O que é intolerância religiosa?

Intolerância é a incapacidade em aceitar o que é diferente, é não tolerar opiniões ou práticas que se diferem das suas e muitas vezes são seguidas de atitudes preconceituosas e até mesmo violentas. O Politize! já explicou o que é intolerância, e nesse texto vamos falar um pouquinho mais sobre a intolerância religiosa.

Tenda Espírita Vovó Maria Conga de Aruanda, no Estácio, que foi a primeira instituição cadastrada no mapa de terreiros de Umbanda da cidade do Rio de Janeiro.

Foto: Tânia Rego / Agência Brasil

intolerância religiosa

Você provavelmente já ouviu falar em casos de preconceito e discriminação de pessoas por conta de sua opção religiosa, não é mesmo? Esse fenômeno acontece no mundo todo e está presente em quase todos os momentos da história. A religião, como você deve saber, já foi e ainda é motivação para guerras e conflitos. A intolerância religiosa atinge todas as crenças, mas a perseguição a determinadas religiões é mais ou menos intensa conforme a região e a época.

Religiões

Antes de mais nada, vamos conhecer quais são as principais religiões do mundo e quais delas são as mais praticadas no Brasil.

No mundo

A religião de maiores adeptos no mundo ainda é o cristianismo, que representa 31,2% da população mundial segundo dados da Pewreasearch. Em segundo lugar está o islamismo com 24,1% de adeptos e o terceiro maior grupo de pessoas é representado por aqueles que não possuem nenhuma religião, seguidos por hindus e budistas.

No Brasil

No Brasil, segundo dados do Censo de 2010, 64,6 % da população era católica, seguidos de 22,2 % de evangélicos. Assim como no mundo, o terceiro maior grupo no Brasil é representado por aqueles que não têm religião. Em seguida estão “outras religiões”, o espiritismo, a umbanda e o candomblé.

Papa Francisco com fiéis no Vaticano, no dia da canonização do Papa Paulo VI

Foto: Fotos Públicas/Mazur

intolerância religiosa na história

A história da intolerância religiosa é uma história de séculos. No Império Romano os católicos foram perseguidos. Na Idade Média, católicos perseguiram judeus e pagãos. No Brasil, os portugueses não aceitavam as crenças religiosas dos índios e os catequizaram e no período da escravidão, proibiam os negros de cultuar seus deuses. Esses são apenas alguns exemplos.

Segundo o professor Antonio Ozaí da Silva, a raíz da intolerância está na transição das religiões politeístas para as religiões monoteístas. Isso porque, ao reconhecer a existência de um Deus único, as religiões deixam de aceitar a existência de outros deuses – não se pode haver concorrência. É daí que surge a ideia de guerra santa, isto é, a realização de conflitos para afirmar a concepção de um Deus.

Para o professor, a intolerância é resultado do medo e insegurança e da necessidade do ser humano em possuir certezas, e conclui que ela é alimentada por grupos de poder e interesses. Por isso, para entender a intolerância a determinadas crenças, é necessário uma interpretação completa do contexto social, político e econômico.

Intolerância religiosa no Brasil

O artigo 5º da nossa Constituição atual prevê que “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias”. Mas nem sempre foi assim. A Constituição de 1824, por exemplo, declarou oficial a religião católica no país e proibiu a realização de cultos públicos de outras religiões.

A partir da Constituição de 1891 houve a separação oficial dos assuntos religiosos e do Estado, ou seja, o país passou a ser laico. Isso significa que não é permitida a interferência de assuntos religiosos na atuação do Estado. A Constituição atual, além de manter a determinação de que o Estado é laico, garante a liberdade religiosa.

Para saber mais: estado laico: o que é?  

Apesar de nossas leis determinarem a liberdade religiosa, exercer uma fé pode não ser tão livre assim no Brasil. Considerada crime de ódio, manifestações de intolerância religiosa são comuns no país e ferem tanto a Constituição quanto a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Segundo o Disque 100 do Ministério dos Direitos Humanos, há em média, uma denúncia de intolerância religiosa a cada 15 horas no Brasil. Acredita-se que esse número seja maior, pois muitas ocorrências não são denunciadas.

Segundo dados da Secretaria Especial de Direitos Humanos, de 2011 a 2014 foram feitas 504 denúncias de intolerância religiosa. As religiões mais atacadas foram as de matriz africana, umbanda e candomblé, em segundo lugar estão religiões evangélicas, e em terceiro, espíritas.

Intolerância religiosa no mundo

É difícil encontrar um país onde não haja intolerância religiosa ou extremismo por parte de praticantes de alguma religião. A crença de que uma religião é legítima e deve se sobrepor à outras está relacionada à ideia de fundamentalismo religioso. Segundo Alex Kiefer, o fundamentalismo é resultado de uma interpretação equivocada que os fiéis fazem dos livros sagrados de sua religião. Hoje fala-se muito do fundamentalismo islâmico, que está associado a casos de violência e até terrorismo, mas a perseguição religiosa não é uma prática restrita a uma ou outra religião.

Leia também:  A confusão entre o islamismo e o terrorismo

Em Myanmar, país vizinho da China e Tailândia, por exemplo, está acontecendo um genocídio já denunciado pela ONU de uma minoria muçulmana que vive na região, chamada rohingya. No Tibet, há um conflito entre os budistas e o Partido Comunista Chinês, que matou milhares de tibetanos e causou a destruição de diversos templos. No Sudão há uma guerra civil há décadas, que dentre outras motivações, está relacionada à divisão entre muçulmanos e não muçulmanos. E no Iraque, os conflitos entre as correntes sunitas e xiitas da religião islâmica já foram responsáveis por milhares de mortes. Também existem casos de preconceito ou proibição à práticas de determinadas religiões, como aconteceu com as mulheres islâmicas, que foram proibidas de usar o véu em alguns países da Europa.

A busca pela tolerância religiosa

A religião, que teria como propósito principal a solidariedade, a união, a paz e o respeito ao próximo, tornou-se motivo de conflitos e intolerâncias, o que podemos ver com frequência em noticiários. Nesse tópico, vamos mostrar para você algumas mensagens de livros sagrados ou profetas/lideranças de algumas religiões, nas quais demonstram a vontade pelo uso pacífico da religião. Todas essas frases foram retiradas da cartilha “Diversidade Religiosa e Direitos Humanos” da Secretaria Especial dos Direitos Humanos:

  • Judaísmo

Em cada indivíduo, em cada povo, em cada cultura, em cada credo, existe algo que é relevante para os demais, por mais diferentes que sejam entre si. Enquanto cada grupo pretender ser o dono exclusivo da verdade, o ideal da fraternidade universal permanecerá inatingível.

  • Mahatma Gandhi

A regra de ouro consiste em sermos amigos do mundo e em considerarmos toda a família humana como uma só família. Quem faz distinção entre os fiéis da própria religião e os de outra, deseduca os membros da sua religião e abre caminho para o abandono, a irreligião.

  • Maomé

Se eles se inclinam à Paz, inclina-te tu também a ela e encomenda-te a Deus…

  • Allan Kardec

Toda crença é respeitável, quando sincera e conducente à prática do bem.

  • Hinduísmo

A meta última da religião é o amor. Todas as religiões e crenças são conseqüentemente válidas, e sua aceitação tem de ser baseada na liberdade e numa opção consciente e espontânea. De outra forma, a religião não teria como meta o amor.

  • Religiões Afro-brasileiras

Prevenir a intolerância é assumir que nenhuma verdade é única. É reconhecer que o outro tem livre arbítrio (…) Esse reconhecimento pressupõe garantir-lhe o direito de pensar, de crer; de amar, de doar, de rezar, de ser gente religiosa. Gente que exercita a missão sagrada de reconhecer no outro a imagem e semelhança de Deus, Olorum ou Javé.”

  • Buda

Em verdade, jamais se destrói o ódio pelo ódio. O ódio só é destruído pelo Amor. Este é um preceito eterno.

  • Jesus Cristo

Bem Aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem Aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Bem Aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. Bem-aventurados os que promovem a Paz, porque serão chamados filhos de Deus.

Intolerância religiosa em um mundo plural

Como vimos nesse texto, a intolerância religiosa está presente no mundo todo e em diversas épocas da humanidade. Crenças que perseguem, em outro momento ou lugar são perseguidas, e essa dificuldade em aceitar a existência de um Deus diferente do seu, foi, e ainda é, motivo de grandes tragédias. Vivemos em um mundo plural, formado por pessoas diferentes, com posicionamentos, crenças e interesses diferentes e somente o respeito mútuo pode garantir uma convivência saudável em sociedade.

Caso você presencie casos de intolerância – e não apenas religiosa – pode fazer uma denúncia anônima ao Disque 100.

O que achou desse conteúdo sobre intolerância religiosa? Deixe seu comentário.

Aviso: mande um e-mail para contato@politize.com.br se os anúncios do portal estão te atrapalhando na experiência de educação política. 🙂

Publicado em 1 de novembro de 2018.

Talita de Carvalho

Assessora de conteúdo no Politize!, formada em Economia pela UFPR e mestranda em Planejamento Territorial na UDESC. Acredita que pessoas bem informadas constroem uma sociedade mais justa.

banner ead