Comportamento eleitoral: como os eleitores decidem seu voto?

Você já tentou compreender a razão para alguém votar em determinado candidato? Já ficou indignado ou sem entender por que um amigo ou familiar apoia um candidato? Aposto que sim! Com a polarização política nesse período anterior ao segundo turno, vemos muitas discussões, pessoalmente ou em redes sociais, sobre o comportamento eleitoral das pessoas ao nosso redor – questionando-o ou tentando entender suas origens.

Nesse texto, iremos discutir sobre como os eleitores se comportam nas eleições e o que interfere nesse comportamento. Esse assunto é muito importante para entendermos melhor como as estratégias de campanhas são construídas, as quais buscam causar efeitos específicos no público, que podem se refletir nas urnas. Além de nos ajudar a entender as escolhas das pessoas ao nosso redor, esse conceito nos permite refletir sobre a nossa própria escolha.

Para isso, devemos interpretar o que o dicionário diz sobre o que é comportamento. Existem duas definições importantes, a primeira é a de que é um conjunto de atitudes específicas de alguém diante de uma situação, tendo em conta seu ambiente, sociedade, sentimentos, etc.; a segunda é o estudo sistemático das reações individuais aos estímulos. Mas e comportamento eleitoral, o que é?

Quais modelos já existem para estudar o comportamento eleitoral?

Para entendermos o que é o comportamento eleitoral, primeiramente precisamos compreender alguns modelos. Os modelos são como lentes, que permitem que a gente possa enxergar o comportamento dos(as) eleitores(as) a partir de visões diferenciadas. Alguns elementos têm sido estudados ao longo do tempo, como veremos a seguir:

Modelo sociológico

O nosso primeiro par de lentes é o modelo sociológico (modelo da Columbia), o qual defende que o contexto social e político acaba por influenciar as decisões eleitorais, ou seja, características que se relacionam com a cultura, religião, economia, etnia ou razões ideológicas que diferenciam grupos sociais. A conjuntura política de um país, por exemplo, pode influenciar diretamente o não voto, isto é, o nível de votos nulos, brancos e abstenções em uma eleição. Dessa forma, como o contexto ao longo dos anos poderia influenciar as escolhas nas eleições?

Durante o ano de 2013, por exemplo, tivemos vários protestos ao redor do Brasil, cuja pauta era a melhoria de serviços públicos básicos como transporte, saúde, segurança e educação. Nas eleições presidenciais de 2014, os candidatos não só se basearam nesses acontecimentos para construir suas propagandas eleitorais, mas isso também foi um fator que influenciou o eleitorado.  

Relembre: o histórico dos votos brancos e nulos no nosso país.

Modelo psico-social

O modelo psico-social (sociopsicológico, ou de Michigan), por sua vez, elenca um conjunto de fatores que vão interagir simultaneamente dentro da cabeça do eleitor, ou seja, o foco está mais no comportamento individual do que no pertencimento a um grupo. Apesar deste modelo concordar que experiências históricas e sociais são importantes para que o(a) eleitor(a) cristalize uma ligação partidária, uma série de outras coisas estarão exercendo maior influência, como por exemplo a opinião de amigos e familiares, a imagem construída pelo(a) candidato(a), a mídia e as ações do governo.

Modelo da escolha racional

Já o modelo da escolha racional (de Rochester ou econômico) apresenta o(a) eleitor como alguém que não está ligado à crenças ou outros fatores sociais. Na verdade, o cidadão faz um cálculo de custo-benefício de qual candidato será melhor, tendo em vista as propostas apresentadas e quais benefícios por parte deste(a) candidato(a) ele pode adquirir. Desta forma, podemos entender também que o(a) eleitor(a) pode votar prospectivamente, ou seja, quem vota cria expectativas futuras sobre o mandato do(a) candidato(a) baseado em suas propostas. Por exemplo, quando lemos os planos de governo dos candidatos podemos criar expectativas sobre o que o(a) candidato(a) vai fazer e, a partir disso, tomar a nossa decisão.

comportamento eleitoral racional

Agora que já sabemos como pensar em comportamento eleitoral, por que não ir direto ao ponto e compreender, de forma mais concreta, o processo de tomada de decisões nas eleições? Para isso, vamos discutir os atalhos cognitivos.

O que são atalhos cognitivos e como eles afetam nossas decisões?

Com as eleições se aproximando, o voto tem sido o alvo de muitos estudos. Por mais difícil que seja entender o que leva alguém a votar em outra pessoa, já que é uma decisão complexa e pessoal, os atalhos cognitivos (ou Heurísticas Políticas) usados pelos eleitores são processos mentais, em que ignoramos parte da informação que recebemos, de forma automática e quase inconsciente, com o objetivo de tornar a escolha do candidato mais fácil e rápida. Mas como esses atalhos mentais se relacionam com o processo eleitoral? Quais são os principais tipos de atalhos? Vamos discutir tudo isso e muito mais!

Como o eleitor toma uma decisão informada mesmo quando é desinformado?

Antes de entendermos os tipos de atalhos, precisamos notar que as pessoas estão mais preocupadas com coisas que as influenciam diretamente, do que com conseguir informações sobre algum político. Além disso, pode haver algum custo de tempo ou financeiro em conseguir essas informações – que muitos não estão dispostos a se submeter.

O grande número de dados que recebemos diariamente sobre quem vai se candidatar para as eleições – tanto na internet, quanto em jornais, na televisão e no rádio -, por exemplo, é difícil de ser compreendido ao mesmo tempo, tendo em vista a dinâmica das redes sociais. São muitas informações, o que torna a assimilação de todoas essas informações muito complicada cognitivamente.

Por isso, os atalhos nos fazem chegar à conclusões políticas que são confiáveis e fazem sentido para nós (individualmente), mesmo com todas as dificuldades em nos manter informados.

As heurísticas políticas carregam informações básicas que por si só já são suficientes, por isso elas nos ajudam a decidir, mesmo quando estamos desinformados. Podemos entender melhor este processo através dos principais tipos de atalhos, como veremos a seguir.

crowdfunding

Como o eleitor toma uma decisão informada mesmo quando é desinformado?

A seguir, iremos listar algumas categorias que funcionam como atalhos cognitivos, ou seja, que carregam informações básicas, percebidas de maneira quase inconsciente, que nos ajudam a escolher um(a) candidato(a) de maneira mais fácil e rápida. São elas:

Apoio de grupos

Aqui a nossa atenção está na credibilidade que o grupo ou pessoa passa para o(a) eleitor(a). No lugar de considerar com cuidado a posição de cada candidato em relação à políticas específicas em uma eleição, ele(a) pode simplesmente checar se o candidato tem o apoio ou não de um grupo específico que tem relação com o assunto em questão e que tenha interesse nas políticas que o eleitor valoriza. Nesse caso, o esforço em analisar o candidato é confiado ao grupo. Tudo que é necessário é saber se o candidato é apoiado por determinado grupo, e sua atitude em relação a ele. Uma vez que o eleitor(a) descobre se há apoio ou não do grupo, ele(a) consegue presumir a posição do(a) candidato(a) em relação a diversos aspectos, e provavelmente decidirá votar conforme o que o grupo pensa e diz.

O apoio de uma organização ou partido à candidatos no segundo turno, de movimentos sociais, apoio de celebridades, apoio internacional, de associações religiosas, sindicatos, etc. pode ajudar bastante. O(a) eleitor(a) pode não conhecer o(a) tal candidato(a), mas se ele receber apoio de uma organização que você acompanha e respeita muito, você pode passar a considerar conhecê-lo melhor e até mudar o seu voto.

Um exemplo fictício para você entender melhor: se o candidato Paulo é apoiado pelo movimento feminista, o(a) eleitor(a) pode assumir, que ele é um candidato progressista, que vota à favor das diversas causas sociais (que não apenas a de gênero). Sendo assim, se o eleitor é apoiador desse movimento, irá considerar votar em Paulo. Por outro lado, se a candidata Luana é apoiada pelo Movimento Brasil Livre (MBL), o(a) eleitor(a) presumirá que ela é liberal no espectro econômico, e se ele não concordar com esse viés político-econômico, automaticamente criará uma barreira para conhecer as propostas de Luana.

Estereótipos partidários/ideológicos

O(a) eleitor(a) irá atribuir um rótulo ao(à) candidato (a) de acordo com estereótipos ligados ao partido dele ou à sua ideologia. Outro exemplo: se o candidato Alexandre é do Partido Republicano (dos Estados Unidos), o(a) eleitor(a) pode presumir que ele(a) vai defender fortemente impostos mais baixos, vai ser contra a intervenção do governo na economia, contra o aborto, dentre outras posições que estejam de acordo com os estereótipos ligados a um partido de direita e conservador.

Estereótipos pessoais/sociais

De acordo com os Cientistas Políticos David P. Redlawsk e Richard L. Lau, no capítulo Political Heuristics” do livro “How Voters Decide?,  este é o atalho mais utilizado, pois é o mais fácil de entender, já que tem relação com características físicas. Basta olharmos para a pessoa (neste caso, o(a) candidato), para presumirmos uma série de coisas a seu respeito. Somente com a imagem do candidato, recebemos muitas informações sobre ele, como gênero, raça, idade, e também o “nível de simpatia” (se estiver sorrindo ou não, por exemplo), o que trás imediatamente muitas conclusões e interpretações relacionadas à essas características para o(a) eleitor(a).

A imagem de quem se candidata também podem desencadear emoções, que podem ter grande impacto em sua avaliação. As pessoas que não entendem absolutamente nada sobre política (e as que entendem também), sabem bastante sobre pessoas e fazem julgamentos de todos os tipos com grande eficiência cognitiva com esses estereótipos sociais.

Por exemplo, tente identificar o que você sente, ou o que você acha que este político representa, quando olha a primeira imagem abaixo, e depois quando observa a segunda imagem:

emmanuel macron comportamento eleitoral

Na primeira imagem, podemos ver Emmanuel Macron, atual presidente da França, com um semblante descontraído, enquanto as pessoas que estão atrás na foto sorriem. Na segunda imagem, o presidente se mantém com uma aparência séria e concentrada, sem a presença de outras pessoas. Um(a) eleitor(a), então, pode simpatizar com o político por conta da primeira foto, considerando-o descontraído. Já um outro(a) eleitor, mais conservador e com ideais opostos ao anterior, pode considerar, pela primeira foto, que o presidente francês é incompetente por aparecer publicamente dessa forma, mas ao olhar para a segundo foto, tenderá a considerá-lo responsável.

Viabilidade do candidato:

Por último, a viabilidade do(a) candidato(a), ou seja, as chances reais dele(a) de ganhar as eleições, servem como atalho, sendo uma forma importante de o(a) eleitor(a) reduzir seu peso na tomada de decisão. Geralmente, esse(a) eleitor(a) irá se basear nos resultados das pesquisas, que informar quais candidatos estão a frente nas campanhas e quais estão muito atrás nas intenções de voto.

Além disso, ver um candidato liderando nas pesquisas fornece um tipo de “consenso” (consensus information) que pode motivar o eleitor que já tinha rejeitado previamente ou ignorado um candidato, a olhar com mais cuidado pra ele – “afinal, se várias pessoas o consideram bom, não deve ser à toa” é o que ele pode pensar.

Afinal, como esse conhecimento pode ser útil para mim?

Agora que você já sabe de que forma os eleitores decidem seu voto e o que afeta o comportamento eleitoral, você pode entender as motivações pelas quais aqueles seus amigos e parentes votaram em alguém que você discorda, por exemplo. Mas, mais importante do que isso, é, através dos conceitos aprendidos, refletir quais atalhos cognitivos VOCÊ leva em consideração na hora de decidir seu voto, e pensar como você pode melhorar as suas decisões, se baseando em critérios concretos.

Afinal, apesar dos atalhos serem usados de maneira automática e quase inconsciente por todos nós, é importante não esquecer de como fazer um voto consciente!

E aí, conseguiu entender o comportamento eleitoral das pessoas ao seu redor? O que acha de sair perguntando pros amigos e família quais fatores eles consideram pra votar em alguém?

Não esqueça de compartilhar esse post  com seus amigos e de comentar o que achou do texto!

Publicado em 26 de outubro de 2018.

Veja o que usamos como referência!

Lau, Richard, e Redlawsk, David. 2006. “Political Heuristics” em: How Voters Decide? New Jersey, Cambridge University Press, 2006.

Boas, T. 2014. “Pastor Paulo vs. Doctor Carlos: Professional Titles as Voting Heuristics in Brazil.” Journal Of Politics In Latin America, 6(2): 39-72.

DRUCKMAN, James. 2012. “The Politics of motivation.” Critical Review, 24(2): 199-216.

BARTELS, Larry. 2008. “The Study of Electoral Behavior”.

Wikipédia, Heurística. Disponível em: . Acesso em 23 de Setembro de 2018.

Veja, Após Eleição, Macron traz mensagem de otimismo para França. Disponível em:<https://veja.abril.com.br/mundo/apos-eleicao-macron-traz-mensagem-de-otimismo-para-a-franca/>. Acesso em 23 de Setembro de 2018.

Sputnik News, Itália espera que Macron salve o futuro da Europa. Disponível em:<https://br.sputniknews.com/europa/201704248234523-italia-franca-macron/>. Acesso em 23 de Setembro de 2018.

Research Gate, Modelo psicossocial do comportamento eleitoral.
Disponível em:<https://www.researchgate.net/publication/262152477_Modelo_psicossocial_do_comportamento_eleitoral>. Acesso em 23 de Setembro de 2018.

Gazeta do Povo, Escolha bem seu candidato. Disponível em:<https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/escolha-bem-seu-candidato-1ttnvmqj4uan2hpid6htgm4b2/>. Acesso em 23 de Setembro de 2018.

Mariana Brito

Mariana Brito

Redatora voluntária do Politize! Graduanda em Ciência Política pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), tem interesse nas áreas de Políticas Públicas, Análise de Dados e Comportamento Político.