Navegue por categria

Alerta da OEA: Violência nas eleições brasileiras

Publicado em:
Compartilhe este conteúdo!
Relatório da OEA alerta para a violência durante eleições 2022 / Imagem: Divulgação

Quando o assunto é Eleição, algumas preocupações comuns passam pela mente dos brasileiros, como a emissão do Título de Eleitor e a escolha dos candidatos para votar. Porém, de acordo com o Relatório realizado pela OEA em 2020, a violência é outro ponto de preocupação relacionado às eleições brasileiras.

Neste conteúdo, a Politize! irá te explicar sobre esse relatório e como ele aborda a violência eleitoral no Brasil.

Vem com a gente!

Veja também: Como a polarização é percebida no Brasil e no mundo?

Mas, afinal, o que é a OEA?

A Organização dos Estados Americanos é um fórum do continente americano que tem como pilares fundamentais a democracia, os direitos humanos, a segurança e o desenvolvimento, que norteiam suas atuações pela América.

A Organização possui um instrumento chamado Missão de Observação Eleitoral (MOE) que analisa o processo eleitoral nos países. Essa Missão contribui para o aperfeiçoamento das eleições, fortifica a confiança dos cidadãos nas eleições e amplia a transparência e integridade.

Para que essa Missão ocorra, é necessário que o país realize um convite primeiro.

Em 14 de agosto de 2020, a Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos (SG/OEA) foi convidada oficialmente pelo Brasil para implementar uma Missão de Observação Eleitoral (MOE/OEA) durante as eleições municipais daquele ano para os cargos de Vereadores e Prefeitos.

No dia 17 de agosto de 2020, o Secretário Geral da OEA (SG/OEA), Luis Almagro, aceitou o convite. As atividades iniciaram em 7 de novembro de 2020.

Assista também ao nosso vídeo sobre a importância das Organizações Internacionais

A Missão de Observação Eleitoral (MOE) de 2020

A MOE realizou a análise com base em aspectos técnicos relacionados ao processo eleitoral.

A organização, o uso da tecnologia, o financiamento político, a resolução de disputas, a participação política de mulheres, povos indígenas e afrodescendentes foram levados em consideração.

Diante dessa análise, o Brasil foi elogiado em alguns pontos.

Organização

O planejamento, as medidas de proteção da saúde coletiva e de controle da disseminação do Covid nos dias de votação foram ações elogiadas no relatório.

Não obstante, a Missão parabenizou o país pelo comprometimento ao trabalhar com as plataformas de comunicação, como o Facebook, o Instagram e o WhatsApp, já que elas foram utilizadas de maneira responsável e geraram maior alcance aos cidadãos brasileiros.

Relacionamento com o público

A instauração das cotas raciais para trazer maior diversidade às candidaturas e as conferências das imprensas públicas promovidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para ouvir críticas e contribuições da população também foram pontos de parabenização pela MOE.

Em contraponto, a OEA apontou alguns motivos de alerta perante às eleições brasileiras.

Uso indevido das plataformas

Apesar do comprometimento na utilização das plataformas de comunicação, as notícias falsas e ataques às figuras políticas, aos partidos e às candidaturas ocorreram durante as eleições.

Infelizmente, essa é uma realidade presente no território brasileiro.

Aplicação das cotas

As cotas existentes não foram regulamentadas e introduzidas ao ponto de cumprir com a proposta e trazer diversidade nas eleições.

Quão diversificada foi a eleição em sua cidade no ano de 2020?

Discriminação

Conforme explica o relatório, uma quantidade significativa de mulheres, indígenas e afrodescendentes receberam ataques discriminatórios e racistas durante suas campanhas nas redes sociais e em eventos presenciais.

Veja também: o que é violência política de gênero

Ambiente de medo

Há no Brasil um ambiente de medo que leva eleitores e candidatos a terem enorme cautela ao se envolverem com política, o que dificulta a participação ativa e o exercício da democracia.

A violência em si

Os fatores acima contém violência indiretamente, pois ferem determinadas existências de modos singulares, porém a violência explícita é outro grande alerta.

Representantes de partidos e demais organizações informaram à Missão casos de agressões, ataques e ameaças sofridos por candidatas e candidatos e que essas práticas estavam diretamente relacionadas às suas participações nas eleições.

Para se ter noção, o número de homicídios ligados à eleição oscilou de 30 a 85 entre janeiro e novembro de 2020.

No primeiro e segundo turno daquele ano, a Assessoria Especial de Segurança e a Inteligência do Tribunal Superior Eleitoral consolidou dados que mostraram crescimento no número de delitos violentos contra candidatos e pré-candidatos.

Houve, ainda, aumento no discurso agressivo contra candidatas e candidatos nas redes sociais, que configura como violência digital.

Essas informações ajudam a compreender que há ocorrências significativas de violência praticadas nas eleições. Porém, há uma lacuna quanto ao registro de informações, já que não são precisos – a oscilação dos números deixa isso claro – e não existe um sistema específico dedicado à contagem de dados da violência político-eleitoral.

Portanto, o sistema deve ser criado por esses motivos e para possibilitar diagnósticos conforme as situações ocorridas. Assim, as medidas de combate necessárias serão elaboradas efetivamente.

Com os dados coletados, a Missão expressa rejeição e considera a violência totalmente inaceitável, principalmente relacionada diretamente à democracia.

O presidente do TSE, alinhado à Missão, afirmou que a violência é incompatível com a democracia. Além disso, deve ser repudiada especialmente nos casos que envolvem as mulheres.

Assim, algumas medidas foram pensadas em conjunto e indicadas para solucionar os problemas.

Aprofunde seu conhecimento neste vídeo sobre representatividade feminina na política

Medidas

  • Revisar as ações jurídicas dedicadas à proteção da vida e da integridade de mulheres candidatas e outros grupos vulneráveis;
  • Utilizar a lei para punir criminosos, prevenir e eliminar a violência relacionada à participação política;
  • Estipular condições para proteger eleitores e candidatos alvos de ameaças;
  • Criar um registro de violência política, verbal e física para documentar e identificar as causas;
  • Atuação em conjunto por parte das instituições brasileiras para poderem criar mecanismos e políticas que permitam reduzir esses episódios;
  • Desenvolver mecanismos de blindagem digital nas plataformas de comunicação.

Essas medidas propostas apresentam grande potencial, podem solucionar os problemas e conter a violência, evitando que tome proporções maiores.

Porém, a aplicação dessas medidas ainda não foi sucedida e, levando em consideração que estamos em ano de eleição, a situação corre riscos de se intensificar e prejudicar a democracia brasileira, o maior bem a ser conservado.

E aí, conseguiu compreender como a violência é um fator de preocupação nas eleições brasileiras e como podemos solucioná-las? Conta aqui nos comentários!

Referências

OEA – Relatório Preliminar Missão de Observação Eleitoral de 2020
OEA – Missão de Observação Eleitoral da OEA no Brasil destaca o trabalho do Tribunal Superior Eleitoral na realização das eleições municipais em um contexto extraordinário de pandemia

GoCache ajuda a servir este conteúdo com mais velocidade e segurança

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe este conteúdo!

ASSINE NOSSO BOLETIM SEMANAL

Seus dados estão protegidos de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

FORTALEÇA A DEMOCRACIA E FIQUE POR DENTRO DE TODOS OS ASSUNTOS SOBRE POLÍTICA!

Conteúdo escrito por:
Pontaporanense, habitante da internet e graduanda em Relações Internacionais pela UFGD. Apaixonada por comunicação política, movida pelos estudos e, nas horas livres, presa ao universo cinematográfico.

Alerta da OEA: Violência nas eleições brasileiras

11 jun. 2024

A Politize! precisa de você. Sua doação será convertida em ações de impacto social positivo para fortalecer a nossa democracia. Seja parte da solução!

Pular para o conteúdo