Escreva aqui o que você tem interesse em aprender e veremos o que podemos encontrar:

Assine a nossa newsletter

Seus dados estão protegidos de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

Apoie a democracia e receba conteúdos de educação política

Publicado em:

Atualizado em:

Busto de Zumbi dos Palmares, em Brasília. Imagem: Agência Brasil/ Reprodução.
Busto de Zumbi dos Palmares, em Brasília. Imagem: Elza Fiúza/ABr/ Agência Brasil.

Estudar sobre nossos antepassados e nossa história é essencial para o nosso futuro e para sabermos aonde estamos indo. No texto, você irá aprender quem foi o herói nacional, também conhecido com Zumbi dos Palmares, e quais foram seus feitos para nossa história enquanto povo e sociedade. Vamos lá!

Processo de escravidão: escravos africanos e a Coroa Portuguesa

Você já deve ter ouvido a palavra “escravos” alguma vez na sua vida. E quilombos? A palavra escravos” vem do latim, sendo denominada como “sclavus”, cujo seu significado é “pessoa que é propriedade de outra” e de “slavus” que pode ser chamado também de “eslavos”, pois na região dos Balcãs – onde hoje se localiza Albânia, Grécia, Romênia…- , os eslavos – povos descendentes de europeus – se vendiam uns aos outros por fatores de conflitos religiosos e territorialidade, caracterizando-se como processo de escravidão.

Na verdade, o processo de escravidão, que é tão conhecido no continente africano, já existia muito antes dos europeus se envolverem. Entretanto, tal processo era feito entre grupos e etnias locais, que disputavam sob algum fator conflituoso, seja território, poder, religião, assim como faziam os povos brancos europeus desde a Idade Antiga, como por exemplo, no Império Romano.

Os portugueses, no auge de seu processo de expansão e busca por especiarias nas Américas, viram a oportunidade de utilizar a mão de obra dos escravos – tradição já utilizada por vários povos – , e começaram a comprar um grande contingente de africanos para serem escravizados na Europa, principalmente, em Portugal.

Veja também nosso vídeo sobre o “descobrimento” do Brasil!

É importante frisar que o meio de escravidão do período colonial português, hoje conhecido e baseado no modelo capitalista/ mercantilista, é totalmente diferente do meio de escravidão da antiguidade, pois o mesmo era formado por outras vertentes e funcionalidades.

A escravidão negra, que também pode ser chamada como escravidão moderna, iniciou-se com o tráfico africano no século XV (lê-se quinze) e com a iniciativa de Portugal e sua sede por poder e expansão comercial e econômica.

Leia também: Descobrimento do Brasil: descoberto ou invadido?

Antes de Zumbi dos Palmares, entenda a chegada dos africanos no Brasil

Os portugueses mantinham uma rede de produção de engenho de açúcar em suas ilhas Madeira e São Tomé, e, logo em seguida, começaram a construção de engenhos em terras brasileiras. Entretanto, havia um grande empecilho nesse processo, a mão de obra.

Com a falta de mão de obra, a escassez de recursos para montar os novos engenhos e a pressão da igreja para acabar com a escravização de indígenas, os portugueses decidiram atrelar o tráfico negreiro entre o continente africano e o Brasil, tornando possível a produção de açúcar e o sucesso da economia europeia.

“(…) Na década seguinte, em resposta à pressão dos jesuítas, a Coroa portuguesa promulgou leis que coibiam de forma parcial a escravização de índios. Ao mesmo tempo, os portugueses aprimoraram o funcionamento do tráfico negreiro transatlântico, sobretudo após a conquista definitiva de Angola em fins do século XVI. Os números do tráfico bem o demonstram: entre 1576 e 1600, desembarcaram em portos brasileiros cerca de 40 mil africanos escravizados; no quarto de século seguinte (1601-1625), esse volume mais que triplicou, passando para cerca de 150 mil os africanos aportados como escravos na América portuguesa, a maior parte deles destinada a trabalhos em canaviais e engenhos de açúcar…” (CF. SCHWARTZ, Stuart, pág 46, 1550-1835.)

O que são quilombos e o que foi o Quilombo dos Palmares?

Com o grande número de escravizados chegando ao Brasil, os africanos começaram uma onda de resistência e rebelião contra o sistema escravista colonial. Quilombo ou mocambo são regiões onde escravos fugidos se abrigavam e conseguiam manter – de certa forma- sua cultura e memória.

“Ali, africanos de diferentes grupos étnicos administraram suas diferenças e forjaram novos laços de solidariedade, recriaram culturas” (REIS, J João, 1995/96, p.16)

Um dos principais e famosos quilombos já existentes, foi o quilombo dos Palmares, localizado na Serra da Barriga, antiga capitania de Pernambuco. Contando com uma grande organização política e militar, Palmares era liderado por Zumbi, Ganga Zumba e outros escravos fugidos.

Leia também: Os direitos dos quilombolas no Brasil

Zumbi, a construção do herói brasileiro

Zumbi, também conhecido como Zumbi dos Palmares, foi líder de um dos maiores quilombos brasileiros durante o período colonial. Nasceu em 1655 na região da Serra da Barriga – antiga capitania de Pernambuco- e morreu no dia 20 de novembro de 1695 (também conhecido como Dia da Consciência Negra) após ter sido delatado por um dos seus, tendo sua cabeça cortada, salgada e colocada em praça pública.

Zumbi era neto de Aqualtune, princesa congolesa, levada ao Brasil como escrava, que fugiu para um mocambo e que, após descobrirem sua ascendência, se tornou umas das líderes do mocambo. A princesa congolesa teve três filhos, sendo um deles Zumba, que logo após viria se tornar líder do quilombo de Palmares e tomaria o título de Ganga Zumba.

Após muitos anos de liderança e conflitos, em 1678, Ganga Zumba aceitou um acordo com o Governador da capitania de Pernambuco, no qual o governo pernambucano reconhecia a liberdade de todos os negros nascidos em Palmares.

Entretanto, tal acordo foi mal visto pela maioria dos integrantes do quilombo, inclusive por Zumbi, fazendo com que houvesse uma disputa interna e tendo como resultado a morte de Ganga Zumba por envenenamento.

Zumbi então tornou-se o novo líder de Palmares e o sustentou por mais de 17 anos, até que em 20 de novembro de 1695, após o ataque de bandeirantes, foi assassinado.

Veja também nosso vídeo sobre o Dia da Consciência Negra!

Dia da consciência negra: símbolo de resistência negra

O dia da morte de Zumbi dos Palmares tornou-se uma data de reflexão, simbolismo e luta em memória dos negros escravizados, assim como a valorização e reconhecimento de valores sociais e culturais da história negra brasileira.

O Dia da Consciência Negra foi criado em 2003 e instituído oficialmente em 2011, pela Lei 12.519, e declarado em mais de mil municípios brasileiros. Além disso, o feriado traz à tona pautas extremamente importantes como: racismo, relações raciais, desigualdade.

E aí, você já sabia o significado do dia 20 de novembro? Já conhecia a história de Zumbi dos Palmares? Ah, também queremos saber o que podemos fazer diariamente para ajudar no movimento antirracista. Deixe nos comentários!

Referências:

Maria Maurell

Olá! Me chamo Maria, tenho 17 anos, carioca e – no momento vestibulanda para área das Ciências sociais. Sou apaixonada por conhecimento e educação. Me interesso demais pelo o estudo de pautas sociais e movimentos voltados para grupos minorizados. Sou entusiasta por livros e amo um cházinho hahaha…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Conteúdos relacionados

últimos vídeos:

Nossa sede é em Florianópolis, mas estamos em muitos lugares!
Passe o mouse e descubra:

Nossa sede é em Florianópolis, mas estamos em muitos lugares!
Clique abaixo e descubra: