Capa do texto: O crescimento da febre maculosa alerta para uma nova pandemia?
,

Por que o número de casos de febre maculosa tem aumentado?

Publicado em:
Atualizado em:
Compartilhe este conteúdo!
Carrapato estrela, transmissor da febre maculosa
Imagem: Metrópoles.

O cenário global de saúde precisou lidar com a pandemia do Covid-19 nos últimos anos. Desde então, a vacinação em massa fez com que o número de casos e de mortes diminuísse e a doença, então, a OMS pode declarar o fim da emergência de saúde pública.

Entretanto, doenças que antes não pareciam tão ameaçadoras, passam a ganhar destaque entre especialistas em saúde, como é o caso da febre maculosa.  

A febre maculosa pode variar entre casos leves e casos mais graves, podendo levar a mortes. Mas será que podemos especular que uma nova pandemia poderá surgir? Para que você entenda quais riscos a febre maculosa oferece no mundo pós Covid-19, a Politize! preparou este texto.

Veja também nosso vídeo sobre o surgimento de próximas pandemias!

O que é febre maculosa?

A febre maculosa, de acordo com o Ministério da Saúde, é uma doença infecciosa, febril aguda, cuja gravidade é variável, podendo apresentar casos clínicos leves ou graves, com elevada taxa de letalidade. A bactéria do gênero Rickettsia é quem causa a febre maculosa e sua transmissão ocorre através da picada de um carrapato.

No Brasil, existem duas espécies associadas a quadros clínicos da doença: 

  • Rickettsia rickettsii: responsável pelo quadro de Febre Maculosa Brasileira (FMB), considerada a doença grave. Já foi registrada no norte do estado do Paraná e nos estados do Sudeste;
  • Rickettsia parkeri: esta espécie produz quadros clínicos menos graves e foi registrada em ambientes de Mata Atlântica, como Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Bahia e Ceará.

Além disso, no território brasileiro, os principais vetores são os carrapatos do gênero Amblyomma, sobretudo as espécies A. cajennense e A. aureolatum, também conhecido como carrapato estrela.

Carrapato estrela em pele humana, causador da febre maculosa
Imagem: Portal da Cidade Brusque.

Apesar disso, qualquer espécie de carrapato pode carregar consigo a bactéria causadora da febre maculosa, inclusive o carrapato de cachorro.
Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, a febre maculosa não é contagiosa, ou seja, não pode ser transmitida de uma pessoa para a outra.

Quais são os sintomas?

O diagnóstico e o tratamento imediato da doença são cruciais para o bom gerenciamento da febre maculosa, portanto, saber identificar os sintomas previamente é extremamente importante.

Nesse sentido, os principais sintomas da febre maculosa são:

  • Febre alta e súbita;
  • Dor de cabeça intensa;
  • Náuseas e vômitos;
  • Diarreia e dor abdominal;
  • Dor muscular constante;
  • Inchaço e vermelhidão nas palmas das mãos e sola dos pés;
  • Gangrena nos dedos e orelhas.

Além desses sintomas, com a evolução da febre maculosa, é comum que apareçam manchas vermelhas nos pulsos e tornozelos, que podem aumentar em direção às palmas das mãos, braços ou sola dos pés.

Durante os primeiros dias da manifestação da doença é difícil fazer o diagnóstico, isso porque os sintomas são parecidos com outras doenças, como leptospirose, dengue, hepatite viral, sarampo, dentre outras.

Entretanto,  a avaliação dos sintomas, realização de exames junto a perguntas como local de residência e últimos locais em que esteve onde possa ter sido picado por um carrapato (como florestas, fazendas, trilhas ecológicas) podem ajudar a chegar ao diagnóstico.

Febre maculosa sempre existiu?

A primeira vez que a febre maculosa foi identificada ocorreu no final do século XIX nos Estados Unidos. No início do século XX, a bactéria Rickettsia rickettsii foi identificada, pelo patologista Howard Taylor Ricketts, como a causadora da doença e os carrapatos, os principais vetores da transmissão. A partir disso, a febre maculosa é registrada principalmente em áreas arborizadas e rurais.

Já no Brasil, a febre maculosa foi reconhecida pela primeira vez em 1929, em São Paulo. No país, a maioria dos casos concentram-se na região sudeste,dado que coincide com a presença do principal vetor da doença. 

Há períodos do ano em que há maior incidência da doença, sendo de junho a outubro. Diversos fatores contribuem para o surgimento e disseminação da doença, como:

  • Desequilíbrio ambiental;
  • Transmissão zoonótica*;
  • Fatores socioeconômicos (vulnerabilidades) e rápida urbanização;
  • Mudanças climáticas.

*Transmissão zoonótica são doenças infecciosas transmitidas entre animais e pessoas.

Entendendo os fatores que contribuem para o surgimento e disseminação da febre maculosa é importante para desenvolver estratégias de prevenção e controle da doença.

Crescimento no número de casos

Infográfico sobre número de casos e óbitos por febre maculosa confirmados entre 2012 e 2022.
Imagem: G1.

Nos últimos anos, notou-se um crescimento no número de casos de febre maculosa no Brasil. Acredita-se que alguns fatores possam ter contribuído para que este aumento ocorresse, como o desmatamento, urbanização desordenada e mudanças climáticas. Esse conjunto de fatores podem ter influenciado na expansão dos habitats dos carrapatos, assim como na exposição humana.

Veja também: O que é Estado de Emergência Climática?

Além disso, não foram adotadas medidas preventivas para frear o aumento de casos ao longo dos anos.

Entre 2012 e 2022, o Brasil registrou 753 mortes por febre maculosa, sendo 62% só em São Paulo. Os dados do Ministério da Saúde apontam para registros de 2.157 casos confirmados ao longo desses 10 anos. Quanto às outras regiões do país, veja abaixo:

  • Centro-Oeste: 31 casos e 1 morte;
  • Nordeste: 16 casos e nenhuma morte;
  • Norte: 16 casos e nenhuma morte;
  • Sudeste: 1.354 casos e 673 mortes;
  • Sul: 497 casos e 3 mortes.

Em 2023, até junho, foram confirmados 49 casos e 6 óbitos.

Há risco de uma nova pandemia?

Para dizer se há ou não risco de uma nova pandemia, é preciso entender como surge uma pandemia. Mas o que pode ser afirmado é que o crescimento da febre maculosa não alerta para uma nova pandemia.

A pandemia da Covid-19 não foi a primeira doença que o mundo enfrentou. Gripe aviária, varíola dos macacos, ebola, chikungunya, são algumas doenças que o mundo teve que enfrentar só neste século.

Epidemiologistas não possuem um consenso sobre as causas do aumento de doenças, entretanto, acredita-se que a forma como humanos tem lidado com o meio ambiente, junto aos efeitos das mudanças climáticas têm contribuído para aumentar os riscos de contato entre humanos e agentes causadores e transmissores de doenças, como vírus e bactérias.

Leia mais: Só tem seca no nordeste? Efeitos das mudanças climáticas no mundo

Em entrevista à CNN em 2022, a atual ministra da saúde, Nísia Trindade, afirmou que a maior ocorrência de epidemias pode ser considerada uma marca deste início de século.

“Embora estejamos mais aptos a identificar essas emergências, não há dúvidas de que elas têm acontecido com mais frequência devido a fatores sociais, com destaque para aglomerações urbanas e aumento de desigualdades, além do intenso fluxo de pessoas e de mercadorias, característico de uma economia globalizada”, afirma Nísia.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, alerta para a importância dos países estarem preparados para lidar e enfrentar novas emergências sanitárias.

O contato inédito com microorganismos que podem provocar a infecção no organismo humano, geralmente, é o primeiro alerta para a emergência de uma nova doença.

Há, além disso, um fenômeno conhecido como “transbordamento”, diz respeito a capacidade de adaptação desse microrganismo para ir de um hospedeiro animal a uma pessoa. Para que isso ocorra, é preciso que haja condições favoráveis, o que inclui o comportamento humano.

A forma como esse fenômeno ocorre é estudado por especialistas em todo o mundo, porém é difícil prever como e quando poderá ocorrer, pois a recorrência não pode ser prevista. 

Entretanto, como mencionado anteriormente, fatores humanos contribuem para o aumento dos riscos da exposição humana aos agentes causadores de doenças:

  • Ocupação humana em áreas e reservas naturais que abrigam espécies silvestres;
  • Serviços de higiene precários;
  • Alimentação a base de animais silvestres;
  • Falta de higienização no preparo de alimentos;
  • Ausência de oferta de saneamento básico;
  • Consequências causadas pelas mudanças climáticas.

Novas doenças no mundo pós pandemia de Covid-19

De 2020 até a declaração da OMS informando o fim da emergência global, em 2023, a Covid-19 foi uma das maiores preocupações para a saúde global. Porém, com o avanço da vacinação e, consequentemente, a diminuição de casos e mortes pelo vírus, outras doenças estão sendo alvo de preocupações.

Saiba mais: Coronavírus: o que é e seus impactos no Brasil e no mundo

A varíola dos macacos, até maio de 2023, já registrou mais de 200 casos somente em países europeus. Além disso, em abril deste ano, a OMS alertou sobre um novo tipo de hepatite, a aguda, que causa inflamação do fígado. Pouco se sabe sobre as causas desse novo tipo de hepatite.

Novas e velhas doenças têm aparecido como surto, especialistas acreditam que algumas das razões se dão por estarmos mais vulneráveis depois da pandemia global da Covid-19. Além disso, apontam também que vivemos as consequências de desequilíbrios ambientais e crise sócio-econômica.

Após estes anos vivendo em isolamento social, nós estamos mudados, nosso corpo está mais vulnerável, a imunidade já não é mais a mesma. Essa nova realidade do mundo pós-pandemia, junto aos fatores que favorecem o surgimento de doenças, são possíveis razões para que vejamos novas doenças ganhando destaque.

Como evitar o surgimento de novas doenças

A ciência é a protagonista no desenvolvimento de pesquisas e elaboração de soluções para evitar o surgimento de novas doenças, mas especialistas acreditam que ela sozinha não basta. Isso porque é necessário um conjunto de políticas públicas que visem a proteção da saúde e do meio ambiente, além de garantir a justiça social, educação da população e envolver todos os cidadãos no debate.

Veja também: Combate à pandemia no Brasil em 2 anos de Covid-19

Desse modo, a vacinação em massa e medicamentos são eficazes no combate das doenças, mas para evitar que surjam é necessário promover segurança alimentar, controle de mosquitos e roedores, desenvolver programas de controle animal, tratamento de água e esgoto das regiões, por exemplo.

Além disso, a rápida identificação dos microrganismos e dos casos suspeitos auxiliam no controle de novos surtos de doenças novas e já conhecidas.

E aí, conseguiu entender o que é a febre maculosa? Deixe suas dúvidas nos comentários!

Referências

GoCache ajuda a servir este conteúdo com mais velocidade e segurança

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe este conteúdo!

ASSINE NOSSO BOLETIM SEMANAL

Seus dados estão protegidos de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

FORTALEÇA A DEMOCRACIA E FIQUE POR DENTRO DE TODOS OS ASSUNTOS SOBRE POLÍTICA!

Conteúdo escrito por:
Faço parte da equipe de conteúdo da Politize!. Cientista social pela UFRRJ, pesquisadora na área de Pensamento Social Brasileiro, carioca e apaixonada pelo carnaval.

Por que o número de casos de febre maculosa tem aumentado?

02 mar. 2024

A Politize! precisa de você. Sua doação será convertida em ações de impacto social positivo para fortalecer a nossa democracia. Seja parte da solução!

Pular para o conteúdo