Reeleição: proibir ou manter?

Você sabia que a eleição tem sido discutida na reforma política?

Este é o décimo texto de uma trilha de conteúdos sobre reforma política. Confira os demais posts: #1#2 #3#4#5 – #6 – #7#8#9#10#11 – #12

Ao terminar de ler este conteúdo você terá concluído 83% desta trilha

Continuando as discussões em nossa trilha de reforma política, hoje vamos falar sobre outro assunto muito importante em discussão no Congresso: a reeleição. Desde 1997, presidentes, governadores e prefeitos podem concorrer a um segundo mandato seguido em seus respectivos cargos, se assim desejarem. No caso dos mandatos para deputado ou senador, não há limites: o político pode tentar se reeleger quantas vezes quiser.

Em 2016 a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado havia aprovado o fim da reeleição para os cargos do Executivo, através da PEC 113A/2015, mas a medida ainda precisa ser aprovada em PlenárioJá na Câmara, o fim da reeleição foi debatido em uma Comissão Especial para discussão da PEC 77/2003, mas rejeitado em setembro de 2017. A PEC atingiu 205 votos favoráveis, mas para ser aprovada precisava de pelo menos 308 votos, o equivalente a ⅗ do Plenário.

Já mostramos as três propostas de alteração nos mandatos políticos no texto anterior desta trilha. Mas, então, por que motivos essa proibição está sendo discutida?

Por que a reeleição existe?

Vamos começar pelo começo: por que existe a reeleição. A ideia de permitir que políticos que já tenham se elegido continuem em seus cargos não é unanimidade entre países que adotam o sistema presidencialista, como o Brasil. Alguns países que adotam a reeleição para o presidente são os Estados Unidos, a Alemanha, a França, o Peru, a Argentina e a Venezuela.

A reeleição é tida como uma forma de recompensar bons governantes, oferecendo-lhes uma chance de continuar seus projetos. Como os mandatos no sistema presidencialista são curtos, a reeleição possibilita que bons projetos tenham vida prolongada e, assim, maiores chances de serem efetivamente implementados.

… então por que mudar?

A reeleição para os cargos do Executivo tem sido alvo de muitas críticas. A principal delas é  que, ao final de seus primeiros mandatos, chefes do Executivo tendem a abusar da máquina pública para favorecê-los em campanhas de reeleição. Assim, esses governantes têm incentivos para tomar medidas de curto prazo com fins meramente eleitoreiros.

Outro argumento contra é que ela pode ser vista como uma forma de “sabotagem” de um sistema democrático, que tem como um de seus principais pilares a alternância de poder.

Ainda tem a crítica de que um candidato que deseja ser reeleito tem uma vantagem injusta sobre os demais candidatos, já que ele tende a ser mais conhecido que seus concorrentes, sendo inclusive tratado de maneira diferenciada pela imprensa, que tende a dar mais peso às suas falas do que às de seus oponentes.

…mas dá para deixar como está?

Os favoráveis à reeleição contra-argumentam que os incentivos eleitoreiros não acabariam com o fim da reeleição. Políticos bem sucedidos que tenham conseguido se reeleger em seus cargos costumam, ao final do segundo mandato, apontar um sucessor próximo a eles, como vices de seus mandatos, e muitas vezes conseguem elegê-los. Nada impede que o façam a mesma coisa no fim do primeiro mandato. Assim, o fim da reeleição não conseguiria atacar efetivamente o problema que se propõe a atacar.

Além disso, um político eleito que sabe que não poderá concorrer novamente ao cargo terá incentivos para ser impopular e displicente em seu mandato, aumentando a chance de corrupção e de medidas contrárias à vontade popular.

Falando em vontade popular, outro argumento favorável à reeleição é que, se a maioria gostaria de ver um governante reeleito, então por que impedir que isso aconteça? A reeleição seria, nesse sentido, democrática.

O que fazer então?

Como quase todos debates em política, a discussão em torno da reeleição tende a se polarizar, já que proibi-la ou mantê-la teria igualmente efeitos bons e ruins. Cabe a cada um identificar os valores que defende politicamente e entender qual a opção que mais se adequa a esses valores e à política brasileira no seu contexto atual.

Que tal baixar esse infográfico em alta resolução?

E você? É a favor ou contra a reeleição? Deixe sua opinião nos comentários!

Só mais um! Você está chegando ao final da trilha da reforma política:

Post 12: Reforma política – outras propostas

Publicado em 27 de junho de 2015. Última atualização em 08 de janeiro de 2018.
crowdfunding

Bruno André Blume

Bacharel em Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e editor de conteúdo do portal Politize!.