Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
Print Friendly, PDF & Email

Al-Qaeda: conheça o grupo fundado por Osama Bin Laden

Osama Bin Laden, fundador da Al-Qaeda. Foto: AFP

al-qaeda

Este é o quarto texto de uma trilha de conteúdos sobre grupos terroristas. Confira os demais posts da trilha: 1 – 2 – 3 – 4 – 5 – 6 – 7891011

Ao terminar de ler este conteúdo, você terá concluído 37% desta trilha

Fundada no Afeganistão por Osama Bin Laden, nos anos 1980, a Al-Qaeda é o grupo responsável pelo mais famoso ataque terrorista no ocidente, realizado nos Estados Unidos em 11 de setembro de 2001. Com forte influência sobre outros grupos terroristas, a Al-Qaeda foi a principal motivação para uma nova política no mundo: a Guerra ao Terror.

Quer entender melhor a Al-Qaeda? Confira a seguir.

Entenda: o que é terrorismo?

O que a Al-Qaeda defende?

Desde a sua criação, o principal objetivo do grupo é o combate à influência ocidental nos países muçulmanos, inclusive nas nações cujos governos islâmicos são considerados pelo grupo como “liberais demais”. Além disso, objetivam a implementação da Xaria, o código moral islâmico interpretado de forma extrema pelo grupo.

A Al-Qaeda – cujo nome significa “A Base”, em árabe – possui duas formas de atuação: a primeira é o terrorismo, praticado por meio de atentados e sequestros; a segunda forma é o jihadismo, que atua no combate armado em locais específicos, como a Síria, por exemplo.

Veja também: a diferença entre terrorismo e islamismo

Como surgiu o grupo?

A princípio, a Al-Qaeda trabalhava para combater as tropas da União Soviética no território do Afeganistão. Para isso, contavam com apoio dos Estados Unidos, que forneciam por meio de ajuda financeira, armas e treinamento para os membros do grupo. O país ocidental auxiliava também com inteligência militar, através de órgãos como a CIA (a agência de inteligência civil dos Estados Unidos). Uma curiosidade é que o ataque realizado em 11 de setembro foi planejado com o emprego das táticas de inteligência aprendidas durante esses treinamentos.

Se até então Estados Unidos e Al-Qaeda eram grandes aliados no combate à União Soviética, tudo mudou com o início da Guerra do Golfo em 1990. Quando os Estados Unidos estabeleceram bases militares na Península Arábica (para um possível ataque às tropas iraquianas no Kuwait) considerada o berço do profeta Maomé e sede dos principais santuários do Islã, o líder da Al-Qaeda declarou o país como seu principal inimigo. Começava aí a campanha de Bin Laden contra o país americano.

O 11 de setembro e a Guerra ao Terror

Atentado ao World Trade Center, em 11 de setembro de 2001. Foto: Seth McCallister/AFP

al-qaeda

O conflito entre Estados Unidos e Al-Qaeda começa porque mesmo se opondo ao Iraque, Bin Laden era contra a presença da nação norte-americana na região. É esse problemático cenário que faz com que o líder muçulmano seja expulso da Arábia Saudita pelo Rei Fahd, em 1991. Bin Laden então migra para o Sudão, onde passa os cinco anos seguintes comandando atentados contra embaixadas e instalações militares dos Estados Unidos.

Ao voltar para o Afeganistão, Bin Laden forma campos de treinamento e se torna colaborador do regime Talibã. Seu principal discurso se baseia em um ódio ideológico contra o Ocidente, mais precisamente contra os Estados Unidos, alegando que o país realizava uma política de opressão ao povo muçulmano.

É então que acontece o marco do terrorismo no mundo ocidental: o atentado terrorista em 11 de setembro de 2011, quando integrantes da Al-Qaeda sequestraram quatro aviões comerciais nos Estados Unidos. Duas das aeronaves foram lançadas contra as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova Iorque, a terceira caiu no Pentágono, em Washington, e a última aeronave caiu em um campo próximo a cidade de Pittsburgh.

O resultado do ataque foi a morte de cerca de 3 mil pessoas, um prejuízo financeiro de 90 bilhões de dólares aos Estados Unidos e uma grande visibilidade para a Al-Qaeda. Esse episódio estimulou a posterior invasão estadunidense ao Afeganistão, dando início à política de Guerra ao Terror.

Como a Al Qaeda se relaciona com outros grupos?

Após anos de guerra no Afeganistão, em 1996 a Al-Qaeda forma alianças com um outro grupo terrorista bastante conhecido: o Talibã. A princípio Bin Laden era opositor do Talibã, mas mudou de lado após encontro com o líder Mullah Mohammed Omar. Ambos os grupos são fundamentalistas do islã sunita (o grupo mais ortodoxo e tradicionalista dentro do islamismo) e com a aproximação, fortaleceu-se a atuação do Talibã no país.

Além da sua relação com o Talibã, a Al-Qaeda exerce ou já exerceu influência em outros grupos terroristas, como o Estado Islâmico, o Boko Haram e o Al-Shabaab.

crowdfunding

A Al-Qaeda após a morte de Bin Laden

Em maio de 2011, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou que Osama Bin Laden havia sido capturado e morto no Paquistão, o que não representou o fim da Al-Qaeda. Apesar de parecer ter se enfraquecido, a organização continua sendo perigosa. O atual líder do grupo é Abi Mohamed Ayman al-Zawahiri, nomeado sucessor de Bin Laden após a sua morte.

Al-Zawahiri já era o chefe ideológico do grupo enquanto Bin Laden estava a frente da organização, tendo desempenhado importante papel de articulação nos ataques em 11 de setembro. Em 2001, Al-Zawahiri era o segundo homem mais procurado por terrorismo nos Estados Unidos, ficando atrás apenas de Bin Laden. A recompensa oferecida por sua captura ou morte chegava a US$ 25 milhões.

Hoje, a Al-Qaeda possui base em vários países da África e do Oriente Médio, realizando ações em nações ocidentais e em países muçulmanos aliados dos Estados Unidos, como a Arábia Saudita, a Turquia e a Indonésia. Ainda conta com apoio de muitos grupos terroristas, espalhadas pela África, Filipinas, Indonésia, Paquistão e Afeganistão. Entre seus ataques mais recentes está aquele ao jornal francês Charlie Hebdo, em janeiro de 2015.

Diversos serviços de inteligência e informação europeus e anglo-saxões concordam que a organização deseja recuperar o protagonismo que tinha e sair da sombra na qual foi colocada pelo Estado Islâmico, principal grupo terrorista da atualidade. De acordo com relatórios de inúmeros serviços antiterroristas, a principal intenção do grupo é a guerra química e bacteriológica, armas com as quais já havia realizado testes em alguns campos no Afeganistão, durante os anos noventa.

Qual a sua opinião sobre a Al-Qaeda e o terrorismo? Comente!

Fontes: G1 – Mundo Educação – Brasil Escola – El País – BBC

Publicado em 25 de agosto de 2017.

Isabela Souza

Estudante de Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e assessora de conteúdo do Politize!.