pincel com tinta verde. Conteúdo greenwashing

Você já ouviu falar sobre Greenwashing? O termo faz referência a estratégias de propaganda enganosa que podem ser praticadas por empresas, indústrias, organizações não governamentais (ONGs), ou governos.  

Mas o que significa?

O termo pode ser traduzido como “lavagem verde”, “pintando de verde” ou até “maquiagem verde”. Consiste em uma prática de promover discursos, anúncios, propagandas e campanhas publicitárias com características ecologicamente/ambientalmente responsáveis, sustentáveis, verde, “eco-friendly”, etc. Todavia, na prática, tais atitudes não ocorrem. Por esse motivo, o greenwashing tem a intenção de criar uma falsa aparência de sustentabilidade, induzindo o consumidor ao erro, uma vez que, ao comprar o produto ou serviço, ele acredita que está contribuindo para a causa ambiental e/ou animal. 

Muitas vezes, a intenção da propaganda é relacionar a imagem de quem divulga essas informações à defesa do meio ambiente, geralmente com palavras-chaves ou ilustrações de natureza, quando, por trás da propaganda, não são tomadas medidas efetivas de minimização dos problemas ambientais. Além disso, pode ser que aquele produto ou serviço contribua para gerar impactos negativos ao meio ambiente. 

Leia também: o que são mudanças climáticas?

Exemplos de Greenwashing

Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC), realizada em 2018, analisou mais de 500 embalagens de produtos de higiene, limpeza e utilidade doméstica para verificar a prática do Greenwashing. A pesquisa encontrou que em quase metade (48%) das embalagens dos produtos foram encontradas informações falsas sobre a responsabilidade ambiental!

Para entender melhor como ocorre a prática, pensamos no exemplo do setor automobilístico. Sabemos que esse setor gera diversos impactos negativos na natureza, tais como emissão de poluentes e consumo de energia – uma vez que a geração de energia depende da exploração de recursos naturais. 

Um grande fabricante do setor automobilístico produziu uma propaganda com informações sobre a utilização de materiais reciclados na composição do carro, economia de água, logística reversa e eliminação de metais pesados. Porém, ao invés de ecologicamente responsáveis, essas informações são consideradas greenwashing, uma vez que camuflam o custo ambiental do automóvel, além de, ao mesmo tempo que apresentam-se como “ambientalmente corretas”, são gerados outros impactos negativos no processo de produção. 

Outra falha do anúncio é que o fabricante não apresenta certificações ambientais de tais atitudes, ou seja, as práticas sustentáveis não podem ser comprovadas. 

Outro exemplo de greenwashing também pode ser encontrado na esfera pública. É comum observar prefeituras utilizando informações ambientais em seu marketing, principalmente em época de eleições ou mesmo durante a vigência do mandato. Outdoors com palavras “cidade sustentável”, “cidade verde”, ou mesmo utilizando imagens que remetem à ecologia são consideradas greenwashing quando não é realizada nenhuma atitude efetiva para que a cidade se torne “sustentável”. 

Como identificar e prevenir?

Algumas atitudes simples podem ajudar o consumidor a não cair na propaganda enganosa do greenwashing. Abaixo, mostraremos alguns exemplos.

  • Ficar atento os produtos que se dizem “ambientalmente corretos” mas não possuem certificações em seu rótulo. Alguns exemplos de certificação são: FSC (Forest Stewardship Council)IBD (Instituto Biodinâmico)PROCEL e Ecocert. A presença dessas certificações garante ao consumidor a veracidade das informações presentes no anúncio. Além disso, o consumidor tem a opção de verificar no site da certificadora se a empresa consta no cadastro para garantir que a empresa não está utilizando o selo ilegalmente; 
  • O produto também pode conter um certificado falso ou uma imagem que lembre muito o certificado original. Nesse caso, é importante o consumidor conhecer as certificações para não ser induzido ao erro; 
  • Observar se o anúncio utiliza termos muito vagos, como por exemplo “amigo do meio ambiente” ou “sustentável”, sem esclarecer quais são as atitudes efetivas; 
  • Entender a relevância das informações, pois a informação pode ser verdadeira mas não é relevante para o consumidor naquele produto. “Não contém CFC” (substâncias da família de clorofluorcarbono que são nocivas para a camada de ozônio) é o exemplo mais comum. O uso da substância é proibido por lei, o que significa que o produto não é mais ambientalmente correto que qualquer outro da categoria.
  • Evitar a “distração” do rótulo ou anúncio, isto é, o produto pode afirmar que possui 50% menos plástico, mas, no fim, continua sendo um problema para a geração de lixo no planeta. 
  • Ficar atento para declarações que são simplesmente falsas. As vezes um produto pode informar que possui descarte seletivo, mas a empresa não possui controle sobre isso.
  • Verificar se a organização fornece algum meio de comunicação para o consumidor buscar a veracidade das informações. Se não apresentar, desconfie!

E aí, conseguiu entender o que significa greenwashing? Já viu alguma propaganda assim por aí? Conta pra gente nos comentários!

REFERÊNCIAS

Greenwashing: entenda o que é evite

Um guia para o consumidor não se deixar enganar pelas práticas de greenwashing das empresas

O que é greenwashing, como identificar e não cair?

Das estratégias do greenmarketing à falácia do greenwashing

Deixe um Comentário