Casos de inovação: o Banho de Energia

Aproveitando o calor do fogão a lenha para o chuveiro

Equipamento instalado. Fonte: Imagens cedidas pelo coordenador do projeto, Thiago Jeremias.

banho-de-energia-instalacao-chamine

Mudanças Climáticas e eficiência energética

Ainda que alguns governos estejam ignorando a necessidade de se prestar atenção às causas das mudanças climáticas e destinar esforços para frear as consequências disso, o Brasil sai à frente em muitas questões. Segundo publicação da Gazeta do Povo de outubro de 2015, o Brasil foi o país que teve maior contribuição na contenção de emissões de gases de efeito estufa nos últimos anos. A ONG WWF, que se dedica ao tema de sustentabilidade ambiental, produziu um relatório sobre questões energéticas com projeções para 2050 que apontam para a possibilidade de suprir “as necessidades de eletricidade, transporte, energia industrial e doméstica […] com uso apenas residual e localizado de combustíveis fósseis e nucleares, reduzindo drasticamente as incertezas quanto à segurança energética, poluição e às catastróficas mudanças climáticas”. Ainda que o Brasil possua uma das matrizes energéticas menos poluentes, proveniente de usinas hidrelétricas, também coloca esforços em projetos de eficiência energética.    

Uma das políticas voltadas para isso está na exigência da ANEEL, agência reguladora do setor de energia elétrica, que demanda que as distribuidoras de energia elétrica apliquem 0,5% de suas receitas em projetos para redução de consumo de energia, e em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias e novos negócios. Como resultado dessa exigência, um dos projetos desenvolvidos pelas Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. (CELESC), empresa pública, é o “Banho de Energia”.

Programa Banho de Energia

É comum na área rural de Santa Catarina a utilização de fogão a lenha para cozinhar e aquecer o ambiente durante as épocas mais frias. Segundo Thiago Jeremias, coordenador do programa Banho de Energia, há casos de famílias atendidas pelo programa que sequer têm fogão a gás. Por essa razão, a CELESC decidiu investir em um equipamento que aproveita o calor gerado pela fumaça do fogão a lenha, em calor para esquentar a água do chuveiro das casas.

As residências selecionadas para o programa foram das áreas mais altas da serra catarinense, em regiões com a maior quantidade de pessoas próximas. Os municípios participantes do programa são: Bom Jardim da Serra, Cerro Negro, Lages, Painel, São Joaquim, Urubici e Urupema. Ao todo, 1.000 residências foram contempladas e o equipamento e a instalação foram fornecidos pela CELESC gratuitamente. A distribuição foi proporcional à quantidade de consumidores por região.

Equipamento instalado. Fonte: Imagens cedidas pelo coordenador do projeto, Thiago Jeremias.

banho-de-energia-fogao

O equipamento consiste em uma serpentina instalada na chaminé do fogão a lenha, que aproveita o calor gerado pela fumaça quente, para esquentar a água do chuveiro. Além da vantagem de se utilizar um calor que seria desperdiçado, há ainda a redução de emissão de fuligem para a atmosfera. Posteriormente à instalação, as pessoas também passaram a canalizar o calor gerado para a água das torneiras, o que não tinha sido inicialmente previsto em projeto.

Desenho esquemático do funcionamento do equipamento. Fonte: Imagem cedida pelo coordenador do projeto, Thiago Jeremias.

banho-de-energia-esquematico-do-fogao

A orientação é de que a cada 15 dias os moradores façam a limpeza da chaminé para manutenção preventiva. Junto do equipamento na instalação, todos receberam o material para que a limpeza fosse feita.

Além do equipamento instalado no fogão a lenha, faz parte também do programa a disponibilização de 10.000 lâmpadas de LED, cinco por residência. Assim, há 1.000 residências sendo contempladas com o equipamento mais cinco lâmpadas, e outras mil recebendo apenas cinco lâmpadas de LED para serem trocadas por lâmpadas incandescentes ou fluorescentes, usadas nas residências.

Início e projeto piloto

Falamos muito sobre laboratórios de inovação e como poderiam ser benéficos para o setor público, por preverem, entre outras coisas, uma fase de teste para os projetos. O equipamento usado no Banho de Energia foi inventado por José Alano, de Tubarão, SC, que tinha anteriormente desenvolvido outro projeto de responsabilidade social com a CELESC, o aquecedor solar de garrafas PET. José Alano fez uma parceria com a empresa CETEL Engenharia para produzir os equipamentos e patenteou a invenção.

Antes de iniciar a instalação do equipamento em 1.000 casas (até o momento, cerca de 500 já receberam) e se transformar em um programa, em 2012 foi feito um projeto piloto, em que 200 casas receberam o equipamento para teste. O projeto começou dentro da área de Responsabilidade Social, em conjunto com a Epagri. Desde então, o protótipo foi aperfeiçoado e um boiler térmico foi adicionado, dando início ao programa de eficiência energética.

Os resultados do programa começarão a ser medidos a partir de agora, avaliando o consumo médio do chuveiro antes e depois da utilização do equipamento. A continuação do projeto dependerá dos resultados desse ciclo.

o-livro-urgente-da-politica-banner

Outros projetos

O programa Banho de Energia é apenas uma das iniciativas voltadas para eficiência energética da CELESC. Em fevereiro, será lançado o projeto “Bônus Fotovoltaico”, pioneiro no Brasil, no qual a CELESC subsidiará 60% da instalação de sistemas fotovoltaicos (que transformam energia solar em energia elétrica) em residências. Aqueles que tiverem interesse em participar do projeto (e preencherem os requisitos) devem se inscrever aqui a partir do dia 20 de fevereiro.

Além disso, atualmente há uma chamada pública para projetos (que não sejam Piloto ou de Pesquisa e Desenvolvimento), conforme descrito aqui:

“A Celesc Distribuição está selecionando projetos de eficiência energética para aplicação em sua área de concessão através da Chamada Pública PEE CELESC nº001/2016. Serão disponibilizados R$10 milhões para o financiamento de projetos de eficiência energética que possam ser adotados em residências, indústrias, prédios públicos, estabelecimentos comerciais ou de serviços, na área rural ou na iluminação pública.” Acesse a Chamada Pública!

O fortalecimento de políticas como essa dão fundamento para que a aposta de Mariana Mazzucato, especialista em inovação governamental, de que a próxima revolução será a “revolução verde”, se concretize.

Referências:

WWF – Gazeta do Povo – ONU – TED: Mariana Mazzucato

Mais sobre o projeto Banho de Energia:

Governo de Santa Catarina – Celesc – Diário Catarinense

Publicado em 02 de fevereiro de 2017.

WeGov-logo-politize

A WeGov é um espaço de aprendizado em governo, que dissemina a cultura de inovação no setor público. As ações da WeGov tem como premissas: empoderar os agentes públicos; iluminar ideias e ações que possam ser replicadas; aproximar os agentes públicos das três esferas e dos três poderes. Todas as quintas, novo post da WeGov no Politize!. Fique ligado!

Patricia Garcia

Responsável pela Rede de Relacionamentos da WeGov. É formada em Design de Produtos pelo IF-SC, com mestrado em Antropologia Social pela Universidade de Manchester, na Inglaterra, e MBA em Gestão Empresarial pela FGV. Tem experiência em grandes empresas com inovação, usabilidade e qualidade. É professora voluntária de inglês em uma comunidade de Florianópolis, já fez trabalho voluntário na Ucrânia, e acredita que as pessoas podem conviver sabendo respeitar as diferenças e trabalhando para um bem comum.