Escreva aqui o que você tem interesse em aprender e veremos o que podemos encontrar:

Assine a nossa newsletter

Seus dados estão protegidos de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

Apoie a democracia e receba conteúdos de educação política

Pintura Assinatura do Tratado na Sala dos Espelhos do Palácio de Versalhes. Imagem: Domínio Público/ Imperial War Museum Collections.

Publicado em:

Atualizado em:

Pintura Assinatura do Tratado na Sala dos Espelhos do Palácio de Versalhes. Imagem: Domínio Público/ Imperial War Museum Collections.
Pintura Assinatura do Tratado na Sala dos Espelhos do Palácio de Versalhes. Imagem: Domínio Público/ Imperial War Museum Collections.

As Grandes Guerras Mundiais são daqueles tipos de assunto que nos prendem a atenção e levantam uma série de questionamentos, a exemplo de, “como elas terminam?”. Assim, nesse texto, você conhecerá um pouco mais acerca do Tratado de Versalhes, um marco no desfecho da Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e um ponto relevante quando falamos do início da Segunda Grande Guerra. Bateu a curiosidade? Então vamos lá! 

No dia 28 de junho de 1919, em Paris (França), foi assinado o Tratado de Versalhes – um dos principais acordos que estabeleceu o fim oficial da Primeira Guerra Mundial. Além de buscar estipular os termos de paz entre os países vencedores e a Alemanha, o acordo também ajudou a instituir a Liga das Nações, esta que tinha o objetivo de evitar futuros conflitos mundiais. No entanto, nem tudo foram flores na trajetória envolvendo o Tratado.

Leia também: Consequências da Primeira Guerra Mundial

A construção do Tratado de Versalhes

Como já explicado aqui na Politize!, a Primeira Guerra Mundial trouxe uma série de consequências para os rumos da política internacional, a exemplo da Conferência de Paris e do Tratado de Versalhes. 

Isso porque, apesar de o armistício (acordo que suspende temporariamente as hostilidades entre os lados envolvidos numa luta, disputa ou guerra) entre a Tríplice Entente (e aliados) e a Alemanha ter sido acordado em novembro de 1918, ainda não existia, na época, um pacto oficial que colocasse fim ao conflito. Tal fato foi solucionado com a assinatura do Tratado de Versalhes no ano seguinte. 

O Tratado, que foi firmado no Palácio de Versalhes (França), delineou as condições de paz entre a Alemanha e a Tríplice Entente (e aliados) – estes que saíram vitoriosos da I Guerra. Para isso, as negociações envolveram principalmente países como Estados Unidos, França e Reino Unido. 

No entanto, apesar de ser uma peça fundamental envolvida no Tratado, a Alemanha (perdedora da Guerra) teve pouco espaço durante as negociações – sendo esse um ponto importante das discussões sequentes à criação do acordo. 

É importante destacar aqui que o Tratado de Versalhes não foi o único acordo pactuado ao fim da I Grande Guerra. Cada país perdedor fez um tipo de acordo específico com os países vencedores, e o Tratado de Versalhes está vinculado diretamente às decisões ligadas à Alemanha. 

Além disso, assim como outros acordos assinados ao final da Guerra, o Tratado de Versalhes impunha uma série de condições ao país derrotado e determinava o custeio dos prejuízos causados pelo conflito. 

A Conferência de Paz de Paris

Para a criação do Tratado foi instituída inicialmente a Conferência de Paz de Paris, que contou com delegados de dezenas de países, a exemplo do Brasil. No entanto, apesar do grande número de Estados participantes, a conferência teria sido dominada pelas pautas dos líderes do Reino Unido, da França e dos Estados Unidos – que juntos com a Itália formaram o que ficou conhecido como os Quatro Grandes

Vale ser destacado aqui que, apesar de a Itália ser enquadrada nos Quatro Grandes Estados que participaram da elaboração do Tratado, o país não avançou nas tratativas devido ao fato de que após as reivindicações territoriais do Estado italiano não terem sido aceitas, ele se retirou das negociações. 

Ademais, é importante frisar que, apesar dos EUA, do Reino Unido e da França terem estado do mesmo lado da Guerra, seus objetivos com a Conferência eram distintos: 

  • O líder dos Estados Unidos, Woodrow Wilson, almejava acabar com a guerra criando uma Liga das Nações com base nos seus Quatorze Pontos; e garantir que a Alemanha não fosse destruída e culpabilizada pela guerra
  • Já Georges Clemenceau, representante da França, objetivava punir a Alemanha e garantir que esta não conseguisse atacar a França novamente, a partir da dissolução do exército alemão. Além disso, buscou fazer com que a região da Alsácia-Lorena fosse devolvida à França.
  • Por fim, David Lloyd George, do Reino Unido, buscava agradar os eleitores que queriam fazer a Alemanha pagar pelas suas atitudes na Guerra; e salvaguardar a supremacia naval da Grã-Bretanha.

Conforme destacado pelo Professor Everaldo de Oliveira Andrade, do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP), os objetivos da França na época buscavam interesses para além da questão da paz no período pós-guerra. O país buscava, segundo o professor, o revanchismo em relação à Alemanha. 

Pontos-chave do Acordo

Ao final das negociações da Conferência de Paz de Paris foi assinado o Tratado de Versalhes, que impunha uma série de punições à Alemanha e a responsabilizava pela I Guerra Mundial

Dentre as principais punições previstas no acordo podemos destacar: a perda de território, a proibição de se unir com a Áustria, os termos de desarmamento, o valor de reparação aos países vencedores, a sua exclusão da Liga das Nações e a imposição da cláusula de culpa pela Guerra. 

A devolução por parte da Alemanha da região da Alsácia-Lorena para a França, a perda dos domínios coloniais e a proibição de possuir mais de 100 mil soldados são algumas das mais famosas punições sofridas pelos alemães.

Veja também nosso vídeo sobre a importância das organizações internacionais!

Consequências do Tratado de Versalhes

Dentre uma das principais consequências do acordo, podemos destacar a criação da ideia de responsabilidade penal internacional. Conforme apontado pelo professor Paulo Borba Casella – do Departamento de Direito Internacional da Faculdade de Direito (FD) e coordenador do Grupo de Estudos do Brics (Gebrics) da USP – dois artigos presentes no tratado previam a necessidade da resposta por crimes de guerra perante um tribunal internacional. 

Entretanto, apesar desse tipo de ação apenas ter começado a ser realizada após a Segunda Guerra Mundial, o professor Casella explica que esses artigos presentes no Tratado de Versalhes foram de fundamental importância para a criação a posteriori do Tribunal Penal Internacional

No entanto, não podemos esquecer que, devido ao grande número de imposições feitas à Alemanha, certos historiadores se referem ao Tratado como “a paz dos vencedores”. Como destacado pelo Jornal da USP, alguns alemães se referiam ao acordo como “Ditado de Versalhes”, ao passo que não teria havido nenhuma possibilidade de o país germânico negociar as condições para a paz definitiva e duradoura, o que acabou por gerar um sentimento de derrota e de humilhação na população alemã. 

Esse sentimento de humilhação e injustiça por parte dos alemães, atrelado ao momento de crise econômica e política no pós-guerra, foi uma peça fundamental na criação do revanchismo levado até a II Guerra Mundial. Tal sensação de derrota pôde ser, então, utilizado por Hitler e pelo Partido Nazista para mobilizar a população do país.  

Desse modo, apesar do Tratado de Versalhes não ser a única causa para o fortalecimento do movimento nazista dentro da Alemanha, o acordo teve um papel relevante na criação e consolidação de um sentimento revanchista dentro do país

O programa do Partido Nazista tinha como um dos pontos principais a exigência de que o Tratado de Versalhes fosse revogado (ou seja, anulado). E, ao chegar ao poder, Hitler passou por cima do que estava estabelecido pelo pacto, e remilitarizou a Alemanha.

Veja também nosso vídeo sobre a ideologia nazista!

Os impactos a longo prazo

Para além de todas as consequências deixadas pelo Tratado que influenciaram nos rumos da Alemanha até o estourar da II Guerra Mundial, os impactos econômicos do acordo continuaram por muito tempo na história alemã.

Um exemplo do impacto financeiro deixado a longo prazo pelo Tratado de Versalhes pode ser observado no fato de que, apenas em 2010, 92 anos desde o fim da I Guerra, o governo alemão terminou de pagar as dívidas por reparação do conflito instituídas no pacto.

O ano também é um marco simbólico para o país, pois celebrou, além do fim da dívida, as duas décadas da reunificação alemã. 

Interessante perceber como a história dos grandes eventos mundiais está interligada, não é mesmo?

Apesar de complexo e cheio de detalhes, o Tratado de Versalhes é um assunto que não pode ficar de fora quando citamos o Período Entre-Guerras, e que não pode ser esquecido quando pensamos no processo de reconstrução da Alemanha após os períodos de conflito global

E aí, conseguiu compreender o que foi o Tratado de Versalhes e qual o seu impacto na história? Quaisquer dúvidas, deixe nos comentários!

Referências:

Paula Renata Silva Santos

Filha do menor estado do Brasil. Tenho os pés na minha cidade de Aracaju, mas a mente no mundo. Graduanda em Relações Internacionais pela UFS. Fã de carteirinha dos Jonas Brothers e dos estudos sobre Política Externa Brasileira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nossa sede é em Florianópolis, mas estamos em muitos lugares!
Passe o mouse e descubra:

Nossa sede é em Florianópolis, mas estamos em muitos lugares!
Clique abaixo e descubra:

Orgulhosamente desenvolvido por: