Guerra de Canudos: o que foi?

Vista panorâmica de Canudos. Conteúdo Guerra de Canudos.

Vista panorâmica de Canudos, 1897. Foto: Flávio de Barros/Acervo do Museu da República.

A Guerra de Canudos foi um confronto entre os moradores da cidade de Canudos e o Exército Brasileiro, no qual mais de 25 mil pessoas foram mortas. A cidade era um vilarejo na Bahia, liderado por Antônio Conselheiro, um líder religioso, e ali moravam seus seguidores.

Mas o que foi de fato a Guerra de Canudos e quais foram as principais causas que deram início a ela? É o que você vai ver agora neste artigo! Para começar, vejamos um pouco mais sobre um de seus protagonistas.

Quem foi Antônio Conselheiro?

Antônio Conselheiro, nascido como Antônio Vicente Mendes Maciel, foi um líder religioso, fundador da cidade de Canudos. Abandonou sua casa e família em 1861, para viajar de povoado em povoado no sertão do Brasil pregando uma vida de devoção, meditação e santidade, ajudando a reformar e pintar igrejas e dando os conselhos pelos quais ficou famoso.

O autor Mário Vargas Llosa conta em seu livro A guerra do fim do mundo que Antônio Conselheiro surpreendia as pessoas nos povoados em que passava com seus hábitos diferentes. Não comia nem bebia até chegar na igreja local e rezar. Dormia no chão, e nos dias seguintes à sua chegada se dedicava em reformar as igrejas e dar seus conselhos.

Ele dava seus conselhos nos fins de tarde nas praças e até no meio da rua. Falava sobre o juízo final e a vida santa, associando os problemas da vida no sertão à chegada do anticristo, e pregando que somente uma vida de santidade e devoção tiraria as pessoas da miséria vivida no sertão e os levaria ao céu depois do apocalipse. Os sertanejos o escutavam e iam de pouco a pouco abandonando suas vidas para seguir Antônio Vicente em suas pregações no Nordeste.

Foi dessa maneira que Antonio Vicente Maciel virou o Antônio Conselheiro, pois as pessoas o chamavam de “o homem que dava conselhos”. Mas a sua trajetória ainda tem alguns pontos importantes, veja a seguir!

Em 1877, houve uma das maiores secas da história do Nordeste do Brasil, que somente no Ceará deixou mais de 100 mil pessoas mortas, vítimas da fome e da sede. Nesta época, enquanto a maioria das pessoas tentava se mudar para o litoral do Nordeste, Conselheiro e seus seguidores continuaram viajando de vila em vila, enterrando os mortos que encontravam e rezando à Deus em cada igreja que passavam.

Com a proclamação da república em 1889, Antônio Conselheiro ficou revoltado pois acreditava na união entre a Igreja e o Estado, e que um Estado sem religião seria uma das obras do Anticristo para dividir as pessoas. Além disso, Conselheiro era contra a arrecadação de impostos que foi colocada em prática a partir da república, pois acreditava que o dízimo era a forma correta de contribuição.

Dessa forma, passou a rasgar e queimar panfletos do Governo por onde passava, e incluiu em seus conselhos uma pregação contra a República, afirmando que esta era o próprio anticristo. Assim, Conselheiro e seus seguidores ficaram conhecidos por serem fanáticos religiosos e monarquistas, representando uma ameaça a República.

Foi nesse período depois da proclamação da República que Conselheiro fundou a cidade de Canudos, e mais problemas começaram a aparecer. Quer saber quais? Continue lendo para descobrir!

Como Canudos foi fundada?

A cidade de Canudos foi fundada em 1893 por Antônio Conselheiro junto com seus seguidores. O local era uma fazenda abandonada que pertencia a um homem chamado Barão de Canabrava. Em meados de 1893, Conselheiro já tinha mais de 10 mil seguidores, que se instalaram de vez em Canudos.

A cidade de Canudos era, como retrata o historiador e escritor Eduardo Bueno uma “Utopia Evangélica”, sendo uma cidade autossustentável, com roças e rebanhos coletivos. Das plantações e dos rebanhos de cabra, Canudos sobreviva de forma independente, vendendo inclusive couro de cabra para os Estados Unidos.

Durante o período da fundação de Canudos, algumas outras tensões surgiram. Primeiro, o Barão de Canabrava reivindicou a propriedade em que Conselheiro havia se instalado com seus seguidores e criado a cidade. Nesse impasse, Conselheiro não devolveu a propriedade nem fez acordos. Depois, o líder religioso se recusou a pagar os impostos cobrados dos municípios pois não concordava com tal prática, alimentando ainda mais a opinião pública de que Conselheiro e seus fiéis eram fanáticos.

As tensões de Canudos e Antônio Conselheiro só vinham aumentando, e o pior estava por vir. Quer saber como começou de fato a Guerra? Continue lendo!

O início da Guerra de Canudos

A Guerra de Canudos começou efetivamente depois que Antônio Conselheiro encomendou um carregamento de madeira de um vendedor em Joazeiro. O vendedor não entregou a madeira, deixando Conselheiro revoltado, pois já havia pagado pela encomenda. Com este clima de tensão, surgiu um boato de que os moradores de Canudos viriam buscar a madeira a força.

Com o boato de que os Conselheiristas viriam buscar a força essa encomenda em Joazeiro, o prefeito da cidade pediu ajuda ao Governo Central para combater os “fanáticos”, como eram conhecidos. O Governo enviou 150 homens comandados pelo Tenente Pires Ferreira para ajudar nesse possível ataque.

O Tenente e seus homens ficaram por vários dias na cidade, e sem sinal dos moradores de Canudos, Pires Ferreira decidiu ir até a cidade com seus soldados para atacá-los. No meio do caminho foram surpreendidos e atacados pelos Conselheiristas, que mataram 10 soldados e deixaram outros 16 feridos.

Como conta Mário Vargas Llosa, os soldados atacados diziam que os Conselheiristas vieram como que em uma procissão, cantando canções evangélicas e rezando, e subitamente atacaram no meio da madrugada.

Quando o boato desse ataque chegou na Capital, na época o Rio de Janeiro, isso foi entendido como uma verdadeira afronta a República, já que Conselheiro e seus seguidores eram assumidamente contra a República. Assim, uma expedição seria novamente comandada à Canudos. Quer saber como foi? Leia a seguir!

Leia também: o que foi a República Velha?

A Segunda Expedição para Canudos

Após o ataque as tropas do Tenente Pires Ferreira, o Governo decidiu responder à afronta que os moradores de Canudos fizeram a República, como foi entendido na época. Para isso, foi convocado o Major Febrônio de Brito.

Em Novembro de 1896, o Major Febrônio partiu para Canudos com cerca de 600 homens e dois canhões Krupp, de fabricação alemã. As tropas chegaram nos arredores de Canudos em janeiro de 1897 com bastante dificuldade para carregar os pesados canhões, com fome e com sede.

Mário Vargas Llosa conta em A Guerra do Fim do Mundo que quando Conselheiro soube que as tropas do Major Febrônio tinham dificuldades, ele teria dito que Deus estava o defendendo, pois já estava matando seus inimigos antes que eles chegassem.

Na noite do dia 17 de Janeiro, os Conselheiristas atacaram as tropas de Febrônio de Brito matando mais de 100 homens e deixando outros diversos feridos. O Major ordenou a retirada das tropas e fugiu, ainda sob ataque dos moradores de Canudos.

A Terceira Expedição para Canudos

Eduardo Bueno conta que com a chegada de mais uma notícia de derrota na capital, a elite local e os políticos estavam bastante apreensivos. A imprensa já vinha acusando Antônio Conselheiro de querer reviver a Monarquia no Brasil, e Canudos era vista cada vez mais como uma ameaça para a República recém proclamada.

Saiba mais: o que é monarquia?

Com essa pressão, o Coronel Moreira César foi convocado para comandar uma terceira expedição para Canudos. Em fevereiro de 1897 ele partiu com 1.200 homens e 6 canhões Krupp rumo à Canudos.

Em meados de Março as tropas do Coronel chegaram nas proximidades de Canudos. Logo no primeiro ataque ordenado por Moreira César, algumas dezenas de homens foram mortos, enfurecendo o Coronel, que ordenou uma investida completa dentro da cidade.

No interior de Canudos, os moradores se esconderam e emboscaram as tropas, matando centenas de homens, incluindo o próprio Coronel Moreira César, que levou um tiro na barriga.

Antonio Conselheiro e seus seguidores vinham vencendo consecutivamente as tropas do Governo, mas sua sorte estava por acabar com a próxima expedição à Canudos, que foi a última. Continue lendo e como acabou a Guerra de Canudos!

A Última Expedição para Canudos

Batalhão da Quarta Expedição da Guerra de Canudos

Batalhão da Quarta Expedição à Canudos, 1897. Foto: Acervo do Exército Brasileiro.

Com mais uma notícia de derrota das tropas do governo, o pânico havia tomado a Capital, levando inclusive a morte de dois editores de jornais no Rio de Janeiro, numa tentativa do Governo de impedir a propagação das notícias sobre Canudos.

Em maio de 1897, o próprio Ministro da Guerra convocou diversos oficiais do Exército para combater de vez Canudos, Antônio Conselheiro e seus fiéis. O General Artur Oscar foi o responsável pelo comando da operação, convocando 5 mil homens e levando 700 toneladas de munições, vários canhões e um enorme canhão chamado de “A Matadeira”, com cerca de três metros de altura.

As tropas chegaram em Junho nas redondezas de Canudos. Durante todo o mês de Junho as tropas de Artur Oscar tentaram fazer pequenas investidas em Canudos, perdendo praticamente todos os confrontos, deixando mais de mil soldados mortos. O General Artur Oscar pediu um reforço ao Governo, que reuniu as pressas 3 mil homens, que chegaram em Canudos em Agosto de 1897.

Com os frequentes ataques dos Conselheiristas e derrotas nas investidas, Artur Oscar decide autorizar o uso do canhão “A Matadeira” que começa a destruir a cidade de Canudos lentamente, começando pela igreja do local. Com a vantagem obtida pelos disparos de canhão, depois de um mês de combate a cidade de Canudos estava praticamente devastada, com milhares de mortos.

Igreja de Canudos depois dos ataques. Conteúdo sobre Guerra de Canudos.

Ruínas da Igreja de Canudos, 1897. Foto: Flávio de Barros/Acervo Museu da República.

No dia 22 de Setembro de 1897, Antônio Conselheiro morreu. Não se sabe a causa da sua morte, mas a maioria dos historiadores defende que teria sido por problemas intestinais. Cerca de 15 dias depois da morte Conselheiro, seus fiéis ainda estavam abatidos com a sua morte, sofrendo com os ataques de canhão e as investidas em massa das tropas do Governo, o que os levou a levantar uma bandeira branca para negociar a rendição de 200 pessoas.

Dois dias depois da rendição, o Exército avançou e tomou de vez a cidade, matando os defensores restantes. A Guerra de Canudos tinha acabado e quase todos os seus 25 mil habitantes tinham sido mortos.

Eduardo Bueno relata que este foi um dos mais sanguinários e ingloriosos episódios do Brasil, que simbolizou uma luta entre duas versões de um mesmo Brasil. De um lado, o Brasil da elite e do outro, o Brasil das mazelas, dos desvalidos e desafortunados, a quem a nação jamais se interessou.

E aí, o que você achou desse episódio da nossa História? Conta pra gente nos comentários!

Publicado em 11 de setembro de 2020.

 

Rusny Rezende Teixeira 

Estudante da Especialização em Social Media na Northwestern University e engajado em temas históricos e políticos. Acredita que conhecimento sobre política e história são uns dos pilares para construir um país melhor.

 

 

REFERÊNCIAS

Eduardo Bueno: Brasil: Uma História. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Editora LeYa, Janeiro de 2013.

Eduardo Bueno: Guerra de Canudos.

Guerra de Canudos pelo fotógrafo Flavio de Barros. Brasiliana Fotográfica, Outubro de 2015.

Mario Vargas Llosa: A guerra do fim do mundo. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

1 responder
  1. Wilson Lima
    Wilson Lima says:

    Muito interessante, uma verdadeira sula, mostrando essa triste realidade de desprezo às minorias.
    Assim como aconteceu com Virgolino Ferreira, muita truculência de um governo estúpido e de um exército totalmente despreparado.

    Responder

Deixe uma resposta

Quer entrar no debate?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *