que, sem ela, não haverá futuro ou tecnologia que valha a pena nem possa ser utilizado.

8. Por que eu amo um país que já me traiu – George Takei

O japonês-americano George Takei conta sua história nessa palestra do TED que leva a pensar sobre democracia, nacionalismo e patriotismo. Seus avós eram imigrantes do Japão que se aventuraram na ida aos Estados Unidos e a sua experiência esteve completamente moldada por esse fato: na Segunda Guerra Mundial, quando os Estados Unidos lutou contra o Japão, ele e sua família foram aprisionados em um “acampamento”. Na palestra, conta sobre a sua experiência e sua visão sobre patriotismo.

9. A China é o novo ídolo para economias emergentes? – Dambisa Moyo

“Dê-me liberdade ou dê-me morte”. Dambisa Moyo, economista internacional, começa com uma frase histórica dita por um dos lutadores pela independência dos Estados Unidos. Essa frase demonstra o valor que a liberdade tinha desde então e continua tendo até hoje nas nossas sociedades. Mas que tipo de liberdade é essa? Nossa forma de democracia no ocidente preza pelo sistema democrático, pelos direitos civis e pelos ideais de capitalismo, mas essa democracia realmente entrega os direitos, as liberdades, o bem-estar social que se espera? O que acontece no outro lado do mundo?

10. A maneira surpreendente com que grupos como o Estado Islâmico permanecem no poder – Benedetta Berti

A analista de política Benedetta Berti fala sobre o que o Estado Islâmico, o Hamas e o Hezbollah têm em comum – além da violência e do terrorismo. Ela estuda o que esses grupos fazem quando não estão agindo de maneira violenta e busca levar a alternativa de não haver conflitos violentos. As guerras não são mais entre Estados, mas entre o Estado e outros grupos, o que é o caso dos grupos terroristas. Ela fala sobre o que precisamos saber sobre essas novas guerras e por que elas acontecem para que possamos entender sua complexidade e tentar evitá-la.

O que essas palestras podem fazer pelas nossas mentes em termos de política? Inspirar? Instigar? Diversificar nosso pensamento? O que você achou dessas ideias? Deixe seu comentário!

Publicado em 07 de novembro de 2017.

Carla Mereles

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), curadora do TEDxBlumenau e assessora de conteúdo do Politize!.