As comunidades quilombolas são remanescentes e descendentes diretas dos negros escravizados no Brasil. Esses espaços nasceram a partir da luta do povo negro pela liberdade, sendo locais que serviam de abrigo e refúgio durante a fuga do regime escravocrata. Por isso, a palavra Quilombo se tornou sinônimo de resistência.

Apenas um século após o fim da escravidão no Brasil, com a Constituição de 1988, foi promulgado o direito à terra ocupada pelas comunidades remanescentes dos quilombos do período escravocrata no Brasil, como um primeiro reconhecimento da nação à importância da preservação e valorização da cultura negra. Neste conteúdo, o Politize! te explica como ocorre a titulação de Terras Quilombolas.

Como é feita a declaração de uma Comunidade Quilombola?

O reconhecimento de uma comunidade como quilombola ocorre por meio do processo de autodeclaração, assim como das pessoas que pertencem àquele grupo. Esse critério segue a Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que trata sobre povos indígenas e tribais, e diz no artigo 1° que “A autoidentificação como indígena ou tribal deverá ser considerada um critério fundamental para a definição dos grupos aos quais se aplicam as disposições da presente Convenção.”.

De acordo com a Fundação Cultural Palmares, atualmente, o Brasil possui 3.475 comunidades remanescentes de quilombos, sendo 2.819 delas certificadas por esta entidade. A Fundação faz parte do Ministério da Cultura e é responsável pela preservação da cultura e promoção de políticas públicas voltadas à população negra.

Essas milhares de comunidades existentes no país possuem costumes herdados de seus antepassados, mas também passaram por mudanças, assim como toda sociedade com a evolução do tempo. Cada uma delas possuem diferentes aspectos culturais, desde a forma de economia local até a religiosidade. A garantia dos direitos dessas populações e o reconhecimento de suas tradições são primordiais para a preservação do multiculturalismo e da história do País.

Como ocorre o reconhecimento destas terras?

O direito das comunidades quilombolas às terras onde estão localizadas é garantido pela Constituição Federal de 1988, conforme Artigo 68, “Aos remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos respectivos.”.

Para o reconhecimento desses territórios, é necessário que os grupos passem por um criterioso processo de análise e, assim, recebam a titulação das terras. Na esfera federal, o órgão responsável pela realização desse título é o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), mas os estados e municípios também se enquadram como competentes para efetuarem os procedimentos.

Para empreenderem a abertura do processo, as comunidades devem possuir uma certidão de registro no Cadastro Geral de Comunidades Remanescentes de Quilombos da Fundação Cultural Palmares.

Inicialmente, o Incra realiza um estudo do território para elaboração do Relatório Técnico e Delimitação (RTID), formado pelo relatório antropológico, pelo levantamento fundiário, pela elaboração de mapa territorial e pelo cadastramento das famílias. Após isso, o documento passa por uma fase em que são analisadas e julgadas contestações que podem ter sido feitas. O RTID também é encaminhado para diferentes órgãos – Fundação Cultural Palmares, IPHAN, SPU, FUNAI, Conselho de Defesa Nacional, Serviço Florestal Brasileiro, IBAMA, Instituto Chico Mendes e os órgãos ambientais estaduais – para avaliação dos dados levantados.

Com a aprovação definitiva dos estudos realizados, o presidente do Incra publica uma portaria no Diário Oficial da União e do estado, encerrando o processo com a titulação do território quilombola. 

Essas terras podem passar por outros processos entre emissão e análise do RTID até chegar à titulação, já que o procedimento também depende do local onde as comunidades estão localizadas, podendo ser necessárias outras ações no âmbito estadual e municipal.

Qual é a atual situação das comunidades quilombolas no Brasil?

Mesmo sendo um direito constitucional, a titulação das terras tem sido cada vez mais lenta. De acordo com o Observatório de Terras Quilombolas da Comissão Pró-índio de São Paulo, atualmente apenas 136 terras quilombolas foram tituladas no Brasil, sendo 18 delas pelo Incra. Alguns dos fatores apontados como motivos para a lentidão dessa declaração são a burocracia existente e as disputas pelo território, além da redução do orçamento do Incra nos últimos anos e a falta de interesse governamental pela promoção desta política nacional. 

Além de ser imprescindível para assegurar os direitos dessas comunidades em seus locais de memória e identidade, o processo de reconhecimento das terras quilombolas também possibilita que estas populações tenham acessos a serviços básicos, como distribuição de água e energia elétrica regularizadas. 

Lúcia Andrade, coordenadora da Comissão Pró-Índio de São Paulo, em entrevista ao Portal EBC, afirmou que a obtenção do título de posse da terra tem impacto direto nas comunidades quilombolas, pois “é o que permite que esses povos planejem com mais segurança o uso das riquezas naturais, criando melhores condições de vida e oportunidades de geração de renda”.

Com a titulação, também é possível que a comunidade acesse políticas públicas que visam proporcionar uma melhor qualidade de vida aos moradores, como a bolsa permanência destinada à universitários quilombolas e financiamentos bancários para atividades agrícolas.


Gostou do conteúdo? Deixe sua dúvida ou contribuição nos comentários abaixo. 

REFERÊNCIAS

Agência Brasil. Menos de 7% das áreas quilombolas no Brasil foram tituladaS

Brasil. Constituição Brasileira de 1988 – art. 216 e 68

Comissão Pró-Índio de São Paulo. O Caminho da Titulação das Terras Quilombolas

Comissão Pró-Índio de São Paulo. Quilombolas no Brasil

Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas – CONAQ

Fundação Cultural Palmares. Certificação Quilombola

Fundação Cultural Palmares. Quadro Geral de Comunidades Remanescentes de Quilombos (CRQs)

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA. Quilombolas

Organização Internacional do Trabalho (OIT). Convenção 169

Portal EBC. Como as comunidades quilombolas podem obter a titulação de suas terras

Secretaria Especial do Desenvolvimento Social. Comunidades Quilombolas

Terra de Direitos. Quilombolas

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!

Deixe um Comentário








Enter Captcha Here :