AS CONSEQUÊNCIAS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

Assinatura do Tratado de Versalhes, 1919 (Foto: US National Archives | Wikimedia).

consequências da primeira guerra mundial

As consequências da Primeira Guerra Mundial foram diversas e afetaram de forma decisiva o decorrer do século XX. Para compreender melhor os frutos do primeiro conflito em escala global da história, o Politize! preparou este texto para você. Vamos lá?

CONSEQUÊNCIAS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL: A CONFERÊNCIA DE PARIS

Em janeiro de 1919, os países envolvidos na Primeira Guerra Mundial (1914-1918) reuniram-se na Conferência de Paris para assinar os tratados de paz. As decisões do pós-guerra foram tomadas pelo Conselho dos Quatro, formados pelos vencedores França, Reino Unido, Estados Unidos e Itália. Lembrando que os países que participaram do conflito foram os seguintes:

primeira guerra mundial

As principais consequências da Primeira Guerra Mundial e das negociações de paz foram:

Tratado de Versalhes

O Tratado de Versalhes responsabilizou a Alemanha pela Primeira Guerra Mundial e estabeleceu uma série de punições ao Estado. Além de ter que pagar indenizações aos vencedores, os países da Tríplice Entente – que foram quitadas apenas em 2010 –, a Alemanha foi proibida de ter um exército grande e ainda perdeu colônias e territórios – como a Alsácia-Lorena, cedida à França.

Todas essas condições instalaram um sentimento de revanchismo que viria a colaborar para a ascensão do nazismo e culminaria na Segunda Guerra Mundial.

Ascensão dos Estados Unidos

Além de não terem sofrido muitas perdas por terem entrado na Primeira Guerra Mundial apenas no fim do conflito, os Estados Unidos se beneficiaram de três anos iniciais da guerra, onde estabeleceram comércio com os Aliados. Como não tiveram seu território invadido, os norte-americanos não precisaram arcar com despesas de reconstrução e puderam se tornar credores da Europa. Isto é, os Estados Unidos emprestavam dinheiro para a reconstrução do Velho Mundo, que fora devastado pela guerra.

Com a economia a todo o vapor e sem os países europeus para fazer concorrência, outra consequência da Primeira Guerra Mundial foi a ascensão dos Estados Unidos como uma potência econômica e política global. Em outras palavras, os estadunidenses foram os grandes vencedores do conflito.

e-book atualidades 2018

Formação da Liga das Nações

Como uma das consequências da Primeira Guerra Mundial, surgiu a Liga das Nações. Essa organização internacional – uma espécie de antecessora da ONU – foi criada a fim de evitar o surgimento de outro conflito como a Grande Guerra.

A Liga das Nações foi inspirada no último dos Catorze Pontos de Wilson, um plano elaborado pelo então presidente dos Estados Unidos – Woodrow Wilson – para garantir a paz mundial. O 14º ponto de Wilson estipulava que a Liga das Nações deveria ser “uma associação geral de nações, sob pactos específicos com o propósito de fornecer garantias mútuas de independência política e integridade territorial, tanto para os Estados grandes como para os pequenos”.

Apesar de ter proposto a criação da Liga, Wilson não conseguiu aprovação do congresso para que os Estados Unidos participassem da organização. Sem contar com a maior potência mundial da época e tendo que enfrentar diversos desentendimentos entre Estados-membros, a Liga das Nações falhou em prevenir a Segunda Guerra Mundial e foi extinta em 1942.

O Brasil, que foi o único país americano a participar da criação da Liga, acabou abandonando a organização em 1926, após desavenças com diversos países e uma série de frustrações. A principal decepção deveu-se ao fato de o Brasil não receber o reconhecimento que considerava merecer por ser o representante da América na falta dos Estados Unidos.

Surgimento de novos países

Após a Grande Guerra, quatro impérios desmoronaram: Alemão, Austro Húngaro, Russo e Otomano. Deles surgiram uma série de novos países, como Polônia, Tchecoslováquia, Iugoslávia, Áustria, Hungria, Estônia, Lituânia e Letônia.

Assim, uma das consequências da Primeira Guerra Mundial foi a nova divisão política europeia, que redesenhou o mapa do continente. A figura abaixo demonstra a mudança nos território após o conflito.

Mapa da Europa em 1923 (Foto: Wikimedia).

Prejuízos sócio-econômicos

Uma das principais consequências da Primeira Guerra Mundial foi o número de mortes. Ao todo, cerca de 13 milhões de soldados e civis morreram no conflito e outros 20 milhões foram feridos ou mutilados. Esses números absurdos – que são justificados pelos novos armamentos construídos com avanço tecnológico da Revolução Industrial – levam o conflito a ser chamado de a “Grande Guerra”.

Tantas mortes e ferimentos não impactaram apenas a moral dos países, mas também geraram consequências econômicas, pois os Estados perderam significativas parcelas da população masculina ativa. A Áustria-Hungria perdeu 17,1% dos homens economicamente ativos, enquanto a Alemanha e a França tiveram baixas de 15,1% e 10,5%, respectivamente. Também na Alemanha, a sociedade civil sofreu imensamente com a guerra. Milhares de mortes foram causadas pela fome. A escassez de alimento não era justificada apenas pelas sanções internacionais impostas ao país, que prejudicavam a importação, mas também pelo fato de a indústria voltar-se completamente à guerra durante o conflito.

Além das perdas humanas, os prejuízos materiais foram imensos. A infraestrutura dos países europeus foi profundamente afetada e a crise econômica causada pelos altos custos da guerra geraram desemprego e fome. Tanta instabilidade política e social possibilitou a ascensão de regimes totalitários que consistiram em outro ingrediente fundamental para a Segunda Guerra Mundial.

As consequências da Primeira Guerra Mundial para as mulheres

Dentre as consequências da Primeira Guerra Mundial também está o aumento de número de mulheres trabalhando, principalmente nas indústrias. Como os homens eram enviados à guerra, cabia à parcela feminina da população assumir os postos de trabalho desocupados. Deve-se ressaltar que as mulheres – principalmente de camadas mais pobres da sociedade – já trabalhavam antes. A guerra levou ao aumento desse número, passando a abranger mulheres da classe média também.

A elevação do número de mulheres nas indústrias ainda é explicado pelo fato de guerras alterarem o eixo da economia – que passa a produzir produtos necessários ao conflito – e não levam à suspensão dessas atividades.

Contudo, não foi só na indústria que o número de mulheres ativas cresceu. Outras tarefas tipicamente “masculinas” passaram a ser exercidas pela população feminina, como o papel de agentes de trânsito e policiais. Deve-se observar que o número de voluntárias para atuar como enfermeiras na guerra também foi expressivo. Além disso, as mulheres ainda tomaram as rédeas da produção camponesa em muitos países.

Segundo o historiador Benjamin Ziemann, 44% das granjas bávaras (um povo que habitava a atual República Tcheca) eram administradas por mulheres. A França também viu cerca de 800 mil mulheres coordenarem as propriedades agrícolas e outras 400 mil atuarem na indústria armamentista. O Ministério de Trabalho francês estima que, em 1917, o número de mulheres atuando no comércio e na indústria era 20% maior do que antes da Primeira Guerra Mundial. Já no Reino Unido, essa estimativa atinge os 50%.

Mesmo as mulheres tornando-se essenciais à economia, elas não recebiam o mesmo que seus colegas homens. A desigualdade salarial entre homens e mulheres, que persiste até hoje, tornou-se mais gritante depois do fim da guerra, quando houve um retorno da população masculina aos países. Além de ganharem menos, muitas mulheres ainda foram demitidas e proibidas de trabalhar. Assim, mais uma das consequências da Primeira Guerra Mundial foi os protestos pela emancipação feminina e o crescimento do movimento feminista.

Entender as causas e consequências da Primeira Guerra Mundial é essencial para compreender o longo século XX. A forma como os países se relacionaram após o conflito – com as punições à Alemanha e o fracasso da Liga das Nações – contribuiu para estourar a Segunda Guerra Mundial. Mas não foram apenas as Grandes Guerras que marcaram o século XX. Foi também nesses 100 anos que o mundo viveu a Crise de 1929 – que revelou uma faceta obscura do capitalismo –, a Revolução de Russa e a formação da União Soviética, que viria a protagonizar a Guerra Fria junto aos Estados Unidos.

Conseguiu entender quais foram as consequências da Primeira Guerra Mundial? Deixe suas dúvidas e sugestões nos comentários!

Aviso: mande um e-mail para contato@politize.com.br se os anúncios do portal estão te atrapalhando na experiência de educação política. 🙂

Publicado em 27 de dezembro de 2018.
Pâmela Morais no Politize!

Pâmela Morais

Assessora de conteúdo no Politize! e graduanda de Relações Internacionais pela Universidade Federal de Santa Catarina. Quer ajudar a tornar um tema tido como polêmico e muito complicado em algo do dia a dia, como a política deve ser!