Este conteúdo foi desenvolvido como parte das ações para o #festivalnãomecancela

Cada vez mais o mundo parece caminhar para uma maior tolerância ao diferente. O combate ao racismo, machismo, lgbtfobia e outros preconceitos é constante nas redes sociais. Entretanto, em paralelo à defesa dos direitos humanos fundamentais, está a cultura do cancelamento

Mas você sabe o que é o tal cancelamento? Quer entender melhor? O Politize! separou 4 filmes e séries sobre o assunto! Vem conferir! 

Participe do Festival Não Me Cancela no Instagram do Politize!

O que é o cancelamento?

Com a ascensão da importância das redes sociais no cotidiano e da necessidade de romper com ciclos preconceituosos, o termo “cancelar” foi criado. O seu surgimento está relacionado ao movimento Me Too, de 2017, uma iniciativa contra o assédio e a violência sexual. 

A partir do movimento, que incentivou inúmeras pessoas a denuncriarem os casos de violência sexual, o ex-produtor Harvey Weinstein, foi preso por abusar sexualmente de mulheres. Este foi o primeiro “boicote” de figura pública, ou, em outras palavras, o primeiro cancelamento nas redes sociais. Posteriormente, o termo passou a ser utilizado em diversas outras situações, que ocorrem até os dias de hoje. 

Pela relevância do tema e das suas consequências – nos indivíduos que são cancelados, a indústria cinematográfica começou a retratar o fenômeno. Dessa forma, a sociedade é conscientizada sobre os problemas e efeitos da prática. 

Vamos conhecer cinco dessas produções!

1. “Control Z” – série da Netflix 

A série mexicana produzida pela Netflix em 2020 retrata a vida de alguns adolescentes que são rejeitados pelos restantes estudantes do Colégio Nacional depois dos seus segredos pessoais serem expostos nas redes sociais. Nesse sentido, o grupo em questão foi cancelado pelos colegas e suas relações sociais foram, de certa maneira, boicotadas, uma vez que foram rejeitados pelos restantes estudantes. 

2.“Black Mirror” – série da Netflix

A série inglesa produzida pela Netflix desde 2011 apresenta uma visão futurística do uso da tecnologia e dos padrões de comportamentos sociais. Nesse contexto, a série aborda o uso da tecnologia de forma distópica, mas que não parece tão distante da nossa realidade atual. Alguns do episódio, fazem referência ao que hoje, apelidamos de “cultura do cancelamento”.

Apesar da maioria dos episódios estabelecerem uma relação entre o uso da tecnologia e do cancelamento em massa, separamos três para você conferir:

Urso Branco (2ª temporada, episódio 3)

É um dos episódios considerados mais perturbadores da série, já que retrata de forma bastante explícita o sofrimento da personagem principal. Victoria, a personagem principal do episódio, acorda e não se lembra de nada sobre a sua vida. No momento em Victoria sai na rua, todos apontam o celular e não dizem nada, apenas filmam a personagem. Além disso, todos os seus antigos conhecidos se recusam a conversar com ela. 

Queda Livre (3ª temporada, episódio 1)

Nesse episódio, a tecnologia e a aprovação nas redes sociais guiam a vida dos personagens. O julgamento é feito pelos outros utilizadores da rede social fictícia da série, no qual a pontuação 0 é a mais baixa e 5 a mais alta. As pessoas que obtêm a pontuação mais alta, são mais bem sucedidas social e profissionalmente. As menos bem avaliadas são boicotadas e não são capazes de obter grandes benefícios. O medo do linchamento e do cancelamento são retratados no episódio que apresenta uma distopia não tão distante do mundo moderno.

Manda Quem Pode (3ª temporada, episódio 3)

Nesse 3º episódio da 3ª temporada é retratada a vida de Kenny, um jovem que, aparentemente, vive uma vida comum. Entretanto, depois de ter seu computador hackeado, a personagem é ameaçada a ter um segredo exposto. Para evitar um cancelamento dos seus colegas e familiares, Kenny começa a ser chantageado para ter seu segredo preservado. 

Odiados Pela Nação (3ª temporada, episódio 6)

No último episódio da sexta temporada da série, duas detetives investigam um assassinado relacionado a um escândalo nas mídias sociais, as pessoas podem votar através de Hashtags no Twitter sobre pessoas que devem ser mortas por abelhas assassinas. O episódio expõe como o fervor das vozes nas redes pode levar a consequências na vida real.

3. The Shape of Things (2003)

O filme produzido em 2003 e dirigido por Neil LaBute retrata a história do relacionamento entre dois estudantes universitários, Adam e Evelyn. No início do enredo, Adam é um segurança de uma galeria de arte que acaba se envolvendo com Evelyn. A personagem por sua vez, acaba impondo algumas mudanças de comportamento e até mesmo no físico do parceiro. Baseado na ideia de que “quem ama muda” e em um segredo revelador, Evelyn acaba cancelando o Adam que conheceu e fazendo mudanças que não agradam a todos e acarretam em algumas consequências.

4. Oleanna (1994)

Um filme que trata da mesma temática do Me Too décadas antes do movimento que deu origem ao termo “cancelamento”. Na produção de David Mamet, dois personagens desenvolvem grande parte da história, Carol e John. Carol é uma aluna universitária e John, seu professor. A aluna, que não tem grande desempenho, busca conversar com o professor, o qual posteriormente é acusado de assédio sexual. Após as alegações de Carol, John é cancelado e tem sua carreira boicotada. A forma na qual o acusado lida com a situação traz um final surpreendente. 

Gostou das dicas sobre a cultura do cancelamento ? Deixe suas dúvidas e sugestões nos comentários!

Referências:

Guia do Estudante – Como funciona a cultura do cancelamento

Folha – O que é a cultura do cancelamento

PortalMundo – Episódios que já previam a cultura do cancelamento

Spectator – Cancel Culture on Film

Encena Saúde Mental – Urso Branco

Medium – Dear White People

Pensar Contemporâneo – Black Mirror Queda Livre

NY times – Film Review

Deixe um Comentário








Enter Captcha Here :