Na imagem, quadro que retrata o combate durante a Guerra Civil Americana.

Guerra Civil Americana (1861-1865) Foto: Pixabay.

Nos últimos anos, a crise de refugiados sírios ganhou destaque nos grande meios de comunicação e ouvimos muito falar sobre Guerra Civil.  Este é um termo que é discutido com alguma regularidade – seja no noticiário, na internet, em uma conversa entre amigos ou em tantos outros contextos.

Mas, para além do que é difundido no senso comum, você sabe o que isso de fato significa? Esse texto procura explicar brevemente o que é e os reflexos de uma Guerra Civil.

O que é Guerra Civil?

A Guerra Civil é comumente definida como uma disputa ou conflito armado entre grupos civis opostos dentro de um país. O termo “civil” é uma palavra de origem latina – civilis, e significa “cidadão”. Na era moderna, podemos caracterizar cidadão como toda pessoa que possui direitos que são protegidos pelas leis do Estado. Ou seja, a guerra civil é um confronto em que a população é o ator participante, diferente de uma guerra entre Estados, que é uma luta entre os seus exércitos nacionais.

O que motiva uma Guerra Civil

Diversas variáveis podem acabar desencadeando em uma insatisfação popular, revolta e, por fim, culminar em uma guerra civil. As razões mais comuns são instabilidade política e disputa territorial. Porém, a existência de divergências ideológicas, religiosas e culturais também pode fomentar conflitos.

Em geral, as guerras civis se iniciam por algum grupo da sociedade se sentir desfavorecido em comparação a outros e, assim, iniciar o conflito na busca por reivindicar seus direitos. Também pode ocorrer por um grupo se sentir diferente do outro, não se sentir pertencente à Nação, e demandar sua autonomia. Alguns países conseguiram conquistar sua independência ou mudar governos a partir de uma guerra civil.

Reflexos decorrentes de Guerra Civil para a sociedade

Na maioria dos casos, os grupos envolvidos recorrem às armas com a intenção de coagir as autoridades ou demais grupos opositores e alcançarem sua meta. A Guerra Civil não necessariamente se dá apenas entre facções dentro de um país, ela pode envolver o Estado. E, em alguns casos, grupos ou entidades de fora do território nacional podem intervir no conflito, como é o caso da intervenção dos Estados Unidos e da Rússia na guerra civil da Síria.

Uma guerra civil pode ter motivações diversas e cada exemplo precisa ser analisado separadamente para que não seja feita uma análise baseada em pré-conceitos e que não representa a realidade.

Mas, geralmente, de um lado, há os “rebeldes” que procuram estabelecer uma nova ordem. Do outro, um ou mais grupos opositores – que podem se dividir por componentes territoriais, étnicos, religiosos, socioeconômicos, entre outros – ou mesmo as forças do próprio Estado. Quando o opositor é o governo, na maioria dos casos, ele recorre às forças armadas para tentar neutralizar o grupo civil. Em geral, o objetivo do governo ao intervir em uma guerra deste tipo é tentar acabar com o conflito, mas também manter sua soberania.

Ao longo da história houveram diversas Guerras Civis. Por exemplo, a Guerra Civil Espanhola (1936-1939), que foi um conflito entre republicanos e nacionalistas pelo governo espanhol.

Outro exemplo é o da Guerra Civil da Síria, que está em andamento. Ela começou como protestos populares que clamavam pela destituição do presidente Bashar al-Assad com o objetivo de estabelecer um governo mais democrático. O movimento foi incorporado por um viés religioso e o Estado Islâmico passou a reivindicar territórios sírios.

Saiba mais sobre o conflito na Síria.

Conflitos armados, como do caso sírio, são capazes de gerar consequências imensuráveis, como a morte de diversas pessoas, envolvidas ou não com os grupos em combate.

O especialista no assunto, Maurizio Giuliano, do UNIC Rio (Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil), em um evento, em 2017, declarou que antes da I e II Guerra Mundial apenas 10% das vítimas de conflitos armados eram civis. Após esse período histórico, ele informa que houve a inversão desse número e agora estima-se que 90% dos mortos são civis.

Além disso, outros reflexos que podemos mencionar é a escassez de alimentos e bens de consumo, pois o abastecimento em diversas cidades fica interrompido, por exemplo, se construções e estradas foram atingidas e destruídas no conflito. Milhares de pessoas também são forçadas a deixarem seus lares para protegerem suas vidas, em muitos casos, migram a outros países em condição de refugiadas.

Um outro olhar sobre o conceito de Guerra Civil 

O historiador italiano Enzo Traverso, apresenta um outro significado para o termo “guerra civil”. Para ele o termo é conveniente para explicar um fenômeno social que ocorreu a partir da II Guerra Mundial. Segundo ele, nas guerras anteriores havia um conflito entre os Estados e os campos de batalha se limitavam ao front de guerra. Entretanto, a partir do fortalecimento dos movimentos ultranacionalistas na Europa, as batalhas vão além do front e ocupam os espaços civis.

Sendo assim, para Enzo Traverso, podemos considerar guerra civil toda guerra que atinja a sociedade, mesmo ela sendo de um país contra outro.

Peculiaridades que fazem a II Guerra Mundial também ser considerada Guerra Civil para Traverso:

A Segunda Guerra Mundial assumiu três dimensões diferentes das demais guerras:

  1. do racismo (ideia de superioridade racial);
  2. do colonialismo (ampliar o Espaço Vital);
  3. ideológica (anticomunismo no Ocidente e anticapitalismo na URSS).

Sendo assim, para os Estados-nações que estavam na guerra não bastava vencer, eles desejavam aniquilar o oponente, pois ele era uma ameaça a sua identidade nacional. Isso legitimou os bombardeios nas cidades, estupros de mulheres, entre outras ações que visavam a destruição total do oponente. Dessa forma, além de atingir os soldados adversários, atingiam os cidadãos do país opositor.

Guerras Civis atuais

Podemos pensar em Guerra Civil como algo distante que acontecia há muito tempo atrás, mas hoje em dia há alguns casos em andamento. Para ajudar na compreensão, segue alguns exemplos a seguir (ano base: 2020):
Tabela de países com Guerras Civis em andamento.

Citando o exemplo afegão, a história do país é marcada por muitos conflitos armados em seu território com diversos atores dependendo do período. Mas destaco aqui a guerra iniciada após o atentado do 11 de setembro de 2001, que teve o envolvimento externo dos EUA, com sua política de guerra ao terror, que conseguiu derrubar o governo Talibã. Contudo a guerra continua com a resistência talibã.

Gostou do conteúdo? Compartilha a sua opinião com a gente nos comentários!

REFERÊNCIAS

Gabriel Cepaluni; Felipe Mendonça: As razões da guerra civil: necessidade, crença e ganância

Enzo Traverso: A sangre e fuego. De la guerra civil europea, 1914-1945.

Nações Unidas: ONU alerta para crescente número de civis mortos em conflitos armados.

Juliana Bezerra: Guerra Civil Espanhola.

Folha de São Paulo: veja quais são as principais conflitos em andamento no mundo

Deixe um Comentário