Navegue por categria

Para o projeto-piloto na Amazônia Legal, mais de R$500 milhões foram destinados para atividades de preservação, conservação e recuperação da natureza. Imagem: Arquivos do Governo do Brasil, 2020.

Código Florestal e a preservação ecológica no Brasil: entenda

Publicado em:
Compartilhe este conteúdo!
Para projeto-piloto na Amazônia Legal, são mais de R$500 milhões destinados para atividades de conservação e recuperação da natureza. O projeto tem base na legislação do Código Florestal. Imagem: Arquivos Governo do Brasil, 2020.
Para o projeto-piloto na Amazônia Legal, mais de R$500 milhões foram destinados para atividades de preservação, conservação e recuperação da natureza. Imagem: Arquivos do Governo do Brasil, 2020.

A Lei 12.651, de 2012, também conhecida como Novo Código Florestal – NCFlo (ou simplesmente Código Florestal), é importante norma voltada para a proteção ambiental. Em conjunto com as demais legislações ambientais brasileiras, ele busca somar esforços para a concretização dos deveres de manutenção de um meio ambiente ecologicamente equilibrado, conforme previsto na Constituição Federal de 1988

Para isso, suas determinações englobam diretrizes voltadas tanto para o Poder Público, quanto para o particular, reforçando a utilização de mecanismos de controle, fiscalização, informação e incentivos à proteção ambiental.

Apesar de ser uma lei bastante extensa, é possível destacar alguns pontos essenciais para a compreensão de seu funcionamento na proteção ambiental do Brasil. Bora conhecer um pouco mais?

Leia mais: SISNAMA: conheça o sistema de órgãos públicos para a defesa do meio ambiente

O que é o Código Florestal?

O Código Florestal é uma legislação voltada para a preservação ecológica no Brasil, com foco especial na proteção das florestas.

Nele, encontram-se valiosos instrumentos para a preservação da vegetação nativa, além da regulamentação da exploração florestal no país, embasado nos três pilares do desenvolvimento sustentável: o ambiental, o social e o econômico.

Apesar de aprovado há 10 anos, ainda é chamado por muitos de “Novo Código” por substituir o antigo Código Florestal, lei n.º 4.771, de 1965.

Sua elaboração se deu em meio a grandes polêmicas e embates entre setores ambientalistas e ruralistas, uma vez que em diversos pontos contribuía para a redução dos níveis de proteção ambiental anteriormente estabelecidos.

Um exemplo muito debatido à época foi a anistia a certas situações de desmatamento de importantes áreas por meio da criação da chamada “área rural consolidada”.

De acordo com o Código Florestal, em seu artigo 3º, inciso IV, a área rural consolidada seria a “área de imóvel rural com ocupação antrópica preexistente a 22 de julho de 2008, com edificações, benfeitorias ou atividades agrossilvipastoris, admitida, neste último caso, a adoção do regime de pousio”.

Nestes casos específicos, apesar de restar configurada retirada de vegetação de importantes áreas de preservação permanente, por exemplo, decidiu o legislador permitir a manutenção das atividades humanas, sem a determinação de uma necessária restauração do meio natural.

Nesse sentido, os impactos do agronegócio no meio ambiente ganham cada vez mais destaque e são, por vezes, pauta nas grandes mídias, fóruns e debates ambientais.

Veja também nosso vídeo sobre queimadas no Pantanal e na Amazônia!

Princípios estabelecidos no Código Florestal

Deste modo, pode-se dizer que uma das maiores preocupações durante sua tramitação no Congresso Nacional foi garantir a vedação ao retrocesso em termos de proteção ecológica – foguete e legislação ambiental: duas coisas que não dão ré!

De acordo com o artigo 1º-A do NCFlo, seu objetivo geral está voltado para a

proteção da vegetação, áreas de Preservação Permanente e as áreas de Reserva Legal; a exploração florestal, o suprimento de matéria-prima florestal, o controle da origem dos produtos florestais e o controle e prevenção dos incêndios florestais, e prevê instrumentos econômicos e financeiros para o alcance de seus objetivos.

Para atingir tais objetivos, a lei estipulou uma série de princípios, tais como a afirmação do compromisso brasileiro com a preservação de suas florestas, o estímulo à pesquisa científica voltada para manejo sustentável de recursos florestais e a criação de incentivos econômicos para fomentar a proteção ambiental.

Veja mais: Quem é Greta Thunberg? Conheça a ativista socioambiental.

Dois conceitos-chave: área de preservação permanente e reserva legal

O Código Florestal traz diversos conceitos importantes ao longo de seu texto, especialmente no artigo 3º, tais como Amazônia legal, manejo sustentável, área de preservação permanente e reserva legal.

Esses dois últimos, em especial, são instrumentos bastante conhecidos e que constituem chave para a proteção dos biomas brasileiros, tal como propõe o Código. Vamos conhecer?

A área de preservação permanente

De acordo com o Código Florestal, em seu artigo 3º, a área de preservação permanente, também conhecida como APP, é a

área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas.”

Sendo assim, suas funções ecológicas são importantíssimas, pois têm finalidades essenciais como conter a erosão do solo, proteger várzeas, restingas e veredas e formar faixas de proteção ao longo de rodovias e ferrovias.

Portanto, são consideradas áreas de preservação permanente as faixas marginais de cursos d’água; as áreas no entorno de lagos e lagoas naturais; os topos de morros; os manguezais, dentre outras previsões bem detalhadas do artigo 4º do Código Florestal.

Segundo a lei: as APPs podem estar situadas tanto em regiões urbanas quanto em regiões rurais e, ainda que não estejam com sua vegetação nativa, devem ser preservadas.

Assim, dada a importância da proteção ambiental de tais áreas, a intervenção ou supressão de sua vegetação somente poderá ocorrer nas hipóteses de utilidade pública, interesse social ou de baixo impacto ambiental previstas de forma taxativa no próprio Código Florestal.

Portanto, é possível dizer que o regime jurídico de proteção das áreas de preservação permanente é rigoroso, admitindo intervenções eventuais como a prevista no art. 9º do NCFlo, no caso de acesso de pessoas e animais em APPs para obtenção de água, por exemplo.

E a reserva legal?

A reserva legal, também com conceito previsto no artigo 3º, III, do Código Florestal, consiste em

área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural (…) com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos recursos naturais do imóvel rural, auxiliar a conservação e a reabilitação dos processos ecológicos e promover a conservação da biodiversidade, bem como o abrigo e a proteção de fauna silvestre e da flora nativa.

Então, diferentemente da área de preservação permanente, a reserva legal é espaço a ser protegido especificamente na área rural, devendo ser delimitada pelo proprietário do imóvel rural de acordo com as definições previstas na lei, com posterior registro no Cadastro Ambiental Rural – CAR.

A importância da reserva legal é a manutenção do equilíbrio ecológico, podendo ser explorada quando há tríplice benefício: econômico, social e ambiental.

Assim, segundo o Código Florestal, a reserva legal deve ser conservada com sua vegetação nativa por quem quer que seja o proprietário do imóvel rural, havendo possibilidade de exploração apenas em casos muito específicos.

Além disso, o percentual mínimo que deve ser delimitado como reserva legal em uma propriedade rural situada em área presente na região da Amazônia legal pode variar entre 20% a 80% do imóvel.

Já nas demais regiões do país, o proprietário deverá constituir a reserva legal em, no mínimo, 20% da propriedade rural.

Em ambos os casos, devem ser observadas as regras de localização para fixar essa delimitação, considerando-se, por exemplo, a região da bacia hidrográfica e as áreas que possuem maior fragilidade ambiental.

Benefícios na ampliação da área de reserva legal

É importante destacar que a legislação prevê benefícios para aqueles que decidirem ampliar sua área de reserva legal de forma voluntária para além do percentual trazido pelo Código Florestal.

Uma vantagem, por exemplo, é a dedução no imposto sobre propriedade territorial rural – ITR, relativo ao percentual de reserva legal registrado pelo proprietário.

Desta maneira, o propósito do legislador, ao criar esse tipo de mecanismo fiscal, é justamente incentivar a proteção ambiental ao invés de apenas prever instrumentos de punição para infratores, afinal, prevenir é sempre melhor do que remediar!

A responsabilização por danos ambientais segundo o Código Florestal

Embora a legislação ambiental trabalhe com a noção de prevenção e precaução de danos, tendo em consideração a dificuldade de se restaurar o meio ambiente ao seu status quo após a degradação, sabemos que muitas vezes isso não é possível.

Nestes casos, o comando jurídico é que se aplique o princípio do poluidor-pagador, ou seja, aquele que causar danos ambientais deverá promover a reparação do mal causado.

Com isso, prevista na Constituição Federal, a responsabilização do degradador poderá se dar de forma ampla, abrangendo as áreas cível, penal e administrativa, o que também é reforçado pelo Código Florestal.

Segundo o NCFlo, o proprietário ou possuidor de imóvel com passivo ambiental, ou seja, com danos ambientais, está obrigado a promover a reparação da área, ainda que a degradação tenha ocorrido em momento anterior e/ou por responsabilidade de outra pessoa.

Isso significa que as áreas determinadas como objeto de proteção especial devem ser assim mantidas, livres de interferências e degradações que possam trazer alterações adversas aos processos ecológicos.

Para ilustrar, é interessante observar o que afirma o artigo 7º, parágrafo primeiro, do Código Florestal, segundo o qual:

tendo ocorrido supressão de vegetação situada em Área de Preservação Permanente, o proprietário da área, possuidor ou ocupante a qualquer título é obrigado a promover a recomposição da vegetação, ressalvados os usos autorizados previstos nesta Lei.

Dessa forma, o Código Florestal entra em harmonia com as demais leis ambientais brasileiras, dando ênfase, antes de tudo, na preservação ambiental, mas garantindo a recuperação das áreas degradadas e a responsabilização do causador dos danos, quando a proteção não for mais possível.

Ouça também nosso podcast sobre o meio ambiente e a crise na Amazônia!

Legislações de proteção florestal brasileira

É importante destacar que a proteção florestal no Brasil não se vale apenas do Código Florestal. Em verdade, há diversas outras leis voltadas para este propósito, como a lei n.º 9.985/2000 (Lei dos Sistema Nacional de Unidades de Conservação), a lei n.º 11.284/2006 (Lei sobre Gestão de Florestas Públicas) e a lei n.º 11.428/2006 (Lei da Mata Atlântica).

Juntas, essas legislações formam o que podemos chamar de “microssistema legislativo florestal brasileiro”, um verdadeiro ecossistema de proteção ecológica!

E aí, conseguiu compreender o que é o Código Florestal e qual é a sua importância para a preservação ecológica brasileira? Deixe seu comentário!

Referências:

GoCache ajuda a servir este conteúdo com mais velocidade e segurança

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe este conteúdo!

ASSINE NOSSO BOLETIM SEMANAL

Seus dados estão protegidos de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

FORTALEÇA A DEMOCRACIA E FIQUE POR DENTRO DE TODOS OS ASSUNTOS SOBRE POLÍTICA!

Conteúdo escrito por:
Mineira gente boa, mestra em Direito pela UFU, professora e pesquisadora na área de direitos humanos e sociedade contemporânea. Apaixonada pela escrita, pelo aprendizado constante e por podcasts de true crime. Aquarelista amadora.

Código Florestal e a preservação ecológica no Brasil: entenda

22 jun. 2024

A Politize! precisa de você. Sua doação será convertida em ações de impacto social positivo para fortalecer a nossa democracia. Seja parte da solução!

Pular para o conteúdo