O que é crise econômica?

Crise econômica, recessão, depressão, desemprego, PIB. Você com certeza já teve dúvidas sobre esses conceitos tão comuns quando se fala em economia, não é mesmo? Mas afinal, o que é uma crise na economia? Por que de tempos em tempos ouvimos falar sobre isso? O Politize! preparou esse texto para te explicar de uma maneira simples esses temas que parecem tão complicados.

A Grande Depressão causou pobreza geral nos Estados Unidos e em diversos países do mundo. Aqui, família desempregada, vivendo em condições miseráveis, em Elm Grove, Oklahoma, Estados Unidos.

Foto: Domínio Público

crise econômica

Crise econômica, isso é normal?

Antes de mais nada, precisamos explicar que a economia é cíclicaapesar de apresentar períodos de certa estabilidade. Isso significa que, em alguns momentos há crescimento e em outros há queda da atividade econômica, o que é um padrão normal do sistema capitalista. Ou seja, de tempos em tempos passaremos por crises, isso é inevitável. O que pode variar são as razões que levam às crises, os setores da economia que serão mais afetados e a intensidade delas, é claro. Em geral, grandes crises afetam de alguma forma todos os países do sistema capitalista, pois as economias são dependentes entre si.

Certo, mas o que acontece durante uma crise, afinal?

Durante uma crise econômica há declínio da atividade econômica. A demanda por consumo diminui, o que leva à diminuição da taxa de lucro das empresas. Como as empresas passam a lucrar menos, muitas delas acabam demitindo funcionários e isso leva ao aumento de taxas de desemprego. Com mais pessoas desempregadas, a renda diminui, o que leva a um menor consumo das famílias, ou seja, menor demanda. Como podemos ver, esse ciclo tende a se reproduzir e se intensificar. Para frear o ciclo, é necessário adotar políticas econômicas de estímulo à economia e o sucesso – ou não – dessas medidas, vai determinar a intensidade e duração dessas crises.

Intensidade diferente, como assim?

A intensidade de uma crise econômica para outra varia. Você provavelmente já ouviu falar sobre a crise de 1929, não é mesmo? Essa é a crise mais famosa do sistema capitalista, ela foi tão grave que é considerada uma depressão. Há duas classificações de crise conforme sua força e duração: recessão e depressão, veja abaixo a diferença entre elas.

  • Recessão: as recessões são crises relativamente curtas, são fases nas quais há retração da atividade econômica, aumento do desemprego, diminuição da produção, nas taxas de lucro e nos investimentos. Considera-se em recessão uma economia que apresenta queda no PIB por dois trimestres consecutivos.
  • Depressão: são crises duradouras – um estado de agravamento da recessão – com forte redução da atividade econômica, falências, altas taxas de desemprego e grandes quedas de produção e investimentos. Geralmente considera-se depressão uma recessão que ultrapassa 3 ou 4 anos de duração ou então, uma queda drástica no PIB.

PIB, é com ele que se mede a produção econômica?

Isso mesmo, o Produto Interno Bruto é a soma de toda a riqueza – conjunto de bens e serviços – produzidos internamente no país durante um determinado período de tempo. É um dos indicadores mais utilizados para medir o tamanho de uma economia, bem como seu crescimento ou recessão.

Há duas formas de calcular o PIB: pela oferta e pela demanda. Na ótica da oferta, soma-se o valor do que é produzido pela indústria, serviços e agropecuária. Na ótica da demanda, calcula-se o que é gasto: o consumo das famílias em bens e serviços, gastos do governo, investimentos das empresas e as exportações, descontadas as importações.  

Para saber mais: o que é PIB?

Crise econômica: no Brasil e no mundo

Para você entender melhor o fenômeno das crises econômicas, vamos explicar brevemente o que aconteceu antes, durante e depois de três crises importantes da história: a  depressão de 1929, a crise econômica mundial em 2008 e a recessão brasileira entre 2014 e 2016.

Depressão de 1929

Para entender a crise econômica de 1929, vamos relembrar o que estava acontecendo antes desse período. Com o final da primeira guerra mundial, os Estados Unidos tinham a Europa como um grande consumidor dos seus produtos, afinal, a indústria europeia tinha sido afetada pela guerra e boa parte dos produtos tinham que vir de fora. Mas, aos poucos, a indústria dos países europeus foi se recuperando, a necessidade de importar produtos diminuiu e esses países passaram a comprar menos dos Estados Unidos.

Os Estados Unidos – devido a essa demanda externa – estavam produzindo muito, mas com a redução das exportações para a Europa, sofreram uma crise de superprodução. Isso significa que havia muito produto, mas não havia comprador. Com muitos produtos parados, as empresas passaram a demitir funcionários, o que teve como consequência taxas altas de desemprego e crescimento da pobreza. Como as empresas estavam ameaçadas, a compra de suas ações reduziu drasticamente, o que levou à famosa quebra da bolsa de valores.

A crise de 1929 foi uma crise do liberalismo. O liberalismo defendia o Estado mínimo, ou seja, a menor intervenção possível do Estado na economia. Segundo essa corrente de pensamento, o mercado se ajustaria conforme a lei de oferta e demanda. Porém, o mercado não foi capaz de se auto regular e a economia entrou em crise. Para a recuperação do país, foram adotadas medidas de intervenção do Estado na economia, como estímulos às indústrias e programas assistencialistas.

Crise econômica mundial de 2008

A crise global de 2008 também foi iniciada nos Estados Unidos, mas diferente do que aconteceu em 1929, essa foi uma crise financeira. Foi um colapso no sistema de especulação, decorrente da chamada bolha imobiliária. Antes do estouro dessa crise, os juros estavam baixos e havia crédito abundante no mercado americano. Isso significa que as pessoas tinham facilidade em conseguir empréstimos e os juros que pagariam por eles era baixo. Atrativo, não?

A forma desses empréstimos era a hipoteca. Ou seja, ao pegar um empréstimo, as pessoas davam seus imóveis como garantia e, geralmente, usavam o crédito para investir em outros imóveis. Esses empréstimos eram considerados de alto risco, pois muitas dessas pessoas não tinham condições de pagar suas dívidas. Desconsiderando esse risco, os bancos de investimento vendiam essas dívidas e as classificavam como seguras, ou seja, com baixo risco de calote.

Como a inflação no país estava aumentando, o governo precisou aumentar a taxa de juros. Isso levou ao “esfriamento” da economia e à desvalorização dos imóveis. Assim, grande parte das pessoas que havia realizado empréstimos não conseguiu mais pagar suas dívidas. Como essas dívidas estavam sendo negociadas pelos bancos de investimento no mundo todo, essa crise econômica gerou um efeito dominó, que levou ao colapso de diversos bancos. A crise atingiu em princípio os Estados Unidos, depois de algum tempo atingiu a Europa e até mesmo os países em desenvolvimento, embora em menor intensidade. Para evitar uma crise ainda maior, novamente o Estado teve que intervir para salvar os bancos. O plano de socorro de George W. Bush foi de R$ 2,6 trilhões.

Crise econômica brasileira

A recessão no Brasil foi de abril de 2014 a dezembro de 2016, ao longo desse período houve retração do Produto Interno Bruto do país. Dentre as causas dessa crise, podemos destacar a crise global de 2008, que afetou o mercado internacional como um todo; e as políticas adotadas pela equipe econômica do governo em resposta à crise internacional. O Brasil é um grande exportador de commodities –  produtos cujos preços são determinados no mercado internacional. Como o mundo estava em crise, o valor desses produtos caiu. Essa queda de preços afetou as exportações brasileiras e, apesar da adoção de políticas econômicas por parte do governo, não foi possível evitar a recessão econômica.

Nesse período, o setor que mais sofreu no Brasil foi a indústria, você talvez lembre de situações em que as indústrias realizaram demissões em massa, não é mesmo? O desemprego aumentou, atingindo a taxa de 13,7% em março de 2017 e a capacidade de consumo das famílias caiu. Nesse período também houve baixa Formação bruta de capital fixo, que são os investimentos que podem gerar mais produção e riqueza e aumentar o PIB, como por exemplo, novas plantas industriais.

A gravidade da situação se intensificou com uma crise política que culminou no impeachment da presidente Dilma Rousseff. Para conter a crise, seu sucessor, Michel Temer, adotou várias medidas econômicas, como a PEC do teto dos gastos, a reforma trabalhista e a Lei da terceirização. Muitas dessas medidas se tornaram impopulares por seus riscos de precarização do trabalho e das possíveis consequências para a população diante das dificuldades que educação, saúde e segurança pública enfrentarão nos próximos anos com o congelamento dos gastos.

Entendeu um pouco sobre crise econômica?

Esperamos que esse texto tenha te ajudado a entender o que são as crises econômicas em um sistema capitalista. Como você pode ver, há diferentes tipos de crise, seja pela origem, pelos setores que mais são afetados e pela intensidade e duração. Em geral, as crises produzem cenários de precarização da condição da vida da população, especialmente daquelas camadas mais pobres, que são diretamente afetadas pelo desemprego e diminuição da sua capacidade de consumo. Para ajudar a entender ainda melhor o assunto, o Politize! preparou um infográfico para você, confira!

crise econômica

O que achou desse conteúdo sobre crise econômica? Deixe seu comentário.

Aviso: mande um e-mail para contato@politize.com.br se os anúncios do portal estão te atrapalhando na experiência de educação política. 🙂

Referências do texto: confira aqui onde encontramos dados e informações!

Publicado em 12 de outubro de 2018.

Talita de Carvalho

Assessora de conteúdo no Politize!, formada em Economia pela UFPR e mestranda em Planejamento Territorial na UDESC. Acredita que pessoas bem informadas constroem uma sociedade mais justa.

banner ead