Progressismo: o que é?

“Ordem e progresso” é inspirado no positivismo, uma doutrina que também influenciou o progressismo. Foto: Jefferson Rudy/ Agência Senado

Este é o nono texto de uma trilha de conteúdos sobre correntes de pensamento político. Confira os demais posts da trilha: 1 – 23 – 4 – 5 – 6 78 – 9

Ao terminar de ler este conteúdo, você terá concluído 100% desta trilha! 🙂

Já falamos aqui no Politize! sobre o conservadorismo, doutrina política que valoriza a manutenção de valores, tradições e estruturas sociais. Agora é a vez de falar de uma doutrina que faz um contraponto ao conservadorismo: é o progressismo, ideia aprimorada na idade moderna e hoje muito difundida – mesmo que muitos nem a percebam. Vamos entender?

Conceito: o que é progressismo?

Pensadores iluministas que influenciaram o progressismo. Fonte: CulturaMix.

progressismo-iluminismo

O progressismo é a doutrina segundo a qual certas medidas econômicas e sociais – impulsionadas sobretudo pela ciência e tecnologia – são imprescindíveis para a melhoria da condição humana. Também está relacionado à ruptura de padrões sociais tradicionais, que por sua vez promoveriam valores como liberdade e igualdade.

O progressismo possui forte ligação com o iluminismo. Por isso, precisamos dar um passo atrás e relembrar o que foi esse movimento histórico.

O iluminismo e o progresso

Os historiadores chamam de iluminismo o movimento intelectual e político do século XVIII que defendia que o progresso deve ser fundamentado sobretudo pela razão humana, e não pela fé religiosa. Naquela época, a doutrina cristã ainda era hegemônica na Europa e em todo o ocidente. Por isso, as ideias iluministas significaram uma revolução filosófica, cujos efeitos são sentidos até hoje. Ainda no século XVIII e ao longo dos séculos seguintes, ocorreram mudanças estruturais profundas baseadas no pensamento iluminista, como:

  • o fim dos regimes absolutistas e o surgimento das democracias modernas;
  • liberalização dos mercados e fim do mercantilismo;
  • centralidade da razão e da ciência, em detrimento do pensamento religioso, e a laicidade do Estado.

Vários autores de grande relevância histórica foram ligados ao iluminismo. Alguns exemplos são Voltaire, John Locke, Montesquieu e Adam Smith. Todos esses intelectuais fizeram contribuições fundamentais para o pensamento político e econômico moderno.

O positivismo

Além do iluminismo, outra doutrina que se ancorou na ideia de progresso foi o positivismo. Criado no século XIX por autores como Auguste Comte, o positivismo pode ser visto como uma adoção radical dos valores iluministas. Comte propôs, por exemplo, que a ciência seria mais do que o principal norteador dos progressos sociais: ela seria a única fonte legítima do conhecimento humano. Por isso, apenas aquilo que possa ser comprovado por métodos científicos pode ser considerado como válido.

Os positivistas chegaram a criar uma nova religião, denominada por Comte de religião da humanidade. Até hoje, existe uma Igreja Positivista do Brasil. Outra influência do positivismo em terras tupiniquins é o lema “Ordem e Progresso”, inscrito na bandeira nacional.

sistemas-e-formas-de-governo

Progressismo e conservadorismo: quais as diferenças?

O progressismo tem um caráter eminentemente reformista (mas não radical) e secular (não religioso), e por isso acaba se contrapondo ao conservadorismo. É o que afirma Bobbio, em seu Dicionário de Política (p. 243):

na relação que se estabelece entre progressismo e conservadorismo, este é sempre apresentado como negação, mais ou menos acentuada, daquele; aparece como tal, mostrando assim seu caráter alternativo; [o conservadorismo] existe só porque existe uma posição progressista.”

Um dos aspectos fundamentais dessa contraposição é o debate sobre qual deve ser o norteador das mudanças na sociedade. Segundo o progressismo, esse norte deve ser a razão – como defendido por iluminismo, positivismo e outras doutrinas. Do ponto de vista do conservadorismo, deve ser principalmente a tradição, os costumes, a fé, etc.

Outra questão de discordância entre conservadores e progressistas é em relação à velocidade com que as mudanças sociais devem ocorrer. Os progressistas preferem mudanças mais rápidas e intensas do que um conservador aceitaria. Em grande parte, também acreditam que o Estado é um agente importante para a promoção dessas mudanças.

Desde seu surgimento, o progressismo já se alterou muitas vezes e adotou diversas bandeiras, dentre as quais o sufrágio universal, os direitos trabalhistas, programas sociais, entre outros. Nesse contexto, o progressismo se adaptou bem ao pensamento social democrata e até hoje ambos se encontram fortemente associados.

Progressismo é de esquerda ou de direita?

No contexto político atual, o progressismo é fortemente associado à luta pelos direitos civis e a movimentos sociais em prol de minorias ou grupos historicamente preteridos pela sociedade, como, por exemplo, o movimento negro, o feminismo, os direitos dos indígenas e movimentos relacionados a orientações sexuais e identidades de gênero minoritárias. O progressismo também tem um forte componente ambientalista. Esses grupos, de forma geral, são associados à esquerda.

É importante esclarecer, porém, que o progressismo não é uma doutrina necessariamente de esquerda: ele pode ser adotado em muitos aspectos pelo pensamento político liberal, especialmente quando este se manifestar contrário à imposição de uma ordem social tradicional.

Teste seus conhecimentos! Leia também: esquerda e direita: mitos e preconceitos.

Mas afinal, o que é progresso?

O progressismo está, evidentemente, relacionado à ideia de progresso. Segundo Norberto Bobbio, em seu Dicionário de Política,

“a ideia de progresso pode ser definida como ideia de que o curso das coisas, especialmente da civilização, conta desde o início com um gradual crescimento do bem-estar ou da felicidade, com uma melhora do indivíduo e da humanidade, constituindo um movimento em direção a um objetivo desejável.”

Mas isso cria um problema: qual deve ser este objetivo desejável citado por Bobbio? O que é considerado ou não um pensamento progressista pode variar muito de acordo com o contexto social dos indivíduos.

Esse é um aspecto também questionado no conservadorismo: a falta de um conteúdo certo, imutável para a doutrina. O conteúdo do progressismo depende muito do que se considera progresso e evolução dentro de certo contexto social, em determinado momento histórico.

Conseguiu entender a complexidade da ideia de progressismo? Registre suas dúvidas e sugestões nos comentários. 

Referência: Norberto Bobbio: Dicionário de Política

crowdfunding
Publicado em 28 de julho de 2017. Última atualização em 21 de dezembro de 2017.

Bruno André Blume

Formado em Relações Internacionais pela UFSC, ex-editor do Politize!, interessado por política, história e economia. Gosta de viajar e de uma boa leitura.