Escreva aqui o que você tem interesse em aprender e veremos o que podemos encontrar:

Assine a nossa newsletter

Seus dados estão protegidos de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

Apoie a democracia e receba conteúdos de educação política

Publicado em:

Atualizado em:

Greta Thunberg. Imagem: Getty Images.

Conheça a história de Greta Thunberg, uma ativista socioambiental sueca que ganhou destaque na luta contra a mudança climática e, por isso, se tornou a voz de uma geração que quer ver seus líderes atuando em prol do planeta.

Quando buscamos “Greta Thunberg” no Google, o buscador oferece mais de 12 milhões de resultados. Pode parecer muito para uma jovem de 19 anos, mas Greta não é uma jovem comum.

Ainda muito jovem, Greta começou a falar sobre a importância de defender o meio ambiente e a tomar atitudes para lutar contra a mudança climática.

Suas palavras ganharam proporções inimagináveis e logo ela se tornou uma das vozes mais fortes de uma nova geração indignada com o destino do planeta Terra e os adultos que o conduziam até essa situação.

Nesse texto, a Politize! irá conhecer mais da história de Greta e o movimento que ela inspirou em todo o mundo.

O que motiva Greta Thunberg?

Greta Thunberg nasceu na Suécia em 2003 e se tornou conhecida mundialmente antes mesmo de terminar a escola.

Sua mãe, Malena Ernman, é cantora de ópera. Seu pai, Svante Thunberg, é ator e descende do cientista ganhador do Prêmio Nobel por seu modelo do efeito estufa. Junto com sua irmã Beata, eles vivem em Estocolmo.

Mas, em uma entrevista à apresentadora estadunidense Ellen DeGeneres, ela contou que sua trajetória como ativista teve início dentro da sala de aula.

Aos 8 anos, começou a aprender sobre as consequências da mudança climática que vem sofrendo nosso planeta. A reação da menina foi de incredulidade; não era possível que algo assim estivesse acontecendo e ninguém fizesse nada para evitar a catástrofe.

Porém, quanto mais Greta lia e aprendia sobre o tema, mais se indignava com a apatia dos líderes políticos frente ao problema.

Além disso, com sua pesquisa e todo o conhecimento que adquiriu sobre o assunto, a jovem terminou caindo em uma profunda depressão.

Sua indignação a conduziu a um estado de raiva e impotência que impactou sua saúde mental severamente.

“Eu não podia entender como isso poderia existir, essa ameaça existencial, e mesmo assim não a priorizamos”, disse ela à revista Time.

“Eu estava talvez em um certo estado de negação, algo como, ‘Isso não pode estar acontecendo, porque se isso estivesse acontecendo, então os políticos estariam cuidando disso'”.

Algumas das primeiras ações que Greta tomou para começar a fazer algo pelo planeta foram mudanças de hábito para reduzir a pegada de carbono de sua família:

  • A jovem se tornou vegana;
  • Evita meios de transporte que causam alta contaminação (por exemplo: avião);
  • Compra apenas produtos absolutamente indispensáveis, sempre priorizando reutilizar e reciclar.

Mas, ainda que essas práticas sejam importantes, ela não achava suficiente. Ou seja, a jovem queria fazer mais.

Fridays for Future: Uma “greve escolar pelo clima”

Em maio de 2018, Greta escreveu um ensaio sobre a condição climática que foi publicado por um jornal sueco. Pouco tempo depois, motivada por um desejo pessoal de fazer algo e “se olhar nos olhos”, como disse na conversa com Ellen DeGeneres, Greta decidiu que entraria em greve para pressionar o governo da Suécia a cumprir com as metas ambientais estipuladas no Acordo de Paris.

Seu plano era deixar de comparecer às aulas toda sexta-feira para ir até em frente ao parlamento sueco para protestar, pelo menos até as eleições do país que aconteceriam em setembro de 2018.

Assim, toda sexta-feira, ao invés de ir para a escola, a menina de então 15 anos se sentava fora do parlamento sueco com um cartaz que dizia “Greve escolar pelo clima”.

Dessa forma, Greta permanecia lá até o horário que correspondia ao fim da jornada escolar. Os pais de Greta disseram à revista Time que assim que ela começou a greve pelo clima “ela voltou à vida”.

Greta Thunberg leads a school strike and sits outside of the Swedish Parliament, in an effort to force politicians to act on climate change.
Greta Thunberg. Imagem: Michael Campanella/The Guardian.

Na primeira sexta-feira de greve, Greta esteve o dia inteiro sozinha. A menina e seu cartaz chamaram a atenção das pessoas que passavam e alguns meios de comunicação se aproximaram para entrevistá-la. Na segunda vez, no entanto, algumas pessoas se juntaram à Greta.

Logo, cada sexta-feira reunia mais e mais pessoas, até que se transformaram em uma multidão. Ao mesmo tempo, a greve de Greta ia se tornando conhecida fora da Suécia e milhares de jovens em distintos países do mundo decidiram juntar-se a ela. Assim nascia a organização Fridays for Future (“Sextas-feiras pelo futuro”, em tradução livre).

Líder de um movimento global

Fridays for Future é um movimento internacional de estudantes que faltam às aulas de sexta-feira para participar de protestos exigindo que líderes e organizações tomem ações para prevenir as mudanças climáticas através da redução do consumo, diminuição da emissão de gases tóxicos, e uso de fontes de energia renováveis.

Hoje, esse movimento encabeçado por Greta desde 2018, está presente em mais de 7 mil cidades em todos os continentes, com a participação de mais de 14 milhões de pessoas em todo o mundo.

O Manifesto publicado no site do movimento destaca:

“Muitos perguntam por que milhões de crianças e adultos em todo o mundo estão dedicando tempo à greve; eles não têm escola, trabalho ou outras responsabilidades? A resposta é simples: nós fazemos greve porque não temos escolha. Estamos lutando por nosso futuro e pelo futuro de nossos filhos. Nós protestamos porque ainda há tempo para mudar, mas o tempo é essencial. Quanto mais cedo agirmos, melhor será nosso futuro comum.”

Greta Thunberg: Uma ativista com super-poderes

Greta possui Síndrome de Asperger (um estado no espectro do autismo), um fato que em diversas entrevistas menciona como sendo seu super-poder ao invés de vê-lo como algo negativo.

Segundo a jovem, o Asperger lhe conferiu uma capacidade de concentração fora do comum, o que lhe permite passar horas lendo e assimilando temáticas que são do seu interesse.

Isso também preveniu que ela pudesse compartimentalizar o problema climático e seguir sua vida normalmente, como muitas pessoas neurotípicas fazem; ela simplesmente não conseguia deixar de pensar no problema.

“Eu vejo o mundo em preto e branco”, explicou ela à revista Time. Além disso, seu diagnóstico também está relacionado com sua capacidade de comunicação, sempre direta e honesta, mesmo quando se dirige a figuras de poder como líderes mundiais.

Greta não tem receio de criticar as lideranças globais por não fazer o suficiente para impedir a crise climática que o mundo vem enfrentando.

Assim como tantos outros ativistas, Greta defende que os governos tomem ações drásticas para reduzir as emissões de gases do efeito estufa, que vem causando o aumento da temperatura da Terra desde a Revolução Industrial.

Cientistas alertam que se o planeta alcançar a marca de 1.5°C, um adicional de mais de 350 milhões de pessoas vão viver em ambientes de seca, e mais 120 milhões de pessoas estarão em condição de extrema pobreza em 2030. Cada vez que o calor aumenta, esses e outros problemas se intensificam.

Falando em meio ambiente em clima, que tal ver nosso vídeo no YouTube sobre o problema das queimadas no Brasil?

A voz de uma geração

Em 2018, Greta participou da COP24, a conferência do clima da ONU em nova york, e em 2019 foi parte da Cúpula de Ação Climática, organizada pela mesma organização, na qual deu seu famoso discurso “How dare you?”, que se traduz a “Como se atrevem?”, e se tornou viral.

“Como ousam! Vocês roubaram meus sonhos e minha infância com suas palavras vazias. E, no entanto, sou uma das pessoas sortudas. As pessoas estão sofrendo. As pessoas estão morrendo. Ecossistemas inteiros estão em colapso. Estamos no início de uma extinção em massa, e vocês só falam de dinheiro e contos de fadas de crescimento econômico eterno. Como se atrevem! Por mais de 30 anos, a ciência tem sido clara. Como ousam continuar a olhar para o lado e vir aqui dizendo que estão fazendo o suficiente, quando a política e as soluções necessárias ainda não estão à vista.” (Fragmento do discurso de Greta Thunberg na Cúpula de Ação Climática de 2019).

Leia também: História das Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas

Reconhecimento mundial: o efeito Greta Thunberg

Conforme Greta protestava contra o aquecimento global e os problemas gerados pela mudança climática, ela foi se tornando um exemplo a seguir que inspira a milhões de pessoas a se conscientizar e agir em prol do meio ambiente.

Inclusive, vários meios de comunicação passaram a usar a expressão “the Greta effect”, ou “o efeito Greta”, pra explicar o efeito causado pela jovem nas demais pessoas.

Greta Thunberg full speech at UN Climate Change COP24 Conference - YouTube
Greta Thunberg. Imagem: Connect4Climate

Em uma pesquisa realizada pelo portal The Conversation, as pessoas que entram em contato com as ideias de Greta se tornam mais propensas a “pensar que suas ações eram eficazes e significativas e estavam mais dispostos a fazer algo a respeito da mudança climática”.

Greta Thunberg é uma das jovens ativistas mais influentes da sua geração. Devido ao seu impacto, Greta já recebeu numerosos reconhecimentos por seus esforços, incluindo uma bolsa de estudos honorária da Royal Scottish Geographical Society.

Ela também foi nomeada uma das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista Time e também foi aclamada como Pessoa do Ano pela revista em 2019.

No mesmo ano, a revista Forbes incluiu a jovem em sua lista das 100 mulheres mais poderosas do mundo. A jovem também foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz por três anos consecutivos, de 2019 a 2021.

“Não podemos simplesmente continuar vivendo como se não houvesse amanhã, porque há um amanhã”, disse ela à revista Time. “Isso é tudo o que estamos dizendo”, completou.

E aí, compreendeu melhor a trajetória e ideias da ativista Greta Thunberg? Deixe sua opinião nos comentários!

Referências:

Regiane Folter

Contadora de histórias formada em Jornalismo pela Unesp. Trabalhou com diferentes equipes em projetos de comunicação para meios, agências, ONGs, organizações públicas e privadas. É natural de São Paulo e atualmente vive em Montevidéu, Uruguai.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

últimos vídeos:

Nossa sede é em Florianópolis, mas estamos em muitos lugares!
Passe o mouse e descubra:

Nossa sede é em Florianópolis, mas estamos em muitos lugares!
Clique abaixo e descubra:

Orgulhosamente desenvolvido por: