Navegue por categoria

Plano Marshall: plano que salvou a economia da Europa

Publicado em:
Compartilhe este conteúdo!
Construção em Berlim Ocidental com a ajuda do Plano Marshall, 1948. Imagem: Domínio Público.

Tenho certeza que você já ouviu falar da Segunda Guerra Mundial. A grande expansão territorial dos nazistas e toda a imposição racista e antissemita que aconteceu durante quase 6 anos. Agora, você imagina como ficou a situação mundial dos países envolvidos no conflito após a Segunda Guerra? E o que o Plano Marshall tem a ver na reestruturação desses países?

O pós-guerra foi devastador para os países europeus. Nunca antes um vencedor de uma grande guerra havia ficado tão desgastado e a maior preocupação continental era de como iriam se reerguer e recuperar sua força em meio toda aquela destruição.

Por isso, hoje vamos contextualizar e entender mais sobre o Plano Marshall, o projeto para reconstruir totalmente o continente Europeu e estruturar seu poder. Será que deu certo?

Leia também: Consequências da Primeira Guerra Mundial

O que desencadeou o Plano Marshall?

Veja também nosso vídeo sobre como os EUA se tornou um país poderoso!

Com o final da Guerra, os países do continente europeu que estavam envolvidos no conflito saíram com as economias drasticamente abaladas e as populações empobrecidas. Os danos econômicos e políticos eram grandes e o número de mortes foi tão alto que superou o da Primeira Guerra, deixando o continente Europeu e suas principais nações enfraquecidas.

Após o conflito, houve algumas mudanças no cenário mundial e a configuração se apresentava da seguinte forma: no mesmo tempo em que os países europeus, participantes no combate, perderam o domínio mundial, os Estados Unidos se tornaram a nação mais rica e poderosa do planeta.

Durante a guerra, os norte-americanos aumentaram três vezes mais sua capacidade industrial, e começaram a produzir grande parte das mercadorias industrializadas de todo o mundo, tendo grande influência mundial.

Porém, ao fim do confronto, a União Soviética ou URSS, país socialista com a organização econômica e social oposta ao capitalismo, saiu aclamada pela força determinante no combate à Alemanha nazista, e também estava extensamente presente no cenário mundial e com grandes decisões por vir, como a nova geopolítica europeia.

Isto é, o interesse da União Soviética era garantir áreas de influência e ter uma maior soberania, o que ameaçou e incomodou os Estados Unidos, já que suas ideologias eram completamente contrárias.

Sendo assim, desencadeou-se uma disputa pela hegemonia mundial dividindo o mundo em dois blocos, que deu início a uma guerra econômica, diplomática e tecnológica.

Quer saber mais sobre a Guerra Fria? A Politize! te conta.

Veja também nosso vídeo sobre como era a vida na União Soviética!

A preocupação dos EUA

Como os soviéticos já controlavam os países do Leste Europeu, o governo dos Estados Unidos preocupava-se com as vitórias eleitorais dos partidos comunistas, uma forma política de controle local exercida pelos soviéticos para obter poder sob um certo território, na França e na Itália, já que saíram da guerra prestigiados e bem parabenizados pelo engajamento na resistência do conflito.

Assim, os norte-americanos concluíram que para impedir o avanço comunista, era preciso estabelecer uma nova ordem mundial, o que exigia uma Europa ocidental fortalecida.

Ou seja, era preciso reerguer as economias europeias para obter o resto do continente sob influência norte-americana e criar mecanismos de controle dos capitais para estimular uma ordem capitalista, enfraquecendo o comunismo.

O que foi o Plano Marshall?

Em frente a esse cenário, em 5 de junho de 1947, George C. Marshall, secretário de Estado dos EUA, anunciou o chamado Plano Marshall e sua implantação ocorreu entre os anos de 1948 e 1951, durante o governo Truman.

O plano Marshall se constituiu em uma grande ajuda financeira oferecida pelos Estados Unidos para os países europeus prejudicados pela guerra.

Esse auxílio ocorria por meio de empréstimos a juros baixos ou até mesmo doações em dinheiro, desde que os respectivos países aceitassem as exigências econômicas feita pelos EUA, como a compra de mercadorias norte-americanas.

The Marshall Plan. Imagem: iStock.
The Marshall Plan. Imagem: iStock.

A empobrecida Europa ocidental abraçou o Plano Marshall com euforia e recebeu, entre 1948 e 1961, cerca de 17 bilhões de dólares dos EUA, sendo Inglaterra, França, Alemanha e Itália os mais beneficiados.

Além do dinheiro a Europa recebeu:

  • Alimento
  • Combustível
  • Auxílio Tecnológico
  • Mão de Obra

Os objetivos eram reforçar o sistema estadunidense, recuperar os países europeus para integrá-los à economia norte-americana, agregá-los ao lado capitalista e evitar o avanço da União Soviética no Ocidente.

A mesma estratégia acabou sendo aplicada no Japão, principalmente depois do reconhecimento da Revolução Comunista da China, em 1949. Os objetivos eram iguais: recuperar a economia japonesa e ligá-la à norte-americana e impedir a expansão do comunismo no Oriente.

Mapa da Europa dos países que receberam ajuda do Plano Marshall. Em colunas azuis, a quantidade total relativa a ajuda por país. Imagem: Wikipedia, 2009.
Mapa da Europa dos países que receberam ajuda do Plano Marshall. Em colunas azuis, a quantidade total relativa a ajuda por país. Imagem: Wikipedia, 2009.

A Estratégia Capitalista

O Plano Marshall e a reconstrução do Japão acabaram fazendo parte de um mesmo processo: a estruturação de um bloco político, econômico, diplomático e militar para fazer frente à URSS.

Isto é, os Estados Unidos tinham o plano de enfraquecer a ordem comunista e alcançar a hegemonia mundial garantindo-se a aliança entre os países da Europa Ocidental e os Estados Unidos.

Com esse pensamento, governos e meios de comunicação europeus e norte-americanos produziram imagens e discursos bastante negativos contra o sistema comunista e a União Soviética. Ou seja, era realizado uma propaganda anticomunista constante para enfraquecer o lado oposto.

Veja também nosso vídeo sobre o que é o capitalismo!

Consequências do Plano Marshall

Logo após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos já tinham o plano de se aproximar da Europa. Com o Plano Marshall, essa aproximação se consolidou e trouxe grandes benefícios políticos, sociais e econômicos para os envolvidos, incluindo os EUA.

O plano reestruturou os países prejudicados pela guerra e trouxe aliados para o lado capitalista, dando força aos norte-americanos. Além disso, a Europa Ocidental se manteve alinhada com a política dos Estados Unidos e se afastou da influência soviética.

Desse modo, os partidos comunistas perderam força e acabaram derrotados nas eleições parlamentares durante a aplicação do plano.

Os soviéticos reagiram à estratégia norte-americana, e em 1949 criaram o Comecon, Conselho de Assistência Mútua Econômica, uma espécie de Plano Marshall dos países socialistas com o objetivo de torná-los autossuficientes em relação ao bloco capitalista.

Naquele momento, o mundo presenciava as duas potências mais poderosas disputando o objetivo de alcançar a liderança mundial.

Assim, houve a criação de vários outros organismos internacionais para mapear cada domínio, entre eles a OTAN, pensada pelo lado capitalista e o Pacto de Varsóvia, pelos comunistas.

Por fim, todo o auxílio financeiro dado pelo Estados Unidos em 1947, incluindo o Plano Marshall, para obter maior influência, fez com que houvesse uma tensão maior com a União Soviética, o que resultou numa guerra que durou mais de 40 anos.

A situação é intrigante e como você pôde notar, os acontecimentos são complexos e repletos de momentos com instabilidade e conflitos. Por isso, a Politize! se responsabiliza em te explicar a história da forma mais didática possível.

E aí, você conseguiu compreender os impactos do Plano Marshall na reestruturação dos países europeus? Nos conta nos comentários!

Referências:

GoCache ajuda a servir este conteúdo com mais velocidade e segurança

1 comentário em “Plano Marshall: plano que salvou a economia da Europa”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe este conteúdo!

ASSINE NOSSO BOLETIM SEMANAL

Seus dados estão protegidos de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

FORTALEÇA A DEMOCRACIA E FIQUE POR DENTRO DE TODOS OS ASSUNTOS SOBRE POLÍTICA!

Conteúdo escrito por:
Uma jovem apaixonada por escrita e estudos de gênero, sempre buscando levar adiante conhecimentos sobre feminismo e emancipação feminina para tornar mais meninas ativas nas questões de gênero e reeducação social.

Plano Marshall: plano que salvou a economia da Europa

19 jul. 2024

A Politize! precisa de você. Sua doação será convertida em ações de impacto social positivo para fortalecer a nossa democracia. Seja parte da solução!

Pular para o conteúdo