Navegue por categria

,

Por que desastres naturais acontecem todo ano?

Publicado em:
Compartilhe este conteúdo!

No verão dos trópicos, todo início de ano, geralmente, é marcado por fortes chuvas e, muitas delas, resultam em desastres naturais. De acordo com a pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos, empresa de pesquisa e de inteligência de mercado, de 34 países, o Brasil é o terceiro entre aqueles com o maior número de áreas de risco para desastres naturais.

Para saber mais sobre o que são desastres naturais, por que esses eventos tornam a acontecer nesta época do ano e o que pode ser feito para prevenir este tipo de acontecimento, a Politize! traz este artigo para você.

Veja também nosso vídeo sobre ecocapitalismo!

Desastres naturais são só naturais?

Os desastres naturais, segundo a Defesa Civil no Brasil, podem ser classificados como naturais ou tecnológicos e causam grande impacto na sociedade. O que diferencia uma conceituação da outra é a participação direta, ou não, do ser humano. Além disso, os desastres naturais ocorrem quando eventos físicos resultam em danos significativos à moradia, indivíduos e atividades humanas. 

A partir disso, a Classificação e Codificação Brasileira de Desastres (Cobrade) divide os desastres em grupos e subgrupo, sendo:

  • Naturais: geológicos, hidrológicos, meteorológicos, climatológicos e biológico;
  • Tecnológicos: separados em ocorrências de substâncias radioativas, produtos perigosos, incêndios urbanos, obras civis e transportes de passageiros e cargas não perigosas.

Quanto aos subgrupos dos desastres naturais:

  • Desastres geológicos: terremotos, emanações vulcânicas, movimentos de massa e erosões;
  • Desastres hidrológicos: inundações, enxurradas e alagamentos;
  • Desastres meteorológicos: sistemas de grande escala/escala regional (ciclone ou frentes frias/zonas de convergência), tempestades e temperaturas extremas;
  • Desastres climatológicos: período de seca, que pode ser dividido em estiagem, seca, incêndio florestal e baixa umidade do ar;
  • Desastres biológicos: epidemias e infestações/pragas.

Quanto aos subgrupos dos desastres tecnológicos:

  • Desastres por  substâncias radioativas:desastres siderais com riscos radioativos; aqueles com substâncias e equipamentos radioativos de uso em pesquisas, indústrias e usinas nucleares; aqueles com riscos de intensa poluição ambiental provocada por resíduos radioativos;
  • Desastres por produtos perigosos: aqueles em plantas e distritos industriais, parques e armazenamentos com extravasamento de produtos perigosos; contaminação da água por liberação de produtos químicos nos sistemas de água potável; derramamento de produtos químicos em ambiente lacustre, fluvial, marinho e aquífero;
  • Desastres por conflitos bélicos: liberação de produtos químicos e contaminação como consequência de ações militares;
  • Desastres por transporte de produtos perigosos: seja por transportes rodoviário, ferroviário, aéreo, dutoviário, marítimo ou aquaviário;
  • Desastres por incêndios urbanos: incêndios em plantas e distritos industriais, parques e depósitos; incêndios em aglomerados residenciais; 
  • Desastres por obras civis: colapso de edificações; rompimento/colapso de barragens;
  • Desastres por transporte de passageiros e cargas não perigosas: seja por transportes rodoviário, ferroviário, aéreo, marítimo ou aquaviário.

Veja também: Desastres ambientais no mundo

É a crise climática que tem causado desastres naturais todo ano?

Nos trópicos, desastres ambientais tendem a acontecer no verão, pois o ar fica mais quente e com maior capacidade de armazenar umidade, ou seja, vapor. O que acontece é que com mais calor, mais água evapora da superfície terrestre gerando mais umidade, logo, mais água na atmosfera, favorecendo a formação de nuvens. Esse processo é o que torna o ambiente mais propício a enchentes. Por isso, é comum presenciarmos aumento no volume e na frequência das tempestades no Brasil.

O meteorologista e climatologista, Carlos Nobre, faz um alerta: desastres ambientais, como os que aconteceram no litoral de São Paulo em 2023, tendem a ser cada vez mais frequentes e mais graves

Quanto aos motivos para isso, o meteorologista explica que o aumento da temperatura global está diretamente associado aos desastres no litoral brasileiro. A explicação científica diz que o aumento da frequência associa-se ao aquecimento global. Desde o século 19, a temperatura global já subiu quase cerca de 1,2ºC, o que tem provocado, desde o século passado, eventos extremos em relação a desastres ambientais.

Saiba mais: O que são mudanças climáticas

“Esse é o risco decorrente de nós continuarmos aquecendo o planeta, continuarmos lançando gases de efeito estufa, como dióxido de carbono, metano, óxido nítrico, entre outros. Se continuarmos aumentando, em 2023 teremos o recorde de emissões no planeta, vamos manter o aumento da temperatura e esses fenômenos que vivenciamos hoje serão brincadeira perto do futuro”, diz o pesquisador em entrevista ao Congresso em Foco.

O Brasil teria cerca de 13,5 mil áreas de risco mapeadas onde podem ocorrer desastres naturais, de acordo com o mapeamento feito pelo Sistema Federal de Proteção e Defesa Civil, através do Serviço Geológico do Brasil (SGB/CPRM), responsável por realizar o mapeamento para desastres geológicos e hidrológicos. 

Ainda de acordo com o levantamento, os estados com mais municípios mapeados são:

  • Minas Gerais: 199
  • São Paulo: 117
  • Maranhão: 92
  • Bahia: 90
  • Santa Catarina: 29

O ministro de Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, diz, em entrevista à Record TV, que o Brasil tem cerca de 4 milhões de pessoas vivendo em áreas com altíssimo risco de desastre natural.

Por outro lado, segundo ele, não é somente esperar a catástrofe acontecer, é preciso preparar a sociedade, o sistema econômico e as populações que residem em áreas de risco para enfrentar os efeitos das mudanças climáticas. A prioridade, diz Carlos Nobre, é focar em políticas que tirem essa população residente de áreas de risco.

Além disso, os desastres não ficam somente na conta das chuvas. O geógrafo e documentarista, Adriano Liziero, conta em suas mídias sociais, que a exploração do território tem responsabilidade na ausência de prevenção desses riscos. Ainda há outro apontamento: o aumento de práticas como o desmatamento tem agravado ainda mais a situação. 

“O desastre é anunciado na paisagem. As casas de veraneio no litoral norte de São Paulo empurram a mão de obra do turismo para a Serra do Mar, um local íngreme, de risco, onde ninguém deveria morar.”

Imagem: geopanoramas
Imagem: geopanoramas

Dessa forma, o geógrafo acredita que a recorrência dos acontecimentos já aponta a necessidade de políticas públicas voltadas a solucionar a falta de acesso à moradia digna e mais atenção frente aos avisos dos monitoramentos públicos.

Quem são os mais afetados pelos desastres naturais

A falta de recursos naturais, os desastres naturais e fenômenos climáticos impactam grupos e classes sociais de formas diferentes. Grupos marginalizados frequentemente são aqueles que vivem em áreas mais afetadas por poluição, logo, são afetados por impactos ambientais de forma proporcional. Geralmente, estes são locais onde existe risco iminente de desmoronamento, água contaminada e ar com qualidade ruim.

A falta de preparo para lidar com estas catástrofes naturais faz com que as perdas sejam ainda mais severas. Portanto, o geógrafo Adriano Liziero, diz em suas mídias sociais que é preciso investir em ações preventivas para diminuir os custos em termos humanos, materiais e financeiros.

Este fenômeno já foi nomeado em 1981, chamado de racismo ambiental, pelo Dr. Benjamin Franklin Chavis Jr., líder afro-americano da luta pelos direitos civis nos Estados Unidos. O conceito surgiu devido às investigações sobre a relação entre as irregularidades ambientais e a população negra estadunidense, na ocasião.

O que pode ser feito para prevenir

Desenvolver políticas públicas é essencial para que se evite catástrofes futuras por eventos naturais, porém este é um grande desafio para um país em desenvolvimento, como o Brasil, pois demanda medidas preventivas de níveis estruturais e não estruturais

Medidas estruturais seriam obras de engenharia complexas — como construção de barragens, alargamento de rios — e que são caras, já as medidas não estruturais são aquelas que envolvem ações de planejamento e gerenciamento, como criação de sistemas de alerta e zoneamento ambiental.

Segundo o meteorologista Carlos Nobre, no longo prazo, a prioridade é retirar as milhões de pessoas que residem, hoje, em áreas de risco, sobretudo, aquelas que vivem em regiões em que não existe solução da engenharia para reverter a situação, em que a única solução é retirá-las dali. No curto e médio prazo, o climatólogo diz que será preciso aperfeiçoar os sistemas de alerta, que já tem atuado dentro das expectativas, mas que pode melhorar.

Para ele, com essas medidas sendo adotadas e com uma Defesa Civil preparada, o número de mortos tende a diminuir.

Além disso, o climatólogo ressalta ainda que seria  preciso treinar e capacitar a população para que os próprios residentes saibam como agir em situações de risco. Carlos Nobre cita o caso do Japão, onde há um sistema de educação voltado para a capacitação em casos de desastres naturais, no qual os cidadãos aprendem, desde a infância, a lidar com todo tipo de desastre natural, como terremoto, por exemplo.

Há projetos em trâmite que prevêem recursos para ações de prevenção e combate a desastres naturais, o PLP 146/2021, PLP 257/2019 e PLS 227/2011. O Senado já tem discutido propostas para prevenir e, até mesmo, diminuir os danos provocados pelas chuvas de verão.

Casos de desastres naturais marcantes no Brasil

Dentre os inúmeros casos de desastres ambientais, a Politize! separou os acontecimentos mais marcantes nos últimos anos no território brasileiro.

Vazamento de óleo na Baía de Guanabara (2000)

Ocorreu no Rio de Janeiro, na Baía de Guanabara, em janeiro de 2000. Esse foi considerado um dos maiores acidentes ambientais do Brasil, cerca de 1,3 milhão de litros de óleo combustível vazou pela Baía e atingiu 25 praias, além de afetar diretamente o ecossistema e o trabalho de famílias que viviam da pesca. O acidente se deu devido ao rompimento de um duto da Petrobras.

Mariana (2015)

Em novembro de 2015, a barragem do Fundão, em Mariana (MG), rompeu, espalhando mais de 50 milhões de metros cúbicos de lama pela bacia hidrográfica do Rio Doce. O acidente alterou a vida de cerca de 500 mil pessoas de mais de 40 cidades entre Minas Gerais e Espírito Santo, atingidas pelo vazamento, além de causar a morte de 19 pessoas.

A estrutura da barragem que se rompeu era operada pela mineradora Samarco, que faz parte da Vale.

Incêndio na Chapada dos Veadeiros (2017)

Outubro de 2017 ficou marcado pelo incêndio na região da Chapada dos Veadeiros (GO) que durou duas semanas. Cerca de 75 mil hectares foram destruídos pelas chamas. A região, na época, passava por uma grave crise hídrica, o que teria contribuído para o incêndio.

Por conta das fumaças, diversas pessoas tiveram problemas respiratórios, além disso, moradores das redondezas tiveram suas casas impactadas pelo fogo, pois registrou-se queimação em instalações, pomares, produções, além do risco de vida que essa população sofreu.

Brumadinho (2019)

Em janeiro de 2019, houve o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Neste acidente, cerca de 270 pessoas morreram e 10 permaneceram desaparecidas. O caso aconteceu devido ao lançamento de resíduos de mineração diretamente nas águas do Rio Paraopeba pela empresa Vale. Os impactos foram permanentes, o relatório da Fundação SOS Mata Atlântica revela que os indicadores de qualidade mostram que a água está imprópria para uso pelos 356km de rio percorridos.

Incêndio no Pantanal (2020)

Em outubro de 2020, cerca de 28% do Pantanal foi destruído pelo incêndio que atingiu a região. O local atingido corresponde a mais de sete vezes o tamanho do Distrito Federal. A fauna e a flora da região foram diretamente impactadas, além disso, as comunidades tradicionais do bioma também foram atingidas, sendo detectadas 687 famílias quilombolas, 1.456 indígenas e 221 pantaneiras, de acordo com dados do Instituto Centro de Vida (ICV) e do Centro Cultural Casa das Pretas.

Litorais Norte de São Paulo (2023)

O litoral norte de São Paulo foi atingido por fortes chuvas em fevereiro de 2023, a somatória registrou mortes e inúmeros desalojados e desabrigados, de acordo com as prefeituras locais e a Defesa Civil do Estado de São Paulo.

Foram registrados como resultado da chuva: alagamento, deslizamento, soterramento de casas, corte no abastecimento de água e interdições em rodovias e estradas. Nas cidades atingidas pelas chuvas foi decretado estado de calamidade pública, sendo São Sebastião, Caraguatatuba, Ubatuba, Ilhabela e Bertioga as mais afetadas.

E aí, ainda tem dúvidas sobre os motivos dos desastres ambientais acontecerem todos os anos? Conta para a gente nos comentários!

Referências:

GoCache ajuda a servir este conteúdo com mais velocidade e segurança

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe este conteúdo!

ASSINE NOSSO BOLETIM SEMANAL

Seus dados estão protegidos de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

FORTALEÇA A DEMOCRACIA E FIQUE POR DENTRO DE TODOS OS ASSUNTOS SOBRE POLÍTICA!

Conteúdo escrito por:
Faço parte da equipe de conteúdo da Politize!. Cientista social pela UFRRJ, pesquisadora na área de Pensamento Social Brasileiro, carioca e apaixonada pelo carnaval.

Por que desastres naturais acontecem todo ano?

14 jun. 2024

A Politize! precisa de você. Sua doação será convertida em ações de impacto social positivo para fortalecer a nossa democracia. Seja parte da solução!

Pular para o conteúdo