Navegue por categria

O que são coligações partidárias?

Publicado em:
Compartilhe este conteúdo!
coligações partidárias
As coligações são uma forma de partidos unirem forças para alcançar objetivos eleitorais comuns

No sistema político brasileiro, fazer alianças partidárias (as então chamadas coligações) é muito importante para os partidos. Em um sistema fragmentado, com dezenas de partidos diferentes, apenas com acordos entre partidos é possível ganhar terreno na política. 

Isto já existe nas eleições, quando partidos criam alianças entre si para aumentar as chances de resultados positivos nas urnas.

Vamos entender melhor por que essas coligações existem, quais suas vantagens e como elas se formam?

Veja também: O que são Federações Partidárias?

Por que os partidos formam coligações?

As coligações são uma forma de partidos unirem forças para alcançar objetivos eleitorais comuns. É comum que partidos maiores e com lideranças expressivas consigam lançar candidatos fortes para cargos do Poder Executivo (prefeito, por exemplo).

Normalmente, esses partidos possuem líderes mais conhecidos e aprovados pela população. Esses partidos também costumam eleger muitos candidatos para todos os cargos eletivos.

Mas esse capital político pode não ser suficiente para derrotar seus adversários, que muitas vezes têm apoio popular semelhante. Esses adversários são de partidos rivais, que expõem ideias divergentes sobre vários temas importantes.

Assim, um partido precisa se articular com outros menores, que não tenham condições de vencer as eleições. Isto também é feito para alcançar acordos que beneficiem mutuamente a todos. Se um partido menor não consegue disputar um cargo no Executivo, é provável que ele apoie um partido maior.

Estes partidos geralmente possuem afinidade de objetivos e acabam recebendo vantagens, como cadeiras no Legislativo e promessas de cargos. Somar forças, então, beneficia a todos os envolvidos.

Como funcionam as coligações partidárias no Brasil?

Eleições majoritárias e proporcionais

As coligações para as eleições proporcionais foram extintas a partir do pleito de 2020. Vamos falar disso mais adiante no texto. Mas vamos entender como isso funcionava antes da Reforma Eleitoral de 2017, que extinguiu as coligações.

Existe bastante liberdade quanto às formas como os partidos podem se coligar. Por exemplo: um partido pode compor uma coligação partidária para as eleições majoritárias (presidente, governadores, senadores e prefeitos), outra para as eleições proporcionais, quando era permitido, (deputados estaduais, federais e vereadores) – ou optar por uma coligação para ambas.

Por isso, é muito comum ver partidos que apoiam um candidato a prefeito, mas lançam candidatos a vereador por conta própria, sem entrar em nenhuma coligação partidária.

A única proibição significativa é a seguinte: partidos adversários em uma das coligações (seja majoritária, seja proporcional) não podem ser aliados dentro da outra coligação. Dessa forma, o máximo que pode acontecer é a coligação maior ser fragmentada, nunca misturada com as demais.

Eleições federais, estaduais e municipais

Também é permitido – e comum – que partidos coligados nas eleições a presidente sejam adversários nas disputas estaduais e/ou municipais. Segundo pesquisas acadêmicas, as coligações das eleições municipais tendem a seguir a disputa política interna de cada estado.

Os partidos normalmente apoiam candidatos que pertençam ou ao grupo político do governador, ou a grupos de oposição.

Desse modo, a lógica de formação de coligação nos municípios pode ser totalmente distinta daquela de uma eleição presidencial. Um exemplo claro: o PSDB apoiou 188 candidatos a prefeito do PT em 2012 no Brasil inteiro. O PT, por sua vez, declarou apoio a 155 candidatos tucanos.

A imagem a seguir mostra algumas coligações nas eleições municipais de São Paulo em 2012 em comparação com as das eleições gerais de 2014.

Quais as vantagens de formar coligações partidárias?

Todos os partidos políticos possuem recursos que podem ser úteis às eleições. Veja alguns deles:

Tempo de propaganda eleitoral

Pode soar estranho, já que nem todo mundo assiste à propaganda eleitoral gratuita, mas aqueles minutos na telinha são preciosos. Quanto mais tempo um candidato aparece na TV, maior a chance de o eleitorado se lembrar dele e conhecer suas propostas, o que aumenta suas chances de vitória. E quanto mais partidos em uma coligação, mais tempo de televisão ficará disponível para os candidatos.

O tempo exato disponível para cada partido na TV é determinado pelo tamanho da bancada na Câmara dos Deputados. Foi dessa forma que em 2014, a candidata à presidência Dilma Rousseff, do PT, conseguiu uma grande vantagem de tempo de TV sobre o seu principal adversário, Aécio Neves, do PSDB. 

O PT de Dilma formou uma coligação de nove partidos, muitos com razoável ou grande número de deputados, como o PMDB, o PDT, o PP, o PSD e o PR.

Isso garantiu a ela 11 minutos e 24 segundos de tempo por programa de televisão. Já Aécio e o PSDB, mesmo com igual número de partidos na coligação, não tinham muitos aliados de peso (destaque para DEM e PTB), e conseguiram apenas 4 minutos e 53 segundos de exposição a cada programa na TV.

Assista ao nosso vídeo sobre o tema

Militantes e transferência de votos

Cada partido possui filiados que podem fazer campanha em prol de um candidato. Essas pessoas, que são denominadas de cabos eleitorais agem no intuito não só de angariar votos, como também, conseguir mais integrantes para se filiarem ao partido político para o qual atuam. Além disso, os cabos eleitorais podem ser alocados para apoiar o(s) candidato(s) de um partido coligado.

As lideranças de partidos coligados, por possuírem grande poder de influência, conseguem, ainda, incitar um fenômeno no eleitorado, conhecido como “transferência de voto”. Assim, ao declararem apoio a determinado candidato da coligação, influenciam na decisão de voto dos eleitores.

Vagas no Legislativo

No caso das eleições para vereador, entra em jogo mais um fator muito importante. As coligações dos partidos influenciam no cálculo do famoso quociente eleitoral. Se um partido lança uma candidatura sozinho, sem nenhuma coligação, terá de contar apenas os seus votos para conseguir cadeiras na Câmara dos Deputados (ou de Vereadores ou Assembleia Estadual).

Caso o partido seja de uma coligação, ele conta, além dos votos destinados ao partido, com os destinados aos coligados. Isso porque, para fins de contagem de votos recebidos, a coligação é vista como um único partido.

Isso aumenta a probabilidade da coligação conseguir cadeiras para seus candidatos, aumentando as chances de pequenos partidos estarem no Legislativo.

Veja um exemplo clássico de como as coligações beneficiam os partidos nas eleições proporcionais. Em 2010, o comediante Tiririca (PR-SP) foi eleito com 1,35 milhão de votos, quantidade muito superior ao quociente eleitoral em São Paulo naquele ano (cerca de 304 mil votos). Com os votos de Tiririca, foram garantidas à sua coligação 4 cadeiras na Câmara Federal.

Ou seja, os quatro candidatos mais votados da coligação foram eleitos. Acompanharam Tiririca os candidatos Otoniel Lima (PRB), Vanderlei Siraque (PT) e Protógenes Queiroz (PC do B). Nenhum deles era do mesmo partido de Tiririca, mas estavam todos juntos na mesma coligação. 

Somando a votação desses três candidatos – cada um teve pouco mais de 90 mil votos – eles não alcançariam sequer uma cadeira de deputado federal. Contudo, por estarem coligados, os votos do Tiririca ajudaram a elegê-los.

Fim das coligações para eleições proporcionais

As coligações eleitorais são vistas como parte de um ciclo vicioso de corrupção na política brasileira. As alianças feitas nas eleições geralmente baseiam-se em promessas, que devem ser cumpridas, caso a coligação consiga eleger seu candidato. 

O apoio ao vitorioso precisa ser compensado, normalmente ocorrendo por indicações para cargos em secretarias, ministérios, ou empresas públicas. Essas alianças que se sustentam apenas porque os partidos coligados querem ter controle de parte do aparelho estatal são chamadas de fisiológicas e, portanto, prejudiciais para a nossa política.

Com a reforma eleitoral de 2017, as coligações proporcionais para deputados e vereadores foram retiradas das eleições a partir de 2020, justamente para evitar esse desmanche após as eleições, uma vez que ao findar o período eleitoral, as coligações se desfaziam, e tentar reduzir o grande número de legendas. Porém, as coligações ainda são válidas para eleições majoritárias, ou seja, para presidente, governador e prefeito.

Se por um lado saem as coligações, do outro entram as federações. Criadas em 2021, nada mais são do que alianças feitas com base em ideologias semelhantes. Contudo, a união deve permanecer pelos próximos quatro anos, ou a legenda perde o Fundo Partidário e também tempo na TV.

E então, conseguiu entender, de fato, o que são as coligações partidárias? Deixe suas dúvidas e sugestões nos comentários!

Referências:

GoCache ajuda a servir este conteúdo com mais velocidade e segurança

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe este conteúdo!

ASSINE NOSSO BOLETIM SEMANAL

Seus dados estão protegidos de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

FORTALEÇA A DEMOCRACIA E FIQUE POR DENTRO DE TODOS OS ASSUNTOS SOBRE POLÍTICA!

Conteúdo escrito por:
Bacharel em Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

O que são coligações partidárias?

20 jun. 2024

A Politize! precisa de você. Sua doação será convertida em ações de impacto social positivo para fortalecer a nossa democracia. Seja parte da solução!

Pular para o conteúdo