Escreva aqui o que você tem interesse em aprender e veremos o que podemos encontrar:

Assine a nossa newsletter

Seus dados estão protegidos de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

Apoie a democracia e receba conteúdos de educação política

Publicado em:

Atualizado em:

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on reddit

Bolsonaro assinando Medida Provisória
Você já deve ter se deparado com uma notícia que afirmava que o Presidente emitiu uma medida provisória sobre determinado assunto. Mas como de praxe, você sentiu que faltava a explicação do básico: o que, afinal de contas, é uma medida provisória?

Felizmente, o Politize! está à sua disposição para explicar para você esses pequenos detalhes que fazem toda a diferença quando o assunto é a política nacional. Vem aprender com a gente!

Sugestão: o Politize! tem uma trilha de conteúdos sobre o Processo Legislativo!

O que é a medida provisória?

A medida provisória (abreviadamente MP) é um ato unipessoal do Presidente da República e possui força imediata de lei. Isso significa que o Presidente decide, por sua própria vontade, criar uma lei. A medida provisória é apenas um dos tipos de leis que passam pelo Poder Legislativo.

As maiores diferenças entre uma lei comum e uma medida provisória são: (i) a MP tem força de lei antes de ser analisada pelo Poder Legislativo, ao passo que uma lei comum tem essa força apenas após a aprovação do Legislativo; e (ii) a MP nasce com prazo de validade, cabendo ao Legislativo decidir se ela deve ou não virar uma lei permanentemente, ao passo que, uma vez que uma lei é promulgada, passa a ser parte permanente da legislação brasileira.

Restrições do uso das medidas provisórias

Então quer dizer que o Presidente pode sair emitindo medidas arbitrárias a torto e a direito, baseado unicamente no seu próprio julgamento? Calma, não é bem assim! A Constituição prevê, no artigo 62, que as MPs só podem ser emitidas em caso de relevância e urgência. Portanto, antes de elaborar uma medida provisória, o presidente deve se assegurar de que o caso em questão é importante o suficiente para receber uma intervenção imediata do poder público, uma decisão que envolve muita responsabilidade.

Além disso, cabe ressaltar que o Presidente não tem permissão para fazer medidas sobre qualquer tema. A Emenda Constitucional 32/2001 trouxe várias restrições, a fim tornar menos abusivo o poder das medidas provisórias. A medida provisória não se aplica nas seguintes situações:

1) nacionalidade, cidadania, direitos políticos, partidos políticos e direito eleitoral (faz sentido, certo? Imagine um presidente, por exemplo, extinguir todos os partidos políticos da noite para o dia? Ou então criar classes diferenciadas de cidadãos? Não soa muito democrático).

2) direito penal, processual penal e processual civil (imagine uma determinação que já é considerada provisória, emitida unilateralmente pelo Presidente, de repente valer como lei para a definição das penas e dos processos no país? Isso seria incompatível com a Constituição e o Código Penal).

3) organização do Poder Judiciário e do Ministério Público.

4) planos plurianuais, diretrizes orçamentárias e orçamento (evita que o Presidente viole o planejamento orçamentário do governo).

5) Detenção ou sequestro de bens, de poupança ou qualquer outro ativo financeiro (essa determinação tem relação com o episódio do congelamento da poupança ocorrido no Governo Collor, em 1990).

6) Matérias reservadas a lei complementar (leis complementares são aprovadas por maioria absoluta, enquanto medidas provisórias por maioria simples).

7) Matérias já disciplinadas em projetos de lei aprovados no Congresso e pendente de sanção ou veto do Presidente.

Tramitação das medidas provisórias

Vamos ver o caminho desde a publicação da medida provisória pelo Presidente até sua promulgação como uma lei de fato? Veja esse infográfico.

Que tal baixar esse infográfico em alta resolução?

As medidas provisórias são submetidas à Câmara imediatamente após o Presidente publicá-las. Dentro de 60 dias após a edição da medida provisória, as duas casas legislativas devem votar se ela deve ou não ser convertida em lei.

Como o tempo é muito curto, cada etapa da tramitação é bem delimitado. A Comissão Mista que avalia o mérito da MP tem até 14 dias para dar um parecer sobre ela. Depois, o Plenário da Câmara tem o mesmo prazo de 14 dias para votar a MP, de modo que no 29º dia de vigência, a MP já deve estar na pauta do Senado.

Um detalhe interessante é que, se em 45 dias a MP ainda não tiver sido apreciada, ela entra em regime de urgência e tranca a votação de todas as outras matérias em pauta. Isso foi definido para que o caráter provisório das medidas fosse garantido, evitando que elas permanecessem muito tempo em vigor sem uma apreciação conclusiva do Congresso.

Se nada for definido até o prazo de 60 dias, o Congresso ainda pode prorrogar sua votação por mais um período de 60 dias.

Origens históricas: relação entre medida provisória e decreto-lei

Pode-se dizer que a medida provisória é a sucessora de um outro tipo especial de norma, muito utilizado durante alguns períodos ditatoriais no Brasil: o decreto-lei. Esses tipo de decreto foi amplamente utilizado no Estado Novo (1937-1945) e no regime militar (1964-1985).

O decreto-lei conferia ao Presidente praticamente o mesmo poder que a medida provisória, com algumas ressalvas importantes. Primeiramente, um decreto-lei que não fosse apreciado pelo Congresso Nacional passaria a ser considerado definitivamente uma lei, enquanto a medida provisória deve passar pela apreciação do Congresso para virar lei. Se expirar o prazo de apreciação, a medida perde imediatamente sua eficácia.

Em segundo lugar, o decreto-lei podia ser usado em situações de urgência ou em situações de interesse público relevante. Apenas uma dessas duas condições já era suficiente para o Presidente poder lançar mão desse recurso. As medidas provisórias precisam dos dois requisitos para poderem ser usados (é bem verdade que a definição dos critérios de relevância e urgência é arbitrária).

Em terceiro lugar, o decreto-lei só podia ser aceito ou rejeitado em sua totalidade, enquanto a medida provisória pode ser emendada pelos parlamentares.

A medida provisória, pelas suas características especiais, é um importante instrumento à disposição do Presidente da República, para que ele possa colocar em prática medidas que entenda como necessárias naquele exato momento. Ou seja, é um instrumento que confere agilidade às ações do Poder Executivo.  

Conseguiu entender o que é uma medida provisória? Deixe suas dúvidas e sugestões nos comentários!

Referências:

Jus Navigandi – Juris Doctor – Wikipedia (Medida provisória) – Wikipedia (Decreto-lei)

Bruno André Blume

Bacharel em Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nossa sede é em Florianópolis, mas estamos em muitos lugares!
Passe o mouse e descubra:

Nossa sede é em Florianópolis, mas estamos em muitos lugares!
Clique abaixo e descubra:

Orgulhosamente desenvolvido por: