Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
Print Friendly, PDF & Email

Como ser um redator voluntário do Politize?

Foto: Domínio Público / Pexels.com

Pense em um problema na sociedade, seja a brasileira, seja a mundial. O que você pensou? Fome, desigualdade social, falta de acesso à educação? E se fosse possível começar a resolver de tudo um pouco, por meio de informações acessíveis a qualquer pessoa e em qualquer lugar? Foi pensando nisso que surgiu a missão de levar inovação e educação política a todos os brasileiros. Só que ninguém faz um movimento sozinho, certo? Por isso precisamos da sua ajuda! Veja agora como fazer parte da rede de redatores do Politize!

1. Por que escrever voluntariamente?

Já são mais de 100 pessoas que compõem a rede de co-criadores – como chamamos os redatores voluntários – promovendo novos debates e oferecendo novas informações toda semana. Além disso, são milhares de pessoas que leem o portal por dia, ultrapassando milhões de visitas em dois anos de trabalho. Imagina só um conteúdo seu tendo esse alcance todo. Imaginou? Confira abaixo algumas motivações a mais para se juntar à rede:

  • Adquirir experiência e portfólio com a escrita;
  • Desenvolver-se pessoalmente ao aprender novas áreas de conhecimento;
  • Praticar voluntariado com propósito social;
  • Promover a causa da educação política;
  • Divulgar seu trabalho no maior portal de educação política no Brasil.

E mostrar no almoço de família que você escreve para o Politize!, é claro.

2. Sobre o que escrever?

Todo mundo tem uma bagagem pessoal cheia de conhecimentos e vivências para compartilhar. O que você traz na sua mala? O que gosta de estudar e quais assuntos chamam a sua atenção? O objetivo é escrever de maneira didática e leve sem ser uma aula acadêmica, por exemplo. O texto ter que ser uma conversa, como se estivéssemos colocando a última viagem em dia com os amigos: uma linguagem acessível e divertida.

Para falar de educação política, abordamos temas que se relacionam com a administração pública, os deveres do Estado e os direitos do cidadão. Além disso, é importante buscar uma pluralidade de visões sobre educação, saúde, mobilidade urbana, dinheiro público, transparência, corrupção, políticas públicas e muito mais. Comparações com outros modelos governamentais, retrospectivas históricas e políticas internacionais também ajudam a expandir nosso olhar e descobrir novos horizontes. Vamos embarcar nessa aventura juntos?

3. Precisa escrever toda semana?

Seria um sonho ter uma rede de redatores voluntários que escrevem toda semana? Certamente! Por outro lado, o foco é ter mais pessoas compartilhando seus conhecimentos e não há problema se puderem escrever apenas uma vez por semana, quinzena, mês, semestre… Não tenha pressa: inscreva-se e comece com um tema para estudar e escrever. Depois desse primeiro gostinho, a quantidade de textos e os prazos são conversados. Só não vale combinar a viagem e dar para trás na hora do embarque, hein?

4. Precisa ter posicionamento político?

Direita, esquerda, centro, neoliberal, socialista, extremos… Identifica-se com alguma posição política ou corrente de pensamento? Aqui o lema é: evite qualquer militância e mostre os vários lados da moeda. Podemos sempre nos esforçar para buscar a pluralidade de aspectos sobre um assunto. Mas como? Insira argumentos contra e a favor de uma questão, busque pesquisas acadêmicas, entrevistas de especialistas, exemplos de outros países e dados que comprovem a sua afirmação. Afinal, escrever não é só escolher as melhores palavras: é um processo de curadoria de conteúdo e perguntas-chaves para responder uma dúvida que todo mundo se questiona. Quer ver? Inspire-se nestes exemplos:

5. Qualquer um pode ser redator do Politize?

Não, é preciso ter mais de 18 anos, título de eleitor, natural do Brasil… Brincadeira! Qualquer pessoa – que goste de escrever – pode se inscrever para contribuir no conteúdo do Politize! Por outro lado, algumas temáticas podem ser reservadas a redatores com local de fala – no caso de minorias ou movimentos sociais, por exemplo. Ao se inscrever com nome e e-mail, você escolhe um assunto sugerido ou propõe um novo que ainda não encontrou no portal. É importante pensar fora da caixa e não fazer mais do mesmo: quais novos formatos seriam ideais para passar adiante essa informação que deseja compartilhar?

6. Como começar a contribuir?

Agora que a aventura vai começar, entenda o passo a passo para ter seu texto publicado:

  • Inscreva-se para ser um colaborador;
  • Escolha um assunto para pesquisar, ler e criar conteúdo;
  • Responda ao email de boas-vindas e confirme o assunto escolhido;
  • Entregue a primeira versão do texto e aguarde revisão.

A partir das revisões feitas pela equipe do Politize!, você saberá quais partes melhorar ou aprofundar até o conteúdo estar pronto para publicação. O processo é exigente, para que não sejam publicados conteúdos que ninguém vai entender. “Mas e se eu não quiser só escrever?”, você deve estar se perguntando. Bem, todos podem fazer sua parte para uma educação política de qualidade. Que tal uma doação em nosso crowdfunding também? 😉

crowdfunding
Publicado em 06 de novembro de 2017.

Clarice Ferro

Graduada na Escola de Comunicação da UFRJ e editora de conteúdo no Politize!